web analytics

Físicos estão prestes a provar a existência de Deus: Um estudo que pode perturbar até os céticos

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.
Ouça este artigo...

Você deve ter ouvido falar que nosso universo não é o único; há outros. Um artigo científico recente prova rigorosamente a existência de um número infinito de outros universos. Esta é uma notícia emocionante, pois sugere que não ficaremos sem mundos para explorar.

Físicos estão prestes a provar a existência de Deus; um estudo que pode perturbar até os céticos
Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/Bing/Copilot

No entanto, há um problema: o nosso mundo, com a sua relva verde e céu azul, parece estar desaparecido. Parece que apenas um reconhecimento divino pode corrigir isto, e os físicos parecem estar à beira de tal descoberta.

O artigo intitulado “Search for Classical Systems in Quantum Worlds” (“Procura por Sistemas Clássicos em Mundos Quânticos”) é de autoria de físicos da Caltech, Los Alamos e do Swiss Institute of Technology. O estudo procura abordar a questão profunda: Por que o nosso mundo existe?

Da nossa perspectiva, o mundo simplesmente existe. Percebemos isso através dos nossos olhos, mas é discutível se a nossa visão transmite toda a verdade.

A nossa civilização moderna, com os seus computadores, comunicações celulares e redes sociais, depende fortemente dos princípios da mecânica quântica. Esta ciência é muitas vezes considerada estranha, sugerindo possibilidades como atravessar paredes, a inexistência do tempo e o desaparecimento da natureza quando não observada. Apesar das suas estranhezas, a mecânica quântica está longe de ser absurda, como evidenciado pela sua aplicação em inúmeros dispositivos. No entanto, continuamos incapazes de atravessar paredes ou atravessar o tempo.

Habitamos um mundo denominado “clássico” pela mecânica quântica, que não emerge das suas equações; não há espaço para isso. Por outro lado, o mundo clássico é representado com precisão pela teoria da relatividade de Einstein e pelas leis de Newton. No entanto, a questão surge porque a teoria da relatividade e a mecânica quântica se excluem. Poderia ser, talvez, a teoria da relatividade? Por exemplo, o sistema GPS não seria viável sem os efeitos relativísticos, ou einsteinianos. Assim, é necessária uma escolha.

Os físicos fizeram essa escolha. Na verdade, estas peculiaridades foram reconhecidas já na década de 1930, necessitando de uma resposta.

Assim, surgiu a noção de colapso global. O mundo existe como probabilidades e não como objetos materiais. No entanto, estas probabilidades acabam por “entrar em colapso”, eliminando o excesso, deixando-nos com entidades familiares como cadeiras, mesas, o Sol e a relva, em vez de meras probabilidades da sua existência. É necessário um Observador para que este “colapso” aconteça. Na presença de um Observador, as probabilidades diminuem, tal como uma tartaruga que se retira para dentro da sua carapaça, deixando para trás uma realidade tangível para interação.

Surge então a questão: Quem é o Observador? Inclui-nos, daí o ditado “A lua não existe a menos que alguém a observe”. Mas estende-se além dos humanos, chegando aos animais e, dado que Marte existe sem eles, possivelmente também aos objetos inanimados. Parece que uma pedra pode observar outra pedra, um grão de areia outro grão.

Francamente, isso parece um absurdo.

O auge da perplexidade ocorreu em 2019, quando uma equipe de cientistas sérios demonstrou experimentalmente que fótons individuais podem atuar como observadores. Isto sublinha a noção de “procurar onde a luz é mais brilhante”, implicando que na escuridão nada existe.

É concebível que se o Observador abrange tudo o que existe, então a origem do próprio Observador se torna um mistério. Presumivelmente, deve haver outra entidade o observando. Observadores de ordem superior, talvez? O artigo de 2019 postulava que não existe realidade subjacente nem “colapso global” – as nossas experiências são meras percepções. Em essência, um cenário Matrix-2.

Se postularmos a existência de um Observador Absoluto, identificado como Deus, o enigma se resolve. No entanto, os cientistas persistirão nas suas investigações, evitando a todo custo esta hipótese.

