web analytics

Cientistas lançam nova luz sobre metais extraterrestres

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Ouça este artigo...

Uma equipe de cientistas caçadores de alienígenas divulgou uma nova análise de restos metálicos de um provável objeto interestelar recuperado no Oceano Pacífico.

Cientistas lançam nova luz sobre metais extraterrestres
Esférulas encontradas no fundo do mar pela equipe de Avi Loeb. Crédito: Galileo Project, Avi Loeb – sob uso justo para informações.

Em 2014, um meteoro chamado IM1 cortou a atmosfera da Terra e se tornou o primeiro objeto interestelar conhecido a pousar em nosso planeta, de acordo com uma equipe de cientistas caçadores de alienígenas liderada pelo astrônomo de Harvard, Avi Loeb, e confirmado em 2022 com “99,999% de confiança” pelo governo dos EUA. Em junho deste ano, Loeb – que é famoso por sua firme crença em alienígenas e pela busca incessante de evidências científicas para apoiar essa crença – lançou uma expedição para recuperar pedaços de IM1 do Oceano Pacífico, perto de Papua Nova Guiné, onde se acreditava ter explodido no céu e caído abaixo das ondas.

A equipe usou um trenó magnético para recuperar minúsculas “esférulas” metálicas e concluiu, após algumas análises iniciais, que elas eram de fato “extrassolares”, ou, em outras palavras, interestelares. Isso ocorre porque as esférulas continham um excesso de elementos, incluindo berílio, lantânio e urânio “em até três ordens de magnitude em relação ao padrão do sistema solar” em comparação com outros meteoritos rochosos, escreveu a equipe na época. Mas isso permaneceu um mistério premente, que é altamente relevante para a questão de saber se o IM1 foi enviado por uma inteligência alienígena ou não: foi um objeto feito artificialmente ou natural?

De acordo com um novo estudo pré-impresso publicado online por Loeb e Michael McLeod, pós-doutorado no The Center for Astrophysics | Harvard & Smithsonian, as propriedades do IM1 “podem ser naturalmente explicadas pela perturbação das marés de planetas rochosos em órbitas altamente excêntricas em torno das estrelas mais comuns, as anãs-M”. O artigo foi submetido para publicação no The Astrophysical Journal, disse Loeb ao site Motherboard.

O artigo observa que estudos anteriores mostraram que algumas estrelas anãs brancas têm metais em suas atmosferas, que Loeb e McLeod escrevem que podem ser restos de planetas rochosos que passaram muito perto da estrela e experimentaram uma forma de perturbação das marés – pense na imagem de ficção científica de um objeto chegando muito perto de um buraco negro e sendo esticado e rasgado, ou “espaguetificado”. Alguns pedaços de rocha salpicada de metal são agregados ao redor da estrela, enquanto outros são lançados no espaço em alta velocidade. A dupla observa que “os processos físicos exatos que alimentam a ruptura dos corpos rochosos em torno [das anãs brancas] permanecem desconhecidos, embora muitos cenários plausíveis tenham sido sugeridos”, e o artigo sugere algumas opções de como isso poderia ocorrer.

Loeb disse em comunicado que acompanha o periódico:

“Isso significa que o IM1 definitivamente se originou de um ambiente astrofísico natural e não era um meteoro tecnológico semelhante ao da Voyager fabricado por outra civilização? Não temos certeza.

Nossa próxima expedição ao Oceano Pacífico tem como objetivo encontrar pedaços maiores do IM1 e verificar se se tratava de uma rocha ou de um objeto mais exótico. Até encontrarmos pedaços maiores do IM1, não saberemos com certeza a origem do IM1.

A maior abundância de elementos raros poderia ter servido a um propósito tecnológico. Por exemplo, o lantânio poderia ter sido fundido a partir de semicondutores e o urânio poderia ter sido usado como combustível num reator de fissão. Mas os nossos cálculos no novo artigo fornecem um contexto razoável para explicar pedaços de rocha ao longo do caminho do IM1.”

O trabalho de Loeb e da equipe dificilmente termina.

Ele informou ao Motherboard por e-mail:

“O plano é embarcar na próxima expedição ao site IM1 dentro de nove meses. Atualmente estamos desenvolvendo ferramentas para encontrar peças maiores do IM1. Paralelamente, continuamos a analisar as restantes esférulas que recuperamos na primeira expedição, incluindo isótopos que nos poderão ajudar a datar a idade do seu material.”

(Fonte)


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code