web analytics
Tempo de leitura: 4 min.

Isto poderá mudar como pensamos sobre nossas origens e vida extraterrestre

Tempo de leitura: 4 min.
Isto poderá mudar como pensamos sobre nossas origens e vida extraterrestre
Renderização gráfica do jipe-sonda Perseverance descendo em Marte. Crédito: NASA

Sete minutos de angustiante descida ao Planeta Vermelho ocorrerão em 18 de fevereiro (amanhã), quando o jipe-sonda Perseverance da NASA – um “cientista” robótico pesando uma tonelada – saltará de pára-quedas no tênue ar marciano, marcando uma nova era na exploração do planeta vermelho. Uma vez no topo da atmosfera do Planeta Vermelho, a descida parecida com um filme de ficção científica começa à medida que cai através de temperaturas equivalentes à superfície do Sol, junto com uma inflação supersônica de paraquedas e o primeiro pouso autônomo guiado em Marte, entregando o maior geólogo robótico de seis rodas mais pesado, limpo e sofisticado já lançado ao espaço ao norte do equador marciano.

O jipe-sonda pousará na antiga cratera de Jezero, uma cratera de impacto com 45 quilômetros de largura (imagem abaixo) que abriga os restos de um antigo delta de rio onde os pesquisadores encontraram depósitos de sílica hidratada, um mineral especialmente bom em preservando microfósseis e outros sinais de vida passada.

Isto poderá mudar como pensamos sobre nossas origens e vida extraterrestre
Crédito NASA

Primeira missão de “retorno de amostra”

Assim que pousar, o Perseverance executará a primeira “missão de retorno de amostra” – um tipo extremamente raro de missão de exploração espacial devido às suas despesas – e coletará e armazenará amostras de rocha e solo de Marte, que serão enviadas em uma década para Terra. O jipe-sonda irá procurar por sinais de vida microbiana antiga, o que irá promover a busca da NASA para explorar a habitabilidade passada de Marte. O jipe-sonda tem uma broca para coletar amostras de núcleo de rocha e solo marcianos e, em seguida, armazená-los em tubos selados para coleta em uma missão futura que os levaria de volta à Terra para análise de DNA.

Anexado ao Perseverance Mars está o Mars Helicopter, a primeira aeronave da história a tentar voar com potência controlada em outro planeta. O helicóptero será lançado cerca de dois meses e meio depois que o Perseverance pousar.

Pingue-Pongue biótico?

Mas o que acontecerá, alguns cientistas especulam, se a vida marciana foi transportada para a Terra em nosso passado antigo, mais de 3,5 bilhões de anos atrás, quando um bombardeio de meteoros ricocheteou ao redor do sistema solar, passando material entre os dois planetas incipientes em um “ônibus espacial” Marte/Terra – um jogo galáctico de pingue-pongue, criando uma ancestralidade genética compartilhada entre os dois planetas?

A Terra pode não ser o centro do universo baseado em DNA”, diz Gary Ruvkun, professor de genética da Harvard Medical School e do Massachusetts General Hospital.

“Espécies da Ilha” galáctica

As iguanas das Ilhas Galápagos, observa Ruvkun no artigo “Detecting Our Martian Cousins” (“Detectando Nossos Primos Marcianos”), desenvolveram muitas características únicas devido ao seu isolamento das iguanas do continente. Por não poderem nadar longas distâncias, os biólogos acreditam que as primeiras iguanas das Galápagos chegaram em jangadas naturais feitas de vegetação. O mesmo fenômeno pode ter acontecido no oceano do espaço. Com alguns pesquisadores especulando que a vida em Marte pode ser composta de “espécies insulares” que foram carregadas da Terra em meteoritos interplanetários. Ou, sugere Ruvkun, talvez ambos os planetas tenham sido semeados por vida de um “continente” ainda mais distante.

Jangadas cósmicas

Os cientistas encontraram evidências de que algumas moléculas biologicamente importantes, como os ingredientes dos aminoácidos, são entregues por cometas. E sabemos que cerca de 3,5 bilhões de anos atrás, os impactos de meteoros muitas vezes levantaram rochas da superfície da Terra e as lançaram no espaço. Rochas marcianas encontradas na Terra, ALH 84001, não foram aquecidas ao longo de sua jornada a mais de 40 graus Celsius e poderiam ter carregado vida. Micróbios e/ou biomoléculas, conjectura Ruvkun, podem ter pegado uma carona em uma dessas “jangadas” cósmicas.