A hipótese da nebulosa de Andrômeda

O artigo recente apresenta uma nova perspectiva sobre o conceito importante, oferecendo um ponto de vista diferente. Na década de 1950, o físico Hugh Everett propôs que o universo não é singular, sugerindo uma saída para um impasse teórico. Segundo ele, existem múltiplos universos paralelos. David Deutsch, conhecido pelo seu trabalho em computadores quânticos, expandiu esta ideia, sugerindo que as nossas decisões nos fazem mudar entre estes mundos paralelos. Por exemplo, decidir comprar sorvete no caminho para o trabalho resulta em resultados diferentes em universos diferentes, com base na escolha feita. Recentemente, foi estabelecido que o cérebro funciona de forma semelhante a um computador quântico, o que se alinha bem com estas teorias.

A teoria do multiverso, ou o conceito de universos múltiplos, ganhou popularidade em parte porque aborda o paradoxo do livre arbítrio. Até mesmo Isaac Newton reconheceu que suas leis pareciam negar o livre arbítrio, implicando predestinação. No entanto, a teoria do multiverso sugere que o livre arbítrio existe e que as nossas escolhas são importantes, resolvendo um dilema filosófico de longa data pela primeira vez em séculos.

No entanto, as somas ainda não se conciliam. Num estudo recente, os físicos colocaram uma questão provocativa: se um observador estiver sentado em Nova Iorque, poderá ele evocar a Nebulosa de Andrômeda apenas pela sua contemplação? Surpreendentemente, as equações da mecânica quântica sugerem que isso é possível. Apenas um pensamento pode ser suficiente para manifestá-lo. Isso leva à nebulosa e, além, ao limiar da existência.

Os pesquisadores chegaram a duas conclusões, uma indiscutível e outra controversa.

Em primeiro lugar, o número de universos é igual ao número de observadores; essencialmente, uma contagem infinita. Este conceito tem apoio unânime entre os físicos.

Em segundo lugar, a noção de um mundo “um para todos”, uma “realidade real”, é inexistente. Em vez disso, existe uma coleção ilimitada de universos individuais. Não apenas o tio Borya, mas todos os habitantes da Terra, todos os animais, até os insetos, e até mesmo os fótons – que também são considerados observadores – desempenham um papel nisso. Com cada lâmpada emitindo bilhões de fótons a cada segundo, os números são verdadeiramente infinitos. Este ponto, no entanto, está em debate.

Em essência, os especialistas do Caltech e de Los Alamos procuraram um ponto de apoio na realidade, uma forma de derivar o “clássico” do quântico. E parece que eles encontraram um lugar assim.

Nada de novo?

Isto pode parecer um absurdo moderno, mas se for absurdo, tem raízes antigas. Na verdade, o conceito de realidades múltiplas começou a tomar forma entre os cientistas na segunda metade do século XIX, muito antes do advento da teoria da relatividade ou da mecânica quântica. Liderando essa exploração estavam psicólogos que reconheceram que cada pessoa tem sua experiência única. Não podemos transplantar nossas experiências para outra pessoa. Concordamos que uma maçã é vermelha, mas é concebível que o que percebemos como vermelho possa ser azul para os outros.

Todas estas investigações convergiram para um cientista amador e piloto militar, John Dunn, que influenciou significativamente a arte do século XX (embora, lamentavelmente, não a ciência – onde as construções do indivíduo “autodidata” não foram imediatamente reconhecidas). Tendo estabelecido empiricamente que os nossos sonhos entrelaçam o passado e o futuro, Dunn propôs que a consciência se move livremente através do tempo, semelhante a uma régua. Ela é observada por uma consciência de ordem superior (a quinta dimensão), depois por uma consciência da sexta dimensão, e assim por diante, culminando no infinito, conforme discutido no novo artigo, certo?

Não exatamente. Pelo contrário, culmina em Deus, que é o Observador absoluto e a personificação do tempo absoluto. Dunn acreditava em Deus, ao contrário de muitos físicos de hoje. No entanto, os físicos agora, mais do que nunca, têm a oportunidade de provar a Sua existência. Afinal, em termos matemáticos, Deus é o limite de uma função infinita – um conceito familiar aos matemáticos desde o primeiro ano de estudo.

Deve-se admitir que a introdução do Observador Inicial ou Absoluto altera o cenário, tornando-o longe de ser mundano. Talvez o nosso mundo seja uma ilusão, mas integrado num sistema maior cujo início é marcado pelo Criador. É uma noção cativante. Se é científico depende do autor do artigo subsequente. Na verdade, entre os pesquisadores, existem numerosos que acreditam.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Leopoldo Della Rocca ❤️ Egídia L dos Santos ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code