web analytics

Alex Dietrich: a piloto militar que viu um OVNI de verdade

Tempo de leitura: 4 min.

Por Petula Dvorak

Ela pegou as crianças depois de terminar sua última ligação no trabalho – houve alguns “chorinhos” no banco de trás – e correu para sua casa perto de Annapolis para o jantar em família. Nesse meio tempo, ela respondeu a perguntas sobre o OVNI.

Alex Dietrich: a piloto militar que viu um OVNI de verdade
Alex Dietrich em várias fotos. Crédito: Michael Greene e fotos da família.

A Tenente Comandante disse:

“Minha vida agora é muito surreal.”

Alex Dietrich, 41 anos, é mãe de três filhos, piloto de caça aposentada e uma das poucas pessoas que é regularmente arrastada para o Pentágono ou perante o Congresso para mais questionamentos sobre o dia em 2004 em que ela viu um OVNI – o Pentágono prefere chamá-los de fenômenos aéreos não identificados – do assento de seu caça Super Hornet nos céus perto de San Diego.

Dietrich é pragmática, direta e tem um senso de humor de piloto fanfarrona sobre essa coisa com a qual vive há quase 17 anos.

Graças a uma pequena linha bizarra no projeto de lei de alívio do coronavírus do ano passado, o diretor de inteligência nacional e o secretário de defesa são obrigados a gerar um relatório sobre tudo o que o governo sabe sobre OVNIs – incluindo o avistamento de Dietrich. Isto está chegando no próximo mês, e será a leitura mais quente do verão (no hemisfério norte) em D.C.

Um relatório do governo sobre OVNIs será público em breve – e pode ser grande

E agora que os OVNIs se juntam à pandemia e insurreição na agenda do Congresso (quando se trata do concurso do ano estranho, 2021 está dizendo para 2020 para “segurar minha cerveja”), os que chamam por Dietrich deixaram de ser principalmente fanáticos por OVNIs que só querem estar perto dela, para malucos da mídia como eu. Ela pacientemente joga junto.

Dietrich disse, quando perguntei porque ela atendeu a minha ligação e porque concordou em falar no “60 Minutes, sua estreia na mídia nacional:

“Eu me sinto um dever e uma obrigação. Eu estava em uma aeronave financiada pelo contribuinte, fazendo meu trabalho como oficial militar.

Os cidadãos têm perguntas. Não é classificado. Se eu puder compartilhar ou ajudar a dar uma resposta razoável, eu o farei. Não quero ser alguém que está dizendo [a frase] ‘sem comentários’ ”.

Então, vamos para os eventos de 14 de novembro de 2004.

Ela era uma piloto recém-alada em um voo de treinamento regular com o USS Nimitz Carrier Strike Group naquele dia, quando algo se movendo rápido e erraticamente apareceu.

O chefe de Dietrich, comandante Dave Fravor, disse a ela para ficar para trás e ser seu ala enquanto ele voava mais perto para verificar. O objeto começou a espelhar seus movimentos e então simplesmente desapareceu.

Dietrich escreveu em um tuíte:

“Alguns dias seu chefe pede para você limpar o convés. Alguns dias ele pede para você manter uma cobertura alta enquanto ele luta com um OVNI.”

Um vídeo, apenas uma das gravações daquele dia, captura um objeto branco em forma de Tic Tac e os uivos e exclamações dos pilotos que estavam rastreando seu movimento sobrenatural. O vídeo foi publicado pela To The Stars Academy of Arts & Science em 2017, mas ganhou muita força depois que o Pentágono o verificou como autêntico. Ele será incluído nesse relatório OVNI.

Dietrich disse que nunca teve uma conta no Twitter, mas ela criou uma este mês como uma forma de sair e se conectar com as milhares de pessoas obcecadas com o evento – e ela. (Seu primeiro tuíte foi um charmoso “Radio Check“, uma versão de piloto de “Isto está funconando?“).

Ela disse:

“As pessoas me encontraram ao longo dos anos. Eu apenas fui testemunha ocular de algo no curso de minhas funções normais. . . isso de alguma forma me torna um portal.”

Eles a rastrearam e ligaram para ela. “Vou dar a vocês 10 minutos no telefone, depois tenho que alimentar meus filhos”, ela lhes diz e, em seguida, contará pacientemente os acontecimentos daquele dia em 2004.

Assim que retornaram ao porta-aviões, relataram tudo o que viram e como aconteceu.

Ela disse:

“Todos nós, coletivamente, perdemos nossas mentes. Não havia como negar, todo mundo tinha nos ouvido no rádio.”

Durante as cervejas, durante as muitas reuniões que ela teve com seu comandante naquele dia, eles se entreolharam e balançaram a cabeça.

Ela disse:

“Concordamos que, se estivéssemos sozinhos, não teríamos dito nada.”

O humor do aviador naval pode ser brutal. E nos dias após o avistamento, seus colegas foram implacáveis. Eles exibiram filmes de invasores alienígenas “Homens de Preto” e “Dia da Independência” para mostrar nos canais do navio. Eles deixaram chapéus de papel alumínio por todo o lugar. Os boletins diários traziam cartuns de homenzinhos verdes.

Eles tiveram que rir disso, ela disse. Porque era tão estranho e porque, mesmo no navio, eles também viram no radar.

Dietrich disse que decidiu ser aberta sobre isso agora porque sabe que outros pilotos viram OVNIs semelhantes e ficaram calados sobre eles, com medo do estigma. Porque vamos ser honestos – os OVNIs ainda estão firmemente no reino da conspiração e malucos.

Ela tem sido discreta sobre isso todos esses anos, respondendo a perguntas no Capitólio e no Pentágono, ouvindo pacientemente enquanto os desbancadores encontravam seu número privado e gritavam com ela ao telefone.

Ela tem ensinado na George Washington University e na U.S. Naval Academy, sem olhar para o céu, se perguntando quem está lá fora ou se colocando aos olhos do público –“não quando estou no serviço ativo, não quando estou ensinando. Eu não quero ser a obcecada por OVNIs do corpo docente. ”

Além disso, ela tem estado um pouco ocupada lidando com a bagunça que temos aqui na Terra, voando mais de 200 missões de combate e 57 patrulhas de combate montadas e missões de comboio de assalto terrestre em dois posicionamentos no Iraque e no Afeganistão.

A Marinha a mandou para a escola de idiomas e ela se tornou a arquiteta estratégica da equipe de operações de estabilidade civil-militar na província de Ghazni, no Afeganistão.

Ela tem trabalhado para promover três causas: sua amada escola de ensino médio, Illinois Mathematics and Science Academy; a fundação para ajudar a diversificar a aviação fundada por um ex-colega de classe, a Legacy Flight Academy; E Wings for Val, a fundação para promover mulheres na aviação dedicada a Valerie Delaney, uma piloto da Marinha de Ellicott City, Maryland, que morreu em 2013 durante uma missão de treinamento no estado de Washington.

E Dietrich também está ocupada demais com seus três filhos, agora com 2, 4 e 6 anos, para se concentrar muito em OVNIs.

(Fonte)


Esforço, dedicação e vitória num mundo que ainda, pela maior parte, subestima a mulher. Tudo que posso dizer é que mulheres como ela são modelos para todos nós humanos, independentemente do sexo.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


Meus sinceros agradecimentos aos que doaram ao OH neste mês de maio:

  • Boris G. K.
  • Ricardo C. A.
  • Eduardo S. S.
  • Egidia L.
  • Joaquim F. P. C.
  • Helio S Jr.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol