Missão proposta de balão em Venus pode detectar vida até 2022

Tempo de leitura: 3 min.
Missão proposta de balão em Venus pode detectar vida até 2022
Um agrupamento de balões em busca de micróbios implantados a um custo muito baixo na atmosfera de Vênus. Imagem ilustrativa: ADRIAN MANN

Dois pesquisadores defendem o envio de uma missão rápida a Vênus para tentar acalmar o debate sobre se a atmosfera intermediária de nosso planeta irmão de fato abriga algum tipo de vida microbiana.

Para seu crédito, em vez de ficar por aí rangendo os dentes sobre o problema, Andreas Hein e Manasvi Lingam, já estabeleceram uma nova proposta de missão de balão especificamente voltada para confirmar a detecção de fosfina (PH3) na atmosfera de Vênus. Se financiado, eles dizem que sua missão pode ser lançada em 2022.

A proposta deles, que está sendo submetida ao The Astrophysical Journal Letters, surge na esteira da controvérsia anterior deste mês sobre a detecção provisória de fosfina na atmosfera de Vênus. Sob certas circunstâncias, fosfina, um gás inflamável e tóxico que pode sinalizar a presença de biologia.

Essas sondas baseadas em balões seriam desaceleradas por um pára-quedas, após o que os balões seriam lançados nas plataformas de nuvem, disse Lingam, o segundo autor do artigo e um astrobiólogo do Instituto de Tecnologia da Flórida. Os balões flutuariam na camada de nuvens onde a fosfina foi detectada e a existência de vida foi teorizada, e os instrumentos científicos operariam e coletariam dados, diz ele.

Assim que atingem a atmosfera, os balões se inflam, semelhantes aos airbags, disse Andreas Hein, professor assistente de engenharia aeroespacial na Universidade Paris-Saclay, na França. Eles então coletariam aerossóis e poeira, que seriam analisados ​​por meio de um microscópio e espectrômetro de massa, diz ele.

Os balões sondariam a atmosfera de Vênus a uma altura de 50-60 km, onde as condições são semelhantes às da Terra em termos de temperatura e pressão, diz Hein. Isso é cerca de cinco vezes a altura em que os aviões voam hoje. Micróbios podem sobreviver nessas condições, flutuando livremente ou em aerossol e partículas de poeira, ele observa.

A superfície de Vênus é conhecida por ser um buraco do inferno dominado por dióxido de carbono, com pressões de superfície 95 vezes maiores que a da Terra e temperaturas de superfície quentes o suficiente para derreter chumbo. Em contraste, a atmosfera média de Vênus foi elogiada por alguns pesquisadores como potencialmente tendo temperaturas clementes e pressões semelhantes às da Terra. Esta recente detecção putativa de fosfina na atmosfera de Vênus apenas alimentou tal especulação.

A ideia é que a espessa cobertura de nuvens de Vênus pode promover uma incubadora ideal para a vida. Em teoria, essa cobertura de nuvens poderia fornecer proteção contra partículas de alta energia e radiação, ao mesmo tempo em que oferece energia vital microbiana do Sol e nutrientes atmosféricos in situ, observam os autores.

A missão de detecção de vida que concebemos seria implantar microscópios para procurar morfologias semelhantes a células em escalas de mícron e câmeras para pesquisar marcadores macroscópicos de vida, diz Lingam. A poeira e as partículas de aerossol na atmosfera seriam coletadas em uma placa de Petri ou placa de coleta, e o microscópio faria a varredura dessas partículas em busca de motilidade indicativa de biologia, diz ele.

A nave espacial balão então enviaria seus dados para a Terra usando uma antena de rádio padrão, por exemplo, aquela usada para CubeSats que foram lançados para Marte, diz Hein.

Mas como a atual pandemia pode afetar planos tão ambiciosos?

Apesar da Covid, o trabalho em projetos espaciais está longe de ter parado, diz Hein. Acho que isso é até possível nas atuais circunstâncias, diz ele.

A ideia é que a espaçonave Vênus com balão possa ser construída e lançada nos próximos dois a três anos com um orçamento de menos de US $ 20 milhões. Pelos padrões aeroespaciais, isso é muito barato. Mas Hein e Lingam insistem que, usando a tecnologia existente de prateleira com uma massa de espaçonave projetada de não mais que 50 kg, tal missão poderia facilmente estar ao alcance de financiamento de instituições privadas ou até mesmo de magnânimos defensores do espaço.

Quanto a quando chegará?

Se lançada no início de 2022, a espaçonave chegaria cerca de seis meses depois, diz Lingam.

E se isso confirmar evidências para a vida?

Obviamente, haveria uma necessidade genuína de enviar uma missão mais sofisticada para a atmosfera venusiana que fosse equipada com uma carga útil maior e mais versátil, diz Lingam. Uma que possa pesquisar um espectro mais amplo de bioassinaturas, diz ele.

(Fonte)


Mesmo com datas de curto prazo propostas, essa novela poderá se estender por mais de década, infelizmente. Mas mesmo assim, torço aqui para que isso ocorra o mais rápido possível.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.