web analytics

Lembra quando os russos encontraram escorpiões em Vênus?

Tempo de leitura: 3 min.

Existe vida em Vênus? A maioria dos cientistas planetários diria “não”, ou pelo menos “improvável”.

Lembra quando os russos encontraram escorpiões em Vênus?
Fotos da superfície de Vênus obtidas pela sonda russa, Venera.

Apesar de ser quase um gêmeo do tamanho da Terra, o segundo planeta do Sol é a coisa mais próxima que podemos imaginar do inferno. Com temperaturas de superfície próximas a 400 ° C, até mesmo o Diabo pode estar procurando por férias em um clima mais frio.

Ainda assim, em 2012, um cientista planetário sênior russo afirmou não apenas que criaturas venusianas existiam, mas que já haviam sido fotografadas.

Com toda a publicidade moderna para a exploração de Marte – especialmente pelos robôs Spirit, Opportunity e Curiosity – muitas vezes é esquecido que a antiga União Soviética pousou com sucesso sondas em Vênus nove vezes no período de treze anos entre 1972 e 1985. Em virtude da condições de inferno na superfície daquele planeta, essas missões foram curtas – o máximo que qualquer uma delas sobreviveu uma vez no solo foi de pouco mais de duas horas.

Mas durante seus curtos encontros com as venusianas, várias dessas sondas transmitiram fotos de volta aos orbitadores, tiradas de uma câmera que varria repetidamente o panorama. Além de nos dar um vislumbre da paisagem alienígena, o cientista russo Leonid Ksanfomaliti sugeriu que essas imagens também podiam nos mostrar vida alienígena.

Ksanfomaliti foi inspirado a reanalisar as imagens pelas muitas descobertas recentes de exoplanetas de muitos tamanhos e condições, o que o fez questionar se cometemos um erro ao pensar que a vida provavelmente só existe em condições semelhantes às da Terra. Outro fator pode ter sido a descoberta em andamento nos tempos modernos de muitos “extremófilos” na Terra: organismos que vivem em condições muito além das que pensávamos anteriormente que a vida era capaz.

Para procurar por sinais de vida, Ksanfomaliti comparou várias imagens da mesma área, tiradas em momentos diferentes enquanto as câmeras varriam a paisagem para trás e para a frente, procurando por elementos em mudança – isto é, em movimento. O desafio então era descobrir se algo que se movia estava vivo, ou em vez de algum tipo de fenômeno não biológico (por exemplo, sujeira sendo soprada pelo vento), ou os efeitos da mudança de luz, artefatos de imagem digital e assim por diante.

Sua conclusão surpreendente: as imagens realmente mostram formas de vida, incluindo uma que ele apelidou de “escorpião”. Como se Vênus já não fosse infernal o suficiente, certo?

No blog da Planetary Society, Emily Lakdawalla ficou impressionada o suficiente com as credenciais de Ksanfomaliti que decidiu avaliar criticamente sua afirmação, apesar de parecer “tão obviamente ridículo” que ela “normalmente não pensaria duas vezes”. Com uma forte compreensão da transmissão e processamento de imagens na exploração planetária, ela ficou menos do que impressionada com a análise dele:

“Com todas essas razões naturais e artificiais pelas quais pode haver mudanças nos valores de pixel de uma imagem para a outra, é perigoso ler muito em pequenas mudanças de formas de bolhas. Mas é exatamente isso que Ksanfomaliti vai fazer. Há uma frase em negrito no artigo que pedi a ajuda do Twitter na tradução, e ela diz: “Deve ser enfatizado que no presente trabalho sobre o processamento das imagens de imagens iniciais qualquer retoque, desenho, acréscimo ou ajuste de imagens foi completamente descartado.” E ele diz que o uso do Photoshop foi “categoricamente descartado”. No entanto, ele continua dizendo que os ajustes foram, de fato, feitos. Pedaços de imagens que faltavam eram preenchidos com dados de outras imagens, contraste e brilho ajustados e (mais estranhamente), as funções “Desfocar” e “Aguçar” no Microsoft Windows Paint às vezes eram empregadas. Todas essas são operações padrão no processamento de imagem (exceto pelo uso do Windows Paint em vez do Photoshop para desfocar e aumentar a nitidez dos filtros, o que é muito estranho), mas são definitivamente “ajustes” de imagens, especialmente para tornar os objetos mais nítidos e desfocados. A nitidez, em particular, pode ter efeitos estranhos em imagens barulhentas.

… Há tanta variação de ruído entre essas cinco imagens, e elas foram tão processadas com nitidez e preenchimento de dados, que acho inútil microanálise de pequenos recursos e se eles mudaram, muito menos se eles representam a presença de criaturas vivas em movimento ou não. Essas imagens são muito menos convincentes até do que as do Sasquatch de Marte.

O que talvez tenha sido mais surpreendente para Lakdawalla foi como um cientista planetário tão respeitado e bem informado pôde inventar algo “tão completamente fora do comum”. Alguém observou a ela que Ksanfomaliti sempre se interessou por ideias “um pouco à margem da realidade”, enquanto outro sugeriu que talvez três décadas de análise de conjuntos de dados antigos podem deixar qualquer um louco. Seus próprios pensamentos, no entanto, eram mais sobre os perigos de ser tão inteligente que você se convence de que sua nova teoria é o início de um novo paradigma:

“Já vi quando pessoas de sucesso ficam tão convencidas de que são inteligentes e certas que vão além do limite e de repente pensam que qualquer ideia maluca que passa pela cabeça delas deve estar certa, porque elas pensaram e estão sempre certas, correto? Não tenho como saber o que fez Ksanfomaliti ganhar tanto do nada. Tudo o que sei é que não há nada aqui. Siga em frente.”

(Fonte)


Como acontece com todos os assuntos da raça humana, há sempre alguém que não concordará com o posicionamento da outra pessoa. Certamente eu torço para que exista vida em Vênus, e como o próprio artigo acima menciona, aqui mesmo na Terra temos criaturas vivas, os extremófilos, em locais que anteriormente achávamos impossíveis de encontrá-las. Porém, pode ser que Lakdawalla esteja correta.

Mas, embora Lakdawalla esteja segura de que Ksanformaliti estava errado ao declarar ter encontrado vida em Vênus, sempre será necessário tirar a dúvida enviando outra missão para lá com este mesmo objetivo. Até então, mesmo com grande parte da comunidade científica achando que vida em Vênus é impossível, sempre haverá uma dúvida. Afinal, a história da ciência está tão repleta de erros quanto de acertos.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


Meus sinceros agradecimentos aos que doaram ao OH neste mês de maio:

  • Boris G. K.
  • Ricardo C. A.
  • Eduardo S. S.
  • Egidia L.
  • Joaquim F. P. C.
  • Helio S Jr.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol