web analytics

Incerteza de Elon Musk sobre ETs pode ser resolvida pelo método científico

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.
Ouça este artigo...

Por Avi Loeb
Um repórter chamou minha atenção para uma compilação de declarações recentes de Elon Musk sobre o assunto alienígenas.

Incerteza de Elon Musk sobre ETs pode ser resolvida pelo método científico
Uma fotografia real do Tesla Roadster de Elon Musk, com a Terra ao fundo. A câmera foi montada na lança externa. (Crédito da imagem: SpaceX)

Ele incluiu uma postagem nas redes sociais onde Musk declara:

“Não vi nenhuma evidência de alienígenas e, com cerca de 6.000 satélites orbitando a Terra, acho que saberia”.

Numa entrevista, Musk explicou:

“Muitas pessoas me perguntam onde estão os alienígenas, e acho que se alguém soubesse sobre alienígenas na Terra, provavelmente seria eu.”

Mais recentemente, Musk elaborou o mesmo tema num painel de discussão:

“A SpaceX, com a constelação Starlink, tem cerca de 6.000 satélites, e nem uma vez tivemos que manobrar em torno de um OVNI… Nunca. Então, eu pensei, ok, não vejo nenhuma evidência de alienígenas.”

Musk também disse:

“Se alguém tiver evidências de alienígenas, você sabe, isso não é apenas uma bolha difusa, então eu adoraria ver, adoraria ouvir sobre isso, mas não acho que exista.”

Ele então concluiu:

“Devíamos realmente pensar na civilização humana como uma pequena vela numa vasta escuridão.”

Esta última frase é prematura com base nos padrões da ciência. Tenha em mente que o volume ocupado pelo disco de estrelas em nossa galáxia, a Via Láctea, é 41 ordens de magnitude (1 seguido de 41 zeros) maior que o volume pesquisado pelos satélites Starlink e a história da Via Láctea é medida em bilhões de anos. Mas mesmo perto da Terra, a chance de um objeto do tamanho de um metro colidir com um satélite Starlink em uma órbita a uma altitude de cerca de 550 quilômetros é de uma parte em 10 milhões. Levaria mil anos para que uma colisão ocorresse. Mas mesmo que existissem muitos OVNIs do tamanho de um metro perto da Terra, a maioria deles poderia passar a maior parte do tempo em altitudes mais baixas.

Deixando de lado a chance insignificante de uma colisão direta, os satélites Starlink não estão equipados com câmeras e sensores necessários para detectar objetos que chegam perto da Terra vindos do espaço interestelar. Os instrumentos relevantes foram reunidos recentemente no Observatório de Harvard do Projeto Galileo que estou liderando. Os astrônomos nunca construíram um observatório para examinar todo o céu em todos os momentos em busca de objetos próximos e em movimento rápido.

Nos últimos meses utilizamos os nossos sensores ópticos, infravermelhos e de áudio para detectar quase um milhão de objetos no céu. Ainda não encontramos nenhum OVNI. Mas mesmo que se descubra que um em cada bilhão de objetos é originário de fora do Sistema Solar, esta descoberta será uma grande notícia para a humanidade. A função diária do governo é a segurança nacional e não devemos pedir-lhe que nos diga o que existe fora do sistema solar. Este é o meu trabalho diário como astrofísico.

O Projeto Galileo está em processo de construção de duas cópias do Observatório de Harvard, no Colorado e na Pensilvânia, a um custo de meio milhão de dólares por observatório. Com o investimento de dez milhões de dólares, poderíamos construir vinte observatórios em diferentes locais e chegar ao fundo da natureza misteriosa dos Fenômenos Anômalos Não Identificados (UAPs/OVNIs) relatados pelo Diretor de Inteligência Nacional ao Congresso dos EUA nos últimos anos. Se Elon Musk estiver genuinamente curioso para saber se os objetos interestelares orbitam perto da Terra, a equipe do Projeto Galileo pode construir os observatórios necessários para ele.

Mas há outro caminho para a recolha de provas científicas relacionadas. Há um ano, liderei uma expedição ao Oceano Pacífico para recuperar materiais do local da queda do meteoro interestelar de 2014 descoberto por satélites do governo dos EUA. Estamos agora planejando a próxima expedição em busca de pedaços maiores desses destroços. Mais uma vez, Elon Musk pode promover a recolha de novos dados financiando esta nova expedição. Teremos o maior prazer em tê-lo em nossa equipe de pesquisa ou reportá-lo diretamente em tempo real a partir do Oceano Pacífico, caso ele deseje financiar nossa próxima expedição.

Existem centenas de bilhões de estrelas que são bilhões de anos mais velhas que o Sol apenas na Via Láctea. Mesmo com a propulsão química convencional, como a utilizada pela SpaceX, são necessários menos de 1 bilhão de anos para atravessar o disco da Via Láctea de um lado para o outro. Seria arrogante pensar que estamos sozinhos sem verificar se há lixo espacial tecnológico interestelar em nosso quintal.

Consideremos o carro Tesla Roadster lançado como carga útil simulada pela SpaceX em 2018. Ele está agora numa órbita elíptica em torno do Sol, mas não pode ser visto pelos nossos telescópios de rastreio porque o seu pequeno tamanho não reflete luz solar suficiente. Porém, o carro seria facilmente detectado pelos satélites do governo dos EUA quando colidir com a Terra daqui a dezenas de milhões de anos, através da bola de fogo que irá gerar como resultado do seu atrito com o ar. Eu me pergunto quantas cargas falsas semelhantes ao carro Tesla Roadster existem por aí, constituindo lixo espacial interestelar. De vez em quando, um deles pode colidir com a Terra, e poderíamos recuperar o seu motor extinto dos destroços no fundo do oceano.

Quando as pessoas dizem: “alegações extraordinárias exigem provas extraordinárias”, não estão à procura de provas. Em resposta, digo: “evidências extraordinárias requerem financiamento extraordinário e instrumentos adequados”. Para descobrir o bóson de Higgs, tivemos que investir dez bilhões de dólares no Grande Colisor de Hádrons. O novo conhecimento científico não cai no nosso colo; requer um esforço dedicado.

A incerteza de Elon Musk sobre os alienígenas pode ser resolvida usando o método científico. Estou tão curioso quanto ele sobre alienígenas e ficarei encantado em fazer pesquisas científicas em colaboração com ele. O caminho não percorrido é simples: ele pode facilmente entrar em contato comigo por e-mail ou telefone. Em 2012, Elon e eu aparecemos na mesma página na lista da Scientific American das “25 pessoas mais influentes no espaço”.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Leopoldo Della Rocca ❤️ Egídia L dos Santos ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code