web analytics

Dr. Avi Loeb, de Harvard, fará engenharia reversa de detritos espaciais

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Ouça este artigo...

Desde 14 de junho, o Dr. Avi Loeb, de Harvard, procura restos interestelares do objeto IM1 e descobriu detritos intrigantes no fundo do oceano que podem ser de origem extraterrestre.

Dr. Avi Loeb, de Harvard, fará engenharia reversa de detritos espaciais
Esférulas encontradas no fundo do mar pela equipe de Avi Loeb. Crédito: Galileo Project, Avi Loeb – sob uso justo para informações.

Usando um navio de expedição apropriadamente chamado de “Silver Star” (Estrela de Prata), a equipe do Dr. Loeb está usando um trenó magnético para recuperar detritos metálicos do fundo do Oceano Pacífico. Nos últimos dias, eles conseguiram recuperar 2 tipos de detritos anômalos que seu laboratório de bordo não conseguiu identificar.

Patrocinado pelo empresário americano Charles Hoskinson, a mais recente ação do Projeto Galileo tem se esforçado para extrair os restos do primeiro objeto interestelar identificado. Seu objetivo é encontrar assinaturas de tecnologia extraterrestre, e a velocidade e densidade do IM1 registradas pela NASA e pela US Spacecom, fazem dele uma escolha privilegiada. Colidindo com a Terra em alta velocidade e em um ângulo incomum, e dissipando uma quantidade extrema de energia na atmosfera durante a reentrada, o IM1 é de fato um objeto intrigante. Com um núcleo mais resistente e denso do que qualquer meteoro conhecido pelo homem, a equipe de Harvard acredita que existe a possibilidade de que o núcleo do objeto não tenha se desintegrado ao colidir com a Terra.

Aço resistente a choques

A primeira grande descoberta ocorreu em 19 de junho, durante a última semana de coleta de detritos do fundo do oceano e da zona de controle. Entre os detritos vulcânicos, a sexta amostragem do trenó capturou pequenos fragmentos de aço misturado com titânio, denominado comercialmente de aço resistente a choques. Com um rendimento muito maior do que qualquer meteoro de ferro já registrado, o material se encaixa na descrição dada pela NASA. Sua natureza e forma, que lembram o invólucro usado para proteger instrumentos ou componentes, também são características interessantes. Durante a 6ª corrida, o trenó também bateu em um objeto sólido, mas as câmeras a bordo estavam sem bateria.

A próxima amostra também recuperou fragmentos feitos do mesmo ferro a alguns quilômetros de distância. Dois tipos de fragmentos foram recuperados: cinza e vermelho. O cinza tinha 8 vezes mais titânio do que o vermelho, mas chamar esses detritos de evidências de origem extraterrestre exigirá muito mais análises em laboratórios.

Esférulas Interestelares

Em 21 de junho, enquanto vasculhava os detritos vulcânicos recuperados nas diferentes execuções de amostragem, Ryan Weed encontrou uma esfera metálica de 0,3 mm de diâmetro feita de ferro misturado com magnésio e titânio, mas sem níquel, uma “composição anômala em comparação com ligas feitas pelo homem, asteroides conhecidos e fontes astrofísicas familiares”, de acordo com o Dr. Loeb. Curiosamente, ele explicou que eles poderiam fazer engenharia reversa da liga para “analisar as propriedades dos materiais resultantes”.

Em 22 de junho, a equipe reuniu 11 esferas no total, todas aparentemente semelhantes em composição e todas magnéticas. O trenó as coletou a uma profundidade de 2 quilômetros, duas vezes a profundidade máxima que um submarino nuclear da classe Los Angeles pode atingir. O objetivo do Dr. Loeb de alcançar os possíveis restos do núcleo do objeto se transformou em uma busca pelas maiores esférulas, restos do objeto derretidos no calor produzido pelo impacto.

A caçada

Depois de conceber a melhor abordagem estatística para encontrar a agulha no palheiro e perceber a incrível sorte que tiveram para encontrar a primeira série de 9 esférulas, Avi Loeb estimou a chance de encontrar detritos de mais de 3 milímetros em 1 em 1.000. Ele explicou que muitas das esférulas menores tinham menos de 0,25 milímetros e eram muito difíceis de identificar e extrair das amostras. Mas fazer uma coleta sistemática dessas esférulas permite que eles desenhem um mapa de densidade e localizem seu verdadeiro alvo, os possíveis resquícios principais de uma nave não humana.

(Fonte)


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code