web analytics

Auroras boreais a austrais coincidiram com experimento HAARP

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Ouça este artigo...

Durante a noite de sexta para sábado, 10 de maio, as luzes do norte foram visíveis de vários pontos da Europa, um fenômeno estranho para estas latitudes.

Auroras boreais a austrais coincidiram com experimento HAARP
Crédito da foto: Frank Olsen, CC BY-SA 3.0 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0, via Wikimedia Commons

Tempestades geomagnéticas são um fenômeno causado por perturbações no campo magnético da Terra, geralmente desencadeadas por uma Ejeção de Massa Coronal (CME) ou poderosas chamas solares. Quando as partículas altamente carregadas do Sol chegam à Terra, elas encontram o campo magnético e são canalizadas para os polos, gerando uma aurora boreal ou austral, dependendo se está no Polo Norte ou no Polo Sul.

Um fenômeno com essas características não ocorria há 20 anos. É o produto da tempestade magnética G5, a mais poderosa registada no último século e meio, que resultou em apagões de rádio e na aurora boreal em latitudes invulgarmente baixas.

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) emitiu um raro alerta de tempestade geomagnética severa quando a explosão solar atingiu a Terra, horas antes do esperado, na tarde de sexta-feira.

Os efeitos da aurora boreal foram perceptíveis na Grã-Bretanha, nos céus do centro e sul de Itália, ou mesmo na costa mediterrânica espanhola, chegando mesmo ao arquipélago das Ilhas Canárias.

Mas há quem veja algo mais sinistro e perturbador nestes fenômenos. Entre eles está o autoproclamado inventor das vacinas de mRNA, o médico e bioquímico americano Robert Wallace Malone. Este cientista amplamente criticado por questionar a eficácia contra as vacinas COVID 19 publicou em sua conta na plataforma X que em 10 de maio de 2024, o HAARP conduziu experimentos para criar artificialmente brilhos semelhantes a auroras ou ‘brilho de ar’ na ionosfera, excitando elétrons com ondas de rádio de alta frequência.

Lembremos que HAARP (sigla para Programa de Pesquisa de Aurora Ativa de Alta Frequência, em português; High Frequency Active Aurora Research Program, em inglês) é, oficialmente, um programa militar norte-americano, inaugurado em 1993, com o objetivo de estudar as propriedades da ionosfera para ser capaz de desenvolver e melhorar a tecnologia que utiliza as suas propriedades para transmitir comunicações de rádio e a sua utilização em sistemas de vigilância estratégica, tais como sistemas de detecção de mísseis.

Os teóricos da conspiração, no entanto, culparam este projecto enigmático por uma vasta gama de eventos, incluindo numerosos desastres naturais e alterações climáticas.

Por essa razão, perguntou-se Malone, quando é que as teorias da conspiração se tornam realidade? E detalhou que o experimento ‘Tornar o invisível visível’ testou se os elétrons quentes produzidos pelo rádio HAARP poderiam gerar um fenômeno semelhante à aurora chamado STEVE (Forte Aprimoramento de Velocidade de Emissão Térmica).

Para provar isso, ele compartilhou um texto do Perplexity, um programa de IA (Inteligência Artificial) baseado em assinatura que ele usa para pesquisas gerais.

No entanto, a página do HAARP revela que a última experiência ocorreu de 27 de fevereiro a 2 de março de 2024. Também não há referências a nenhum projeto chamado STEVE. A IA inventou isso?

Bem, parece que não. Pelo menos existem versões contraditórias porque, embora a Universidade do Alasca não diga nada sobre os experimentos, vários fóruns relataram no segundo dia de maio o anúncio dos testes ionosféricos HAARP do Alasca de 8 a 10 de maio!

HAARP anunciou um experimento que coincide com as auroras

Longe de qualquer conspiração, a postagem do radioamador ei7gl detalha os horários e frequências de operação (entre 2,8 MHz e 10 MHz) para estudar mecanismos que facilitam a detecção de detritos espaciais em órbita. Portanto a experiência e a coincidência com as auroras seriam “casuais”.

A causa das últimas auroras reside na atividade que ocorre em AR3664, uma região de manchas solares tão ativas que são visíveis a olho nu da Terra com óculos especiais. O calor interno da nossa estrela é tão intenso que nos locais onde não consegue chegar à superfície, gera manchas. Os cientistas falam de ciclos solares – a cada 11 anos – com picos máximos e mínimos nessas manchas solares que estão intimamente relacionados com as tempestades do seu campo magnético, que agora é especialmente intenso.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Leopoldo Della Rocca ❤️ Egídia L dos Santos ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code