web analytics
Tempo de leitura: 6 min.

Arqueologia em planetas alienígenas: Indiana Jones no espaço!

Tempo de leitura: 6 min.

O Dr. James Benford é um físico PhD que dirige Ciências de Microondas em Lafayette, Califórnia. Ele normalmente se concentra em encontrar novas aplicações para energias de alta potência, mas às vezes ele sugere novas maneiras de procurar alienígenas. Ele tem um histórico de métodos alternativos avançados para ajudar na pesquisa – desenvolvendo uma teoria em 2010 com seu irmão gêmeo, Gregory (um PhD em astrofísica), que basicamente acusou o instituto multimilionário Searching for ExtraTerrestial Intelligence (SETI) de estar fazendo tudo errado.

Crédito da ilustração: The Observer

Sua ideia sobre ‘faróis Benford’ seletivos afirma que civilizações alienígenas não transmitem sinais contínuos de sua existência por todo o universo. Em vez disso, eles seriam mais exigentes e escolheriam apontar pulsos direcionados de forma restrita em áreas estratégicas do espaço – sinais que o SETI não foi configurado para detectar.

Mesmo que eles tenham dado a Benford um ouvido simpático e espaço para apresentar em reuniões profissionais, o Instituto não reajustou seu equipamento para ouvir as breves explosões de Benford.

Implacável, o físico vem refinando seus pensamentos sobre outro conceito que envolve tornar a busca mais perto de casa. Em um artigo de 2019 “Looking for Lurkers: Co-orbiters as SETI Observables” (“Procurando Espreitadores: Co-orbitadores como Observáveis do SETI”, em tradução livre), ele propôs que uma raça avançada de ETs poderia optar por implantar “dispositivos de monitoramento em ou perto dos mundos de outras espécies em evolução para rastrear seu progresso“. Esses vigias robóticos só se revelariam para uma sociedade em desenvolvimento “uma vez que a raça tivesse atingido um certo limite tecnológico“.

As sondas têm uma vantagem inerente sobre as transmissões de rádio fugazes: elas permitem um período de reconhecimento estendido de um planeta-alvo. Mesmo que o “Espreitador” (“Lurker”) tenha séculos ou milênios de idade, seus restos físicos também podem ser visíveis muito depois de serem desligados. Em outras palavras, a abordagem do SETI de escanear a galáxia em busca de tecnossignaturas – traços de ondas de rádio ou outros sinais de tecnologia ET – deve ser descartada em favor da caça a artefatos alienígenas antigos em nosso sistema solar. Este conceito é conhecido como SETA (Search for Extraterrestrial Artifacts – Procura por Artefatos Extraterrestres).

A maioria dos grandes corpos planetários é cercada por co-orbitadores – quase-satélites, asteroides e outros objetos espaciais que ficam presos em uma trajetória instável. A Terra tem mais do que alguns desses companheiros, e é lá que Benford sugere que os “Espreitadores” alienígenas podem estar se escondendo. Ele defende missões tripuladas para explorar qualquer objeto acessível próximo à Terra – com o asteroide conhecido como 2016 HO3 identificado como o principal candidato. Ele compartilha de perto a órbita da Terra em torno do Sol e oferece um ponto de vista ideal para observadores extraterrestres monitorarem o nosso planeta.

Arqueologia em planetas alienígenas: Indiana Jones no espaço!
Um ótimo lugar para se esconder! O asteroide 2016 HO3 tem uma órbita ao redor do Sol que o mantém como um companheiro constante da Terra. É uma adição recente, tendo entrado em órbita apenas um século atrás. Os cálculos da NASA projetam que ele permanecerá em nossa vizinhança por séculos. Crédito: NASA / JPL-Caltech

Um voo de ida para a ‘mini-lua’ levaria aproximadamente 115 dias para os astronautas, mas o esforço é surpreendentemente viável. A China está preparando uma viagem não tripulada até o 2016 HO3 antes do final desta década. Benford acredita que o risco vale a recompensa em potencial:

“Talvez as sondas estejam aguardando esses objetos, ouvindo-nos e esperando que os encontremos. Eles podem permanecer em silêncio e simplesmente relatar para onde quer que se comuniquem.”

