Sinais vindos do espaço são formados por eventos nunca vistos antes


O mistério das Rajadas Rápidas de Rádio – RRR (de sigla FRB em inglês) se aprofunda: muitos dos fenômenos mais brilhantes e estranhos no espaço vêm de eventos cataclísmicos, como explosões ou colisões.

Sinais vindos do espaço são formados por eventos nunca vistos antes

Mas muitas rajadas de rádio rápidas, sinais de milissegundos de poderosas ondas de rádio que vêm das profundezas do espaço, foram atribuídas a muitas fontes diferentes, desde fusões de estrelas de nêutrons a espaçonaves alienígenas.

Mas até agora, nenhuma explicação parece plausível. A maioria das RRRs detectadas aparece apenas uma vez, mas três parecem repetir, enviando várias explosões de ondas de rádio através do espaço. Essas três não podem vir de eventos cataclísmicos como colisões de estrelas de nêutrons ou supernovas que destroem seus objetos de origem.

Vikram Ravi no California Institute of Technology, cujo foco é explorar e entender o universo efêmero e invisível, calculou que o resto provavelmente também não. Ele usou as RRRs não repetitivas mais próximas detectadas para calcular um limite inferior de frequência com que ocorrem, e comparou essa taxa com as taxas de eventos cataclísmicos no universo próximo.

Ravi diz:

A taxa de RRRs parece ser maior do que a taxa de qualquer coisa em que possamos realmente pensar que pode fazer uma RRR apenas uma vez. Algo inesperado está acontecendo.

Isto significa que um único tipo de explosão ou colisão não pode ser responsável por todas as RRRs.

Ele ainda diz:

É possível que todas as propostas de fontes cataclísmicas sejam simultaneamente corretas, mas talvez seja mais provável que a maioria – ou mesmo todas – as RRRs sejam, na verdade, repetidoras. Dessa forma, cada fonte produz várias explosões ao longo de sua vida útil e não precisamos de tantas fontes.

Podemos não estar detectando todas as explosões repetidas porque elas são mais lentas ou mais fracas do que as fontes repetidas que vimos.

Encontrar os locais das RRRs é um desafio, porque requer um radiotelescópio que possa descobrir esses eventos extremamente curtos e localizá-los com o poder de resolução de uma antena parabólica de uma milha de diâmetro.

Vikram Ravi, que também é um novo professor assistente de astronomia que trabalha com os radiotelescópios no Observatório de Rádio Owens Valley (de sigla em inglês, OVRO) da Caltech, situado a leste das montanhas de Sierra Nevada, na Califórnia, também informou:

Na OVRO, construímos um novo conjunto de dez parabólicas de 4,5 metros, que coletivamente agem como um prato de uma milha de largura para cobrir uma área no céu do tamanho de 150 luas cheias. Para fazer isso, um sistema digital poderoso ingere e processa uma quantidade de dados equivalente a um DVD a cada segundo.

O novo instrumento OVRO é chamado Deep Synoptic Array-10, com o “10” referindo-se ao número de antenas parabólicas. Esta matriz serve como um trampolim para o planejado Deep Synoptic Array (DSA), financiado pela National Science Foundation (NSF), que, quando concluído até 2021, acabará por consistir em 110 antenas parabólicas de rádio.

Richard Barvainis, diretor de programa da NSF para o Programa de Inovações em Escala Média, que está financiando a construção do DSA, disse:

Espera-se que o DSA descubra e localize mais de 100 RRRs por ano.

Os astrônomos vêm perseguindo as RRRs há uma década, e finalmente estamos analisando-os com novos instrumentos, como o DSA-10 e, por fim, o DSA completo.

Agora temos a chance de descobrir o que esses objetos exóticos podem ser.

Victoria Kaspi, da McGill University, em Montreal, no Canadá, disse:

Não acho que podemos descartar que há várias classes de coisas que ‘explodem’ no céu do rádio. Suspeitamos e temos alguma evidência de que há várias classes, e que fração pertence a cada turma é desconhecida.

Como nenhum modelo se encaixa, ela diz que é possível que as RRRs sejam formadss por eventos que nunca vimos ou consideramos antes.

Ravi também diz:

Precisamos dizer muito especificamente de que tipo de galáxias as RRRs vêm e de onde vêm essas galáxias. Se estamos fazendo nosso trabalho corretamente, devemos ser capazes de descobrir isso nos próximos 5 anos.

As localizações de apenas três delas foram confirmadas até agora.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Realmente não é possível confirmar ainda se esses sinais misteriosos vindos do espaço sejam mesmo de origem natural, principalmente aqueles que se repetem vindos da mesma origem.

Há cientistas mais ousados, que pensam em uma origem inteligente, como pode ser visto no artigo abaixo, mas, obviamente, isso também ainda não pôde ser confirmado; e será difícil de confirmar.

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.