web analytics

Estamos a caminho de descobrir a vida alienígena, diz o chefe da NASA

Tempo de leitura: 3 minutos

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

Estamos a caminho de descobrir a vida alienígena

Talvez não tenhamos que esperar muito mais para obter nosso primeiro vislumbre dos ETs, disse o chefe da NASA, Jim Bridenstine.

A NASA tornou a busca por vida alienígena uma alta prioridade, e descobertas recentes dão razão para otimismo de que o empreendimento será bem-sucedido em breve, disse Bridenstine na semana passada em uma cerimônia anunciando a “morte” do jipe-sonda Opportunity em Marte.

Apropriadamente, dada a ocasião, o chefe da NASA destacou Marte como uma morada particularmente promissora para a vida. Ele destacou três descobertas intrigantes: a superfície do Planeta Vermelho abriga moléculas orgânicas complexas, os blocos de construção da vida baseados no carbono; em pelo menos alguns locais, o gás metano potencialmente biogênico varia sazonalmente; e aparentemente há um enorme lago de água líquida sob o pólo sul de Marte.

Nenhuma dessas observações garante que a vida existe, ou já existiu, em Marte, mas aumentam a probabilidade, salientou Bridenstine.

Bridenstine disse no evento de 13 de fevereiro, realizado no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia, o principal centro de missões interplanetárias robóticas da agência:

Todas essas coisas acontecem para dizer que há muita coisa que precisamos aprender, e amigos, vamos fazer isso rapidamente.

O jipe-sonda Opportunity e seu irmão gêmeo, o Spirit, foram atores-chave nessa intensificada caça à vida em Marte. Os dois robôs movidos a energia solar pousaram com algumas semanas de intervalo em janeiro de 2004, com missões de 90 dias para procurar sinais de atividade de água na antiguidade de Marte.

Ambos os robôs de seis rodas encontraram muitas dessas evidências, reafirmando o entendimento dos cientistas de que o Planeta Vermelho era um mundo muito diferente – e potencialmente habitável no passado antigo. E a dupla continuou a passar muito além das datas de seus vencimentos. A NASA não declarou oficialmente a morte do Spirit até 2011, e o Opportunity foi finalmente destruído por uma tempestade de poeira monstruosa em junho de 2018 (embora a NASA continuasse tentando despertar o jipe-sonda por oito meses, e o fim oficial, portanto, não chegou até fevereiro.

O Spirit e o Opportunity entregaram o bastão para o Curiosity, que aterrissou dentro da cratera Gale, que tem 154 quilômetros de diâmetro, em agosto de 2012, e continua forte. O veículo espacial do tamanho de um carro determinou que Gale era o lar de um sistema de lago-e-córrego potencialmente habitável por longos períodos no passado distante.

O jipe-sonda Curiosity está agora perambulando pelo sopé da montanha de 5,5 quilômetros que sobe do centro de Gale, aprendendo mais sobre essa antiga era úmida e quando e como ela terminou. O veículo não está equipado para procurar sinais de organismos de Marte, se é que alguma vez existiu – mas o seu primo, o jipe-sonda Mars 2020 em breve será lançado para fazer exatamente isso.

O jipe-sonda Mars 2020 da NASA, cujo projeto é fortemente baseado no da Curiosity, será lançado em julho de 2020 e aterrissará dentro da cratera Jezero de 45 quilômetros em fevereiro de 2021, se tudo correr conforme o planejado. Um lago profundo existiu uma vez dentro de Jezero, e Marte 2020 vai procurar evidências de quaisquer formas de vida que possam ter chamado esse corpo d’água de lar.

O Mars 2020 também irá coletar e armazenar amostras promissoras para eventual retorno à Terra, onde os cientistas podem examinar o material de Marte em laboratórios ao redor do mundo. A missão de recuperação ainda não está nos livros da NASA, mas a agência pretende fazer isso, disse Brindestine.

Ele ainda informou:

Seremos capazes de olhar amostras e determinar se há uma bioassinatura lá . O objetivo é descobrir a vida em outro mundo; é isso que estamos tentando alcançar. E por causa de tantas pessoas maravilhosas nesta sala, amigos, estamos bem no caminho de fazer isso.


Outro veículo caçador de vida está programado para ser lançado e pousar no Planeta Vermelho mais ou menos na mesma época que Marte 2020. Esse robô de perfuração profunda – chamado Rosalind Franklin, em homenagem à cristalógrafa pioneira que desempenhou um papel crucial na extração da estrutura de dupla hélice do DNA – é a peça central da segunda e última fase do programa ExoMars, um esforço conjunto entre a Agência Espacial Europeia e a Rússia.

Marte não é o único mundo que a NASA quer explorar em busca de sinais de vida extraterrestre. A agência está desenvolvendo uma missão para a lua de Júpiter, Europa, que é amplamente considerada como uma das melhores apostas do sistema solar para abrigar vida alienígena. Essa espaçonave, chamada Europa Clipper, será lançada na década de 2020 e caracterizará o oceano subterrâneo dessa lua durante dezenas de sobrevoos depois de chegar ao sistema de Júpiter. Clipper também vai procurar pontos de aterrissagem para uma missão de pouso em potencial, que caçará sinais de vida e logo abaixo da superfície gelada de Europa.

A NASA também está considerando largar uma sonda na enorme lua de Saturno, Titã, outro mundo que possivelmente abriga a vida. Essa missão, chamada Dragonfly, investigaria a química complexa que ocorre em Titã, onde os compostos orgânicos se agitam em uma atmosfera densa e dominada por nitrogênio que os cientistas acreditam que se assemelha à da Terra primitiva.

A Dragonfly seria capaz de voar de um lugar para outro na superfície de Titã, usando a tecnologia ‘quadricóptero’ semelhante à usada por drones aqui na Terra. É possível que a Dragonfly detecte sinais da vida de Titã – biomoléculas, por exemplo, ou variações no hidrogênio que indicam que micróbios estão usando esse gás como fonte de energia.

A Dragonfly é uma das duas finalistas, juntamente com uma missão de retorno de amostras de cometas chamada CAESAR, para uma chance de lançamento em meados da década de 2020, sob o programa ‘New Frontiers‘ da NASA. O vencedor deverá ser anunciado ainda este ano.

Se a Dragonfly for selecionada, ela provavelmente será lançada em 2025 e pousará em Titã em 2034, disseram membros da equipe da missão.

Bridenstine não é o único oficial da NASA a expressar otimismo sobre a caça à vida alienígena recentemente. Em 2015, Ellen Stofan, cientista-chefe da agência na época, previu que a NASA encontraria sinais de vida extraterrestre até 2025 e provas definitivas dentro de 20 a 30 anos.

(Fonte)


Na verdade, da forma com que conduzem as missões e com a redução em orçamento, estão muito longe de anunciar a descoberta de vida extraterrestre… salvo engano meu.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: