web analytics

Roswell: a verdade sobre o ET que sobreviveu

COMPARTILHE COM A GALÁXIA:
Tempo de leitura: 8 min.

Don Schmitt foi um dos principais investigadores da suposta queda de um OVNI em Roswell, Novo México (EUA), em 1947. Ele e seus colegas rastrearam centenas de testemunhas que afirmam ter informações sobre o que aconteceu.

Roswell: a verdade sobre o ET que sobreviveu
Tudo indica que o incidente de Roswell, em 1947, realmente aconteceu e não se tratava de um balão, como o governo dos EUA alegou.

Ao montar a edição do acidente do OVNI de Roswell da Open Minds Magazine em 2011, a openminds.tv pediu a Don para escrever um artigo sobre a melhor evidência de que um piloto real da suposta espaçonave sobreviveu.

Desde a queda de Roswell de um disco voador com “homenzinhos” dentro, um boato específico persistiu: que um desses “homenzinhos” realmente conseguiu sobreviver à provação.

Durante a maior parte dos anos desde o acidente de Roswell em 1947 e a subsequente explicação do incidente como sendo um balão meteorológico, histórias sobre corpos misteriosos associados ao acidente permaneceram, mas a própria noção de que a Terra era de fato o anfitrião de um visitante extraterrestre vivo estava além do limite da crença. Mas a questão permaneceu: um extraterrestre sobreviveu àquela noite malfadada?

Relatos de testemunhas oculares do alienígena sobrevivente

Dan Dwyer

O bombeiro de Roswell Dan Dwyer (à esquerda) e sua equipe em meados da década de 1950. Crédito: Don Schmitt

Em 1947, Frankie Dwyer Rowe, uma menina de 12 anos, testemunhou seu pai sendo ameaçado e advertido pelas autoridades militares pelo que viu no local do acidente de Roswell. Seu pai, já falecido, era chefe de equipe do Corpo de Bombeiros de Roswell na época do incidente.

Quando o quartel recebeu uma ligação informando que houve um acidente com um dirigível ao norte da cidade, Dan Dwyer e Lee Reeves foram despachados com o “carro pipa” do quartel (uma caminhonete com um grande tanque cilíndrico de água na traseira) para o local do acidente. .

O xerife do condado de Chavez e alguns de seus ajudantes também seguiam pela retaguarda rapidamente. Chegando pouco antes dos militares protegerem o local, Dwyer e Reeves testemunharam algo totalmente inesperado. Não era um avião, mas algum tipo de embarcação em forma de ovo que eles não reconheceram.

E os corpos! Dwyer podia ver três diminutos seres humanoides deitados a sotavento da nave. Com o foco fixo na nave e nos corpos no chão, Dwyer notou um movimento com o canto do olho. Ali, andando na frente dele, aparentemente do nada, estava algo saído de um romance de ficção científica.

Segundo o bombeiro, era do tamanho de uma criança de dez anos, com pele acinzentada, sem cabelos, cabeça e olhos grandes. Em instantes, o rugido de veículos se aproximando podia ser ouvido quando os militares finalmente assumiram o controle de todo o caso. Os dois bombeiros foram escoltados para fora da área imediata e advertidos sobre as consequências caso falassem sobre o incidente.

Para demonstrar ainda mais a gravidade do que foi testemunhado, Dwyer e sua família receberam a visita da polícia militar naquela mesma noite em sua casa. Dwyer e sua esposa foram ameaçados e informados de que as autoridades matariam seus filhos se eles dissessem uma palavra sobre o que foi testemunhado naquele dia.

George Wilcox

O incidente de Roswell deixou um impacto em todos os envolvidos, especialmente o então xerife de Roswell, George Wilcox. Pouco antes da viúva de Wilcox, Inez, falecer, ela contou uma história para sua neta Bárbara, que desde então passou adiante a história:

“O evento chocou [George]. Ele nunca mais quis ser xerife depois disso. Minha avó disse: ‘Não conte a ninguém. Quando o incidente aconteceu, a polícia militar veio até a cadeia e disse a George e a mim que, se contássemos alguma coisa sobre o incidente, não apenas seríamos mortos, mas toda a nossa família seria morta!’”

Bárbara acrescenta:

“Eles telefonaram ao meu avô, e alguém veio e contou a ele sobre o acidente.

Ele foi lá para o local; havia uma grande área queimada e ele viu detritos. Havia quatro seres espaciais. Suas cabeças eram grandes. Eles usavam trajes como seda. Um dos ‘homenzinhos’ estava vivo.”

Inez Wilcox reiterou a Barbara que ela e George levaram as ameaças muito a sério e esconderam a informação da família.

Sargento Homer G. Rowlette

Sargento Homer Rowlette em 1947. Confessou no leito de morte que fez parte da equipe de limpeza.

O Sargento Homer G. Rowlette Jr. era membro do 603º Esquadrão de Engenharia Aérea da RAAF em 1947. Ele era um militar de carreira e se aposentou como NCO após vinte e seis anos de serviço dedicado ao seu país.

Antes de falecer em março de 1988, ele finalmente transmitiu a seu filho, Larry, as seguintes informações surpreendentes sobre seu envolvimento com a “queda do disco voador”. Rowlette fazia parte de um destacamento de limpeza enviado ao local do acidente ao norte de Roswell.

Larry foi informado de que seu pai tinha visto tudo. Ele manuseava o “material da memória” que, segundo Homer, era “folha fina que mantinha sua forma”. Se isso não bastasse, ele descreveu a nave real, que era “um tanto circular”. Ele também pegou seu filho completamente de surpresa quando anunciou:

“Eu vi três pessoinhas. Eles tinham cabeças grandes e pelo menos um estava vivo!”

Richard Loveridge

Em 1947, Richard Loveridge trabalhou como engenheiro mecânico para a Boeing Aircraft Company e fez parte de sua equipe de investigação de acidentes. Quando chegaram informações sobre a queda de uma aeronave próxima a Roswell, Loveridge dirigiu até a área acreditando que era um de seus aviões. Não seria até o último ano de sua vida, em 1993, que ele finalmente confessaria à sua família sobre a verdadeira natureza do suposto acidente de “avião”.

O investigador do acidente da Boeing admitiu que viu tudo. Ele viu os destroços, que não eram de uma aeronave convencional, além de três pequenas “entidades” mortas e uma que ainda estava viva. Loveridge os descreveu-as como tendo “tamanho de crianças” e de cor “acinzentada“. Ele se recusou a dar mais detalhes para sua família:

“Não me pergunte mais nada sobre isso. Eles podem te machucar.”

Ervin Boyd

Ervin Boyd trabalhou como mecânico de aeronaves B-29 no Roswell Army Airfield (RAAF) em 1947; ele trabalhava especificamente no Hangar P3, que mais tarde seria conhecido como Edifício 84. No dia específico em questão, Boyd estava fazendo uma pausa para fumar no que chamou de “dia quente de verão” e as portas do hangar estavam abertas em ambas as extremidades do edifício.

Assim que saiu pelas portas do hangar, ele observou vários homens e veículos avançando em direção ao prédio. Assustado com a situação, ele rapidamente percebeu que alguns dos homens carregavam o que ele pensou ser o corpo de uma criança. “Por que não levaram para o hospital?” ele se perguntou. Ao passarem por ele, ele ficou chocado ao ver que era outra coisa.

Ele relatou:

“Era do tamanho de uma criança, um metro e meio, talvez um pouco mais, e uma cabeça maior do que a de um corpo normal. Os olhos eram em forma de noz e também maiores que o normal. Do meu ângulo, não parecia ter muito nariz. Os braços também eram um pouco mais longos e a pele era acinzentada e meio escamosa. Acredito que ainda estava vivo.”

De repente, vários policiais agarraram Boyd e o levaram para longe da área e começaram a agredi-lo fisicamente. Um deles declarou severamente: “Sr. Boyd, você não viu nada“. Mas, o civil persistiu. Por fim, ele foi avisado de que, se dissesse mais uma palavra, não apenas perderia o emprego, mas também a vida de sua esposa e filhos estaria em jogo. Não seria até que ele sofresse um derrame 24 anos depois que ele finalmente quebraria o silêncio com sua família.

Joseph Montoya

Naquela mesma tarde, segunda-feira, 7 de julho de 1947, o recém-eleito vice-governador de 32 anos do estado do Novo México, Joseph Montoya, estava em Roswell. Não está totalmente claro como o político chegou à base da RAAF no dia exato em que alguns dos corpos lá estavam, incluindo o possível sobrevivente do acidente.

Um cenário possível é que ele estava lá no fim de semana do Dia da Independência para a inauguração de um novo avião e, após a cerimônia, foi escoltado até o hangar B-29 no momento em que os primeiros veículos militares estavam avançando com sua carga “de outro mundo”.

Montoya confidenciaria a amigos próximos que tinha visto “quatro homenzinhos”. Ele descreveu como eles eram pequenos, junto com o fato impressionante de que “um estava vivo!” Montoya descreveu os seres:

“…Baixos, chegando apenas ao meu peito. [Eles eram] magros com olhos grandes em forma de lágrima. [A] boca era bem pequena, como uma faca cortada em um pedaço de madeira, e eles tinham cabeças grandes.”

Em seguida, ele descreveu a cena dentro do hangar:

“Cada um dos homenzinhos, inclusive o que estava vivo, estava estendido sobre uma mesa trazida do refeitório e montada para esse fim. Eu sabia que aquele estava vivo porque podia ouvi-lo gemendo.”

Montoya disse que estava se movendo, com o joelho dobrado e balançando para frente e para trás

Após uma saída frenética do hangar, Montoya foi pego e expulso da base por associados. Montoya sempre alertava que “é muito perigoso falar sobre isso”. Mesmo anos depois, ele continuaria alertando que “o governo vai te pegar”.

“Eli” Benjamim

Soldado de primeira classe Eli Benjamin em 1947. Ele escoltou os corpos do hangar P-3 para o hospital da base da RAAF.

Em julho de 1947, Eli Benjamin era um soldado de primeira classe do 390º Esquadrão de Serviço Aéreo no Campo Aéreo do Exército de Roswell. Possuindo uma autorização ultrassecreta, o Soldado de Primeira Classe Benjamin foi autorizado a fornecer suporte de segurança para as operações mais altamente classificadas do 509º Grupo de Bombardeiros – a primeira ala da bomba atômica no mundo.

Além de seu trabalho principal de guarda dos bombardeiros B-29, uma de suas funções secundárias era a de especialista em recuperação, que envolvia as atividades sombrias associadas às consequências de acidentes de avião.

Na manhã de segunda-feira, 7 de julho de 1947, Benjamin voltou para seu quartel após uma noite de guarda na linha de voo, seguida de café da manhã no refeitório. “Algo está acontecendo”, ele pensou consigo mesmo, enquanto prestava atenção e saudava a execução do hino nacional e o ritual matinal de hasteamento da bandeira no quartel-general da base, na extremidade sul da esplanada.

Ele sabia que o comandante da base, coronel William Blanchard, normalmente realizava suas reuniões semanais de estado-maior nas manhãs de terça-feira, mas naquele dia Benjamin achava que havia muitos carros de estado-maior e outros veículos estacionados no estacionamento do quartel-general para uma reunião regular de estado-maior. Quando Benjamin finalmente voltou ao quartel, “foi dada ordem ao meu esquadrão para estar alerta para serviço especial”, disse ele.

Assim era a vida no 509º e no Comando Aéreo Estratégico e dormir após seu longo turno teria que permanecer uma consideração secundária. A palavra finalmente encontrou Benjamin: “Benjamin! Pegue sua arma e apresente-se no hangar P-3 para fazer guarda“.