Se havia vida em Marte encontrada nas rochas e no solo de Jezero, não é muito rebuscado acreditar que essas espécies marcianas podem compartilhar raízes genéticas com a vida na Terra. A análise do DNA alienígena exigirá um ponto de referência comum – ou seja, um trecho de DNA que provavelmente seria conservado em marcianos e terráqueos.

Fio Comum – Gene RNA

Em 2010, Ruvkun e seus colaboradores propuseram que esse fio condutor deveria estar no gene 16S do RNA ribossômico, que é vital para o processo de produção de proteínas nas células e tem regiões de sua sequência que quase não mudaram ao longo de bilhões de anos de evolução. Na verdade, observou Ruvkun, segmentos curtos na sequência do RNA ribossômico 16S são exatamente idênticos em mais de 100.000 espécies que até agora tiveram seus genes de ribossomo analisados. Qualquer marciano que compartilhe nossa herança genética provavelmente carregará o gene 16S do RNA ribossômico com as mesmas peças conservadas que todos nós, terráqueos, temos.

Se você fosse procurar vestígios de vida em Marte, que é o que esperamos fazer com o Perseverance, eu ficaria pessoalmente surpreso se elas não estivessem conectadas pela cintura à vida terrestre”, diz Erik Asphaug, professor de ciências planetárias na Universidade do Arizona.

Marte – o primeiro habitável

Mas, apenas olhando para o nosso próprio sistema solar, que planeta provavelmente seria habitável primeiro?” pergunta Asphaug. Quase certamente Marte, ele sugere, “porque Marte se formou antes da Terra. No início da história de Marte, quando Marte estava esfriando, Marte teria um ambiente ‘hospitaleiro’ e água muito antes da Terra.

A origem da vida na Terra é o maior mistério do ser humano. Os cientistas podem ter pontos de vista totalmente diferentes sobre o assunto. Alguns pensam que a vida é muito rara e aconteceu apenas uma vez no Universo, enquanto outros pensam que a vida pode acontecer em todos os planetas adequados. Se a panspermia for possível, a vida deve existir com muito mais frequência do que pensávamos anteriormente”, diz o Dr. Akihiko Yamagishi, professor da Universidade de Farmácia e Ciências da Vida de Tóquio e principal investigador da missão espacial japonesa Tanpopo.

Em 2018, Yamagishi e sua equipe testaram a presença de micróbios na atmosfera. Usando uma aeronave e balões científicos, os pesquisadores encontraram bactérias deinocócicas flutuando 12 km acima da Terra. Mas, embora os Deinococcus sejam conhecidos por formar grandes colônias (facilmente maiores que um milímetro) e serem resistentes a perigos ambientais como a radiação ultravioleta, poderiam eles resistir por tempo suficiente no espaço para suportar a possibilidade de panspermia?

Para responder a essa pergunta, o Dr. Yamagishi e a equipe do Tanpopo testaram a sobrevivência da bactéria radiorresistente Deinococcus no espaço. O estudo, publicado na Frontiers in Microbiology, mostra que agregados espessos [um meteorito, por exemplo] podem fornecer proteção suficiente para a sobrevivência de bactérias durante vários anos no ambiente espacial hostil.

Marte atrai a imaginação humana como nenhum outro planeta”, escreveu John Noble Wilford em Mars Beckons. Parece inteiramente possível que a vida que o Perseverance possa descobrir na antiga Cratera de Jezero possa ter sido entregue à Terra bilhões de anos atrás, enterrada com segurança em “blocos do tamanho de montanhas” do Planeta Vermelho.

(Fonte)

Colaboração: Adalberto Dorneles


Mas, para mim, a maior de todas as questões é: Se a NASA encontrar algum sinal de vida – mesmo sendo fóssil – em Marte, ela irá divulgar isso publicamente, ou irá abafar a notícia como já fez anteriormente após seus próprios cientistas terem dito que encontraram sinais de vida no planeta vermelho?

Bem, com um pouco de sorte os “donos da Terra” agora podem estar pensando que chegou a hora de começar a revelar a verdade sobre a realidade extraterrestre.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol