Documentário “The Phenomenon” é uma chamada para ação: O fim da infância

Tempo de leitura: 4 min.

Em 17 de setembro passado publicamos aqui a respeito do lançamento de um novo trailer do documentário “The Phenomenon“, que será disponibilizado online no dia 6 de outubro. Aparentemente, Billy Cox, editor do blog devoid.blogs.heraldtribune.com, teve a chance de assisti-lo e coloca abaixo seu parecer:

Documentário "The Phenomenon" é uma chamada para ação: O fim da infância

Vinte e quatro minutos após o início do documentário tão aguardado “The Pheonomenon“(“O Fenômeno”), o diretor James Fox prenuncia seu ato final com uma retrospectiva do que aconteceu fora da Westall School da Austrália em 1966. Foi quando centenas de alunos saíram correndo de suas salas de aula ao ouvirem sobre um OVNI em forma de disco em plena luz do dia sobre as linhas de energia perto do campo de atletismo. Eles o viram descer abaixo da linha das árvores, subir novamente, virar para o lado largo e disparar em uma velocidade incrível.

Cinquenta anos depois, um punhado dessas testemunhas oculares se reúne para compartilhar não apenas sua experiência de avistamento, mas também como viram as autoridades locais e federais isolarem a área de pouso para conduzir uma investigação. Eles também foram advertidos pela administração durante uma assembléia escolar subsequente de que não tinham visto o que disseram ter visto. Ainda hoje, um membro do corpo docente que assistiu ao desenrolar do evento concordou em aparecer frente a câmera somente após ter garantido o anonimato.

Para quem acompanha o mistério há algum tempo, histórias como essas são genericamente familiares. Na verdade, grande parte da configuração segue um arco convencional com nomes (do general Roger Ramey a John Podesta), lugares (Roswell, Bentwaters, Malmstrom AFB) e eventos (do avistamento do “disco voador” de Kenneth Arnold em 1947 ao incidente Tic Tac de 2004 fora da costa da Califórnia) que são grampos da linha do tempo OVNI. Mas Fox está almejando um público muito maior, e estabelecer quadros de referência básicos para os não iniciados é absolutamente crítico para os pacotes de pancadas emocionais do documentáriuo “The Phenomenon” no final.

Com a democracia americana nas cordas e as normas institucionais degenerando para as de uma república das bananas, convencer o público a desviar sua atenção, mesmo que apenas momentaneamente, para o que há naquilo que tem sido difamado como cultura de show de horrores, é uma monumental tarefa. Sempre foi uma monumental tarefa. No entanto, a margem também está se deteriorando e as coisas estão acontecendo rapidamente agora. Quer seja a formação da Força-Tarefa UAP do Pentágono ou a liberação antecipada do relatório da inteligência militar sobre OVNIs para o Senado, o cenário do outro lado da eleição já está evoluindo para algo que não estamos preparados. E “The Phenomenon” nos força a ir ainda mais fundo, talvez até mesmo reavaliar o antigo status quo dos OVNIs, como talvez um crime contra a natureza – a natureza humana.

Para ter certeza, James Fox oferece reviravoltas que podem pegar alguns conhecedores de surpresa.

O ex-vice-secretário adjunto de Defesa para Inteligência Chris Mellon, por exemplo, lembra como o astronauta Gordon Cooper da missão Mercury abordou o assunto OVNI com o presidente Clinton durante uma reunião de gabinete. Despachado pelo SecDef William Cohen para saber mais, Mellon se lembra de bater na parede quando um coronel da USAF disse a ele que os registros pertinentes foram “limpos ou jogados fora para economizar espaço”. Mellon continua contando como “alguém quebrou as regras” para conseguir os famosos vídeos de perseguição de OVNIs do F-18 para ele no estacionamento do Pentágono. Ele também declara que ficou “extraordinariamente desapontado” na história inovadora do NY Times de 16/12/17, que exibiu os vídeos e expôs a existência do Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (de sigla em inglês, AATIP) de US $ 22 milhões.

Em vez de se concentrar na AATIP, Mellon diz:

A história real, pelo menos em minha mente, deveria ter sido, essas coisas são reais, elas estão aqui, isso está acontecendo agora.

The Phenomonon” também nos leva aos bastidores e nos dá vislumbres curtos e tentadores da pesquisa em andamento agora sobre supostos fragmentos de OVNIs coletados “desde 1947.” O físico/cientista da computação/pioneiro ufólogo francês Jacques Vallee diz que seus colegas estão investigando material que é fabricado, não natural, empregando tecnologia que permite aos pesquisadores examinar a estrutura atômica tão profundamente que é “impossível falsificar”. Garry Nolan, professor de microbiologia da Stanford Med School, exibe o “gerador de imagens por feixe de íons de multiparâmetros” e discute como ele determinou que as composições isotópicas das amostras são diferentes de quaisquer metais conhecidos na Terra.

Nola disse a Fox:

Se você está falando sobre um material avançado de uma civilização avançada, está falando sobre algo que chamarei apenas de ultramaterial, certo. É algo que tem propriedades onde alguém o está montando em escala atômica. Então, estamos construindo nosso mundo com 80 elementos, outra pessoa está construindo o mundo com 253 isótopos diferentes.

Mas além das proporções isotópicas, uma discussão sobre as ameaças aos arsenais nucleares das superpotências e as intrigas burocráticas, o documentário “The Phenomenon” coloca uma questão ainda mais fundamental: Mais de 70 anos na era “moderna” dos OVNIs, onde nos deixou a moral ou a ética de negação e ofuscação? Em uma versão mais recente do que aconteceu na Westall School na Austrália, Fox nos leva à Ariel School no Zimbábue e ao encontro em massa que mudou a vida das testemunhas em 1994.

Usando uma antologia notável de depoimentos contemporâneos em vídeo da BBC de dezenas de alunos discutindo o que viram 26 anos atrás, Fox reúne um punhado desses alunos para entrevistas, agora como adultos. Todos tiveram décadas para contemplar aquele momento, uma experiência que divergia drasticamente de sua tarifa média de luzes no céu. Eles relataram ter visto pequenos seres fora do veículo, os aparentes ocupantes, com cabeças grandes e enormes olhos negros hipnóticos. Muitos receberam mensagens telepáticas, em grande parte distópicas, sobre o destino da Terra e o papel da tecnologia em sua doença.

Mais comoventes são as entrevistas conduzidas pelo falecido psiquiatra de Harvard, John Mack, cuja empatia e compaixão no local em 1994 claramente levou algumas dessas crianças a uma reflexão extraordinária. Para seu crédito, ao contrário da Austrália, pelo menos um oficial da Ariel School encorajou as crianças a “dizer exatamente o que você quer dizer” enquanto as câmeras montavam para as entrevistas. Décadas mais tarde, no entanto, pelo menos um dos ex-alunos admitiu ter receio de compartilhar sua experiência tão livremente, “sendo tão jovem e nem mesmo tendo tempo para compreender o que vimos”. Ela acrescentou:

Nosso professor certamente não acreditou em nós, então isso foi muito importante porque tínhamos que continuar a estudar lá.

Quando a equipe de produção de Fox chegou à zona rural de Ruwa, a ex-professora de Ariel e atual diretora Judy Bates fez sua própria confissão diante das câmeras todos esses anos depois:

Eu queria me desculpar, deveria ter prestado atenção, mas não o fiz. Eu estava mais preocupado comigo e não com eles, e com o que estava acontecendo em minha própria experiência pessoal.

Seu veredicto:

Os extraterrestres nos visitaram – e isso é tudo.

Fox sabe que o material do Zimbábue é dinamite e ele é inteligente o suficiente para recuar e deixar as imagens respirarem. Não é tanto o que as crianças falavam naquela época, mas como o falavam. Eles lutaram para articular o que estava acontecendo por trás de seus olhos e se expressaram com uma incerteza que parecia oscilar entre a admiração e o trauma. Os adultos falharam para com eles, assim como falharam com as crianças australianas em 1966, bem como com incontáveis ​​outros que foram condenados ao ostracismo e duvidas de sua sanidade desde quando tudo isso começou.

Resumindo, “The Phenomenon” é um apelo à ação. Fox coloca um rosto humano urgente no momento atual em direção à transparência e nos deixa com uma pequena janela para o preço que pagamos por não fazermos nada. Algum dia, se e quando o véu se abrir, podemos nos arrepender de ter espiado. Mas as consequências de sermos protegidos da visão são evidentes. E o tempo está se esgotando.

(Fonte)


Mal posso esperar para assistir o documentário, embora tenho certeza que tudo que será falado já é de conhecimento dos leitores que constantemente procuram por essas notícias aqui no OH ou em outros sites que estudam o fenômeno.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.