web analytics

Poderia a vida alienígena estar escondida nos anéis de Saturno ou Júpiter?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Ouça este artigo...

A procura de vida fora da Terra levou os investigadores a explorar todos os tipos de habitats potenciais – não apenas na lista crescente de exoplanetas semelhantes à Terra conhecidos, mas noutros locais dentro do nosso próprio sistema solar.

Poderia a vida alienígena estar escondida nos anéis de Saturno ou Júpiter?
Saturno e seus anéis.

A primeira escolha que vem à mente é provavelmente Marte, que alguns cientistas acreditam que ainda contém oásis de água líquida sob sua superfície árida. Não muito tempo atrás, a detecção de fosfina, um possível indicador de decadência biológica, na atmosfera de Vênus desencadeou um debate sobre se poderia existir vida nas nuvens daquele planeta terrivelmente quente. E há décadas que os cientistas têm ponderado se poderia existir vida nos céus de gigantes gasosos como Júpiter.

Mas um local que poucos cientistas consideraram para a vida é o conjunto de anéis que coroam Júpiter, fora da atmosfera do gigante gasoso. Esses anéis, como aqueles que circundam todos os gigantes gasosos do nosso sistema solar, são na verdade cinturões compostos principalmente de partículas de água gelada, algumas tão pequenas quanto grãos de areia, outras tão grandes quanto montanhas. Poderia existir vida lá?

Os cientistas geralmente pensam que um ambiente que possa sustentar a vida como a conhecemos requer três componentes principais. A primeira é algum tipo de fonte de energia: normalmente, o calor e a luz de uma estrela, que as criaturas podem aproveitar para a fotossíntese. A segunda é a matéria orgânica: compostos químicos contendo carbono que podem formar seres vivos em primeiro lugar. A terceira é a água líquida. Tudo, desde a Lua até cometas distantes, pode ter água congelada, mas a água deve ser líquida para que a vida prospere.

Veja os anéis espetaculares de Saturno. Dentro deles, sabe-se que existem dois dos três requisitos para a vida como a conhecemos. Mesmo aqui, há muita luz solar para alimentar a vida. E embora os anéis de Saturno possam parecer um lugar improvável para a existência de matéria orgânica, a missão Cassini da NASA descobriu que compostos de carbono como butano e propano chovem na atmosfera do gigante gasoso a partir do seu anel D mais interno.

Infelizmente, falta o terceiro ingrediente – água líquida. “Há material orgânico caindo nos anéis e há luz solar, mas simplesmente não há água líquida”, disse Matthew Tiscareno, cientista planetário do Instituto SETI na Califórnia, ao Space.com. “Há muita água, mas está toda congelada.”

Isso torna a vida – mais uma vez, pelo menos tal como a entendemos – uma possibilidade difícil em qualquer um dos anéis do nosso sistema solar, todos eles demasiado distantes e demasiado frios para que a água gelada derreta. Mas se existissem anéis noutro sistema estelar, digamos, mais próximo do seu Sol, então o calor do Sol poderia dar-nos a água líquida que procuramos.

Apesar dos seus melhores esforços, os cientistas ainda não detectaram anéis em torno de um planeta interior, seja no nosso próprio sistema solar ou noutro, pelo que só podem fazer suposições fundamentadas sobre como seriam esses anéis. Em vez dos anéis de água gelada que encontramos em torno de Júpiter ou Saturno, estes anéis mais quentes podem ser coleções de blocos rochosos.

Infelizmente, ainda seria difícil manter a água na forma líquida com espaço ao seu redor; sem atmosfera, a água líquida tende a evaporar. “Você precisa de uma atmosfera para manter a água líquida estável”, disse Tiscareno. “Não seria necessariamente muito diferente dos asteroides.”

Muitos cientistas pensam que a vida simples pode ter chegado à Terra há milhares de milhões de anos, através de um asteroide que atingiu um mundo muito mais jovem: uma teoria conhecida como panspermia. Essa teoria recebeu um impulso em 2023, quando os cientistas encontraram uracilo – um composto orgânico e um dos componentes do ARN – numa amostra retirada do asteroide Ryugu pela missão japonesa Hayabusa2. Por outro lado, é duvidoso que esses compostos tenham realmente se originado nos próprios asteroides.

Por enquanto, a possibilidade de vida é algo com que os examinadores normalmente não se preocupam. Mas isso não significa que a ideia não esteja totalmente fora do domínio do que os cientistas podem considerar. “Gosto da ideia de pensar em lugares criativos onde a vida poderia existir”, disse Tiscareno.

E os anéis são tremendamente interessantes para os astrônomos por uma série de razões que não estão diretamente ligadas à busca por vida. Por um lado, são instrumentos naturais, permitindo aos astrônomos examinarem os seus planetas hospedeiros de formas únicas – observando meteoritos atingirem os anéis, por exemplo. Por outro lado, examinar os anéis de um planeta diz-nos muito sobre como esse planeta evoluiu – apenas certas condições poderiam permitir que os anéis se desenvolvessem nas estruturas que os astrônomos veem.

Para um terceiro, os anéis são discos: em outras palavras, pequenos fac-símiles dos tipos de discos que criam sistemas planetários em primeiro lugar. Os cientistas ainda não conseguem ver os discos de protoplanetas recém-formados em torno de outras estrelas (pelo menos não em grande detalhe), nem podem criar uma nave do tempo para ver o início do sistema solar – mas podem definitivamente olhar para os anéis de Saturno.

(Fonte)


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code