Ao chegar ao hangar do B-29 para se apresentar ao oficial responsável, Benjamin entrou em alvoroço na entrada principal do prédio. Vários policiais militares tentavam conter o próprio oficial de quem Benjamin deveria receber as instruções de serviço.

O tenente-coronel estava claramente experimentando uma reação emocional à situação em questão, que parecia ser a transferência de várias macas para o hospital de base. Outro policial apontou rapidamente para Benjamin e ordenou que ele cumprisse a tarefa.

Durante o processo, algo sob um dos lençóis que cobria cada maca parecia estar se movendo. Então, enquanto cada uma das macas era carregada na traseira de um caminhão-ambulância que esperava, um lençol caiu revelando o rosto acinzentado e a cabeça inchada e calva que claramente não era humana.

A ordem da Polícia Militar foi entregar a carga no pronto-socorro do hospital da base (Edifício 317) e lá permanecer até o socorro. Uma vez no centro médico, meia dúzia de funcionários do hospital e homens de terno assumiram o controle de uma maca específica.

Todos os olhos estavam voltados para a chegada coberta enquanto eles removiam o lençol de um ser com uma cabeça grande demais, que tinha olhos grandes e oblíquos, dois buracos no lugar do nariz e uma fenda no lugar da boca.

Por alguns momentos, todos ao redor do paciente apenas ficaram olhando boquiabertos. Ele estava vivo. Quando a última maca foi trazida, Benjamin e os outros policiais militares foram imediatamente dispensados, enviados de volta aos seus esquadrões e jurados segredo. Eles foram informados de que o incidente nunca aconteceu.

Sessenta e três anos após o evento, a névoa do tempo impede Eli Benjamin de lembrar os nomes ou rostos dos outros homens designados para “escoltar” naquele dia. Eles podem muito bem ter sido de outros esquadrões da base ou mesmo de outras bases trazidas de fora (conhecidas como tropas de reforço) para evitar a comparação de notas posteriormente.

De sua parte, a Sra. Benjamin confirma o relato de seu marido sobre seu envolvimento nos eventos de Roswell em julho de 1947. Ela afirma ainda que ele confidenciou a história a ela com a promessa de que ela nunca contaria a mais ninguém. As memórias de Eli daquela noite – vendo o rosto inchado e os olhos puxados da ‘espécie’ – permaneceram com ele e o assombraram por toda sua vida após o incidente.

O que aconteceu com o alienígena sobrevivente?

Não resta nenhum testemunho ocular sobre o que aconteceu com o sobrevivente e como ele foi transportado de Roswell. Há informações confiáveis, no entanto, de que o ser passou algum tempo na Base Aérea de Wright Patterson e ainda estava lá até nove meses depois, em 1948.

Enquanto estava em seu leito de morte em 1997, o tenente-coronel Marion Magruder, um ás da aviação altamente condecorado da Segunda Guerra Mundial, jurou a seus cinco filhos que, enquanto estava no War College, ele foi designado para a Base Aérea de Wright Patterson em abril de 1948 e teve permissão para ver o “alienígena vivo” naquele momento.

Ele e os outros em sua empresa foram instruídos de que o ser foi recuperado do acidente em Roswell no ano anterior. Sua descrição foi semelhante a todas as outras testemunhas oculares. Ele enfatizou que não havia dúvida de que “veio de outro planeta”.

Como um dos funcionários da RAAF observou certa vez:

“Eles com certeza não eram do Texas”.

E na mesma linha, eles não eram do Japão, da Alemanha ou de qualquer outro lugar da Terra. Essa é uma questão sobre a qual todas as testemunhas permanecem unânimes.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ||| Silas Raposo ||| Franklin Viana ||| Karin Gottert ||| Leopoldo Della Rocca

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta, portanto aja com responsabilidade.
  • O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com éticasempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

COMPARTILHE COM A GALÁXIA:
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code