web analytics

Em busca de vida marciana a NASA está olhando nas rochas erradas?

Tempo de leitura: 3 minutos


Estaria mesmo a NASA em busca de vida marciana, e se esse for o caso ela irá procura-la nos lugares certos?

busca de vida marciana
Imagem ESEM de um micélio fúngico fóssil com microestromatólito semilar a ‘couve-flor’, formado por bactérias oxidantes de ferro. De Koko Seamount, Oceano Pacífico. 43 anos de idade. Crédito: Dr. Magnus Ivarsson

Em 2020, as missões da NASA e da Rússia/Agência Espacial Europeia procurarão evidências de vidas passadas em Marte. Mas enquanto a rocha vulcânica e ígnea predomina no Planeta Vermelho, virtualmente todo o registro fóssil da Terra vem de rochas sedimentares.

Abordando o problema em Frontiers in Earth Science, cientistas suecos começaram a compilar evidências de micróbios fossilizados em ambientes de rochas ígneas pouco exploradas na Terra, para ajudar a orientar onde procurar um registro fóssil marciano – e o que procurar.

O principal autor do estudo, Dr. Magnus Ivarsson, disse:

Propomos um ‘atlas de microfósseis vulcânicos’ para ajudar a selecionar locais-alvo para missões que buscam evidências de vida extraterrestre, como a missão Mars 2020 da NASA e ExoMars.

O atlas também pode nos ajudar a reconhecer como os microfósseis da Mars podem se parecer, identificando bioassinaturas associadas a diferentes tipos de micróbios fossilizados.

Biosfera Profunda da Terra

Ivarsson e colegas estudam a vida enterrada há muito tempo em rocha profunda: restos fossilizados de micróbios misteriosos, que viveram até um quilômetro abaixo dos mais profundos oceanos por até 3,5 bilhões de anos.

Ivarsson revelou:

Acredita-se que a maioria dos microorganismos na Terra existe na biosfera profunda do oceano e na crosta continental. No entanto, estamos apenas começando a explorar – através de projetos de perfuração profunda – essa biosfera oculta.

busca de vida marciana
Reconstrução tridimensional feita por tomografia de raios X baseada em síncrotron (srxtm) da mesma que na imagem acima. Micélio fúngico com estruturas microstromatolíticas e restos de estruturas semelhantes a células procarióticas entre as hifas fúngicas. Crédito: Dr. Magnus Ivarsson

Em um mundo aquático que nunca vê a luz do Sol, bactérias, fungos e outros micróbios se adaptaram para se alimentar da rocha ígnea que os cerca – ou mesmo uns aos outros. Eles se espalham através de micro-fraturas e cavidades, formando comunidades complexas e estendidas.

Após a morte, as comunidades microbianas tornam-se fossilizadas nas paredes de seu lar rochoso. Esses microfósseis podem fornecer uma história de vida microbiana na rocha vulcânica.

Um atlas de microfósseis vulcânicos

Crucialmente, a crosta oceânica da Terra é geoquimicamente muito semelhante às rochas vulcânicas que dominam a paisagem marciana.

Ivarsson explica:

Nosso objetivo é ser capaz de usar o registro de microfósseis da crosta oceânica como um sistema modelo para guiar a exploração marciana.

Nossa revisão do conhecimento existente é um primeiro passo importante, mas uma compreensão mais abrangente da vida profunda é necessária para mostrar onde e o que procurar.

Para conseguir isso, diz Ivarsson, precisamos coletar mais dados sobre a aparência e a localização dos microfósseis – mas também sobre sua composição química:

Esses fósseis geralmente preservam imensos detalhes morfológicos. Por exemplo, podemos distinguir classes amplas de fungos através do aparecimento de esporos, corpos frutíferos, micélios e outros estados de crescimento – ou de bactérias, através da presença de formações similares a couve-flor, gerações de biofilmes preservados como folhas laminadas e outras estruturas comunitárias características.

Mas a análise de lipídios e isótopos de carbono em microfósseis tornará possível discriminar grupos mais precisos com base em seu metabolismo.

No total, esta informação ajudará a identificar quais tipos de microorganismos são mais provavelmente preservados em Marte, e quais condições geoquímicas favorecem mais a fossilização.

Um registro fóssil em Marte

O atlas de microfósseis, portanto, também ajudaria a determinar quais amostras devem ser direcionadas para o retorno à Terra, dada a carga útil limitada das missões de Marte.

Ivarsson concluiu:

Ambas as missões Mars 2020 da NASA e ExoMars são capazes de detectar estruturas fossilizadas maiores de rochas vulcânicas, como micélios fúngicos mineralizados do tamanho de mm, ou microstromatólitos maiores em vesículas abertas.

As câmeras de 8 micrômetros / pixel da ExoMars têm uma maior chance de identificar pequenas características e hifas individuais in situ em Marte. No entanto, a missão da NASA tem a possibilidade de coletar amostras para investigação posterior na Terra e suas câmeras de 15 micrômetros / px podem ser suficientes para selecionar amostras com alta probabilidade de conter bioassinaturas. Estas estratégias complementares aumentam a chance geral de se detectar evidências de vidas passadas em Marte, se existirem.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta e Universo. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Pois é! Mas…

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: