“UFOs” estão saindo de buracos negros e alterando galáxias para sempre: “é tudo ciência muito nova”

Tempo de leitura: 2 minutos


Os buracos negros ainda são uma força misteriosa do espaço-tempo, com a primeira foto de um ter sido obtida apenas alguns meses atrás.

"UFOs" estão saindo de buracos negros e alterando galáxias para sempre
Representação artística mostrando como ventos ultrarrápidos soprando de um buraco negro supermassivo interagem com a matéria interestelar na galáxia hospedeira, limpando suas regiões centrais do gás. (Crédito: ESA / ATG medialab)

Agora, um novo estudo sobre buraco negros sugere que ‘UFOs’ estão saindo deles, ajudando a remodelar as galáxias ao longo do caminho.

De acordo com uma pesquisa publicada na Astronomy and Astrophysics, o gás ionizado quente – conhecido como ultra-fast outflow (UFOs) (fluxos ultra-rápidos) – está saindo de buracos negros supermassivos e pode ajudar a explicar porque há uma escuridão quase vazia cercando o centro de várias galáxias.

O principal autor do estudo, Roberto Serafinelli, disse em um comunicado:

Esses ventos podem explicar algumas correlações surpreendentes que os cientistas sabem há anos, mas não conseguiram explicar.

Por exemplo, vemos uma correlação entre as massas de buracos negros supermassivos e a dispersão de estrelas em suas partes internas de suas galáxias hospedeiras. Mas não há como isso ser devido ao efeito gravitacional do buraco negro.

Nosso estudo, pela primeira vez, mostra como esses ventos de buracos negros impactam a galáxia em uma escala maior, possivelmente fornecendo o elo perdido.

Os cientistas estavam estudando a galáxia PG 1114 + 445, que é descrita como ‘ativa’, onde eles puderam ver os UFOs escapando, usando o telescópio XMM-Newton da Agência Espacial Européia.

De acordo com os dados dos pesquisadores, a energia do UFO está sendo transferida para outros ventos (como ‘absorvedores de calor’) perto do buraco negro, fazendo com que esses ventos se movam a velocidades incríveis.

Serafinelli acrescentou:

Acreditamos que este é o ponto em que o UFO toca a matéria interestelar e a varre como um limpa-neves.

Nós chamamos isso de ‘entrained ultra-fast outflow’  (escoamento ultra-rápido arrastado), porque o UFO neste estágio está penetrando na matéria interestelar. É similar ao vento empurrando barcos no mar.

Um ‘absorvedor de calor’ é um fluxo de saída mais lento do buraco negro, que viaja frequentemente “a velocidades muito mais baixas de centenas de km/s e tem características físicas semelhantes – como densidade de partículas e ionização – à matéria interestelar circundante”

Este tipo de UFO, conhecido como UFO arrastado, é raro, observou Serafinelli, acrescentando que é apenas a sexta vez que ele foi visto e a primeira vez em que foi visto interagindo com os outros tipos de fluxos de saída.

Serafinelli continuou:

Esta é a sexta vez que essas saídas foram detectadas. É tudo ciência muito nova. Essas fases do fluxo foram anteriormente observadas separadamente, mas a conexão entre elas não estava clara até agora.

A descoberta de UFO e as três saídas juntas é empolgante para os pesquisadores, mas Norbert Schartel, cientista do projeto XMM-Newton da ESA, quer saber se isso é uma ocorrência comum no espaço ou se foi um evento isolado.

Schartel disse:

Encontrar uma fonte é ótimo, mas saber que esse fenômeno é comum no Universo seria um grande avanço.

Mesmo com o XMM-Newton, poderemos encontrar mais dessas fontes na próxima década.

(Fonte)


Certamente se trata de uma descoberta astronômica muito interessante. Contudo, seria ainda mais interessante se aqueles UFOs (OVNIs) que estudamos estivesse saindo dos buracos negros, pois muitos pesquisadores acham que eles possam ser portais para outros pontos em nosso universo, ou até mesmo para outros universos.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



Participe dos comentários mais abaixo…