Em março deste ano, o Dr. Benford escreveu um artigo para o periódico revisado por pares, Astrobiology A Drake Equation for Alien Artifacts” (“Uma Equação de Drake para Artefatos Alienígenas”, em tradução livre) que ele espera que fortaleça o argumento de sua cruzada. É um reformulação da famosa Equação de Drake – a “fórmula” que tenta estimar o número de sociedades alienígenas capazes de transmitir um sinal detectável. A equação é frequentemente usada para justificar a abordagem passiva do SETI de simplesmente ouvir as tecnossinaturas interestelares – uma estratégia que Benford nos lembra que “até agora não encontrou sinais artificiais de origem tecnológica“. Em contraste, as conclusões provisórias alcançadas em seu último artigo mostram de forma convincente que uma abordagem centrada em SETA poderia “aumentar a chance de contato“.

A ideia de que devemos investigar o sistema solar em busca de relíquias extraterrestres se encaixa na estrutura da xenologia – uma área de pesquisa protocientífica nascente, melhor descrita como “estudos alienígenas”.

Benford vê a caça aos artefatos ET como “uma estratégia da arqueologia ETI“. Diferente do campo da astrobiologia, que se preocupa com a descoberta de organismos vivos em outras partes do cosmos, a xenoarqueologia (também conhecida como exoarqueologia) busca entender a cultura e a história de outro planeta estudando os artefatos físicos deixados para trás. Assim como os arqueólogos terrestres que recriam o passado da humanidade analisando os restos mortais, suas contrapartes no espaço sideral precisam de um conjunto único de habilidades para inspecionar e interpretar adequadamente quaisquer fragmentos sobreviventes de uma antiga civilização extraterrestre.

Surpreendentemente, a análise de Benford revela que existem milhões de fotografias lunares detalhadas com uma resolução de 3 pés (90 cm) que não foram estudadas. O mesmo é verdade para uma abundância de fotos tiradas de Marte. Ele sugere de forma inteligente que um software de imagem deve ser criado para escanear as fotos de forma inteligente em busca de sinais de artefatos em potencial ou formações não naturais.

Analisar imagens fora do mundo em busca de anomalias de superfície tem sido tradicionalmente o domínio de um pequeno, mas vocal, contingente de investigadores. Pesquisadores como Richard C. Hoagland e Mark Carlotto examinaram cuidadosamente os impressos das órbitas da Voyager que tiraram fotos de Marte em 1976. As imagens pareciam revelar uma riqueza de construções curiosas e características fabricadas em toda a paisagem marciana. A maioria dessas formas de relevo está concentrada no hemisfério norte de Marte, em uma área conhecida como Cydonia – o Santo Graal da exploração para futuros xenoarqueólogos. Situada na costa de um oceano antigo e seco, os pesquisadores documentaram o que acreditam ser pirâmides de cinco lados, montes manufaturados e uma estátua de um quilômetro de largura que lembra um rosto humano, entre outros arranjos geometricamente significativos. Eles argumentam que essas formações não são o resultado de geologia aleatória, mas os restos de estruturas artificiais.

Arqueologia em planetas alienígenas: Indiana Jones no espaço!
Um livro publicado no final dos anos 1980 por Vincent DiPietro e amigos da Society for Planetary SETI Research (SPSR) foi um dos primeiros a examinar anomalias estruturais em Marte.

Outros levam as especulações de ‘ruínas em Marte’ adiante. Dr. John Brandenburg afirma que a evidência isotópica prova que uma cultura avançada existiu em um Marte habitável no passado distante. Ao analisar os níveis de oligoelementos encontrados em meteoritos e detritos marcianos, ele teoriza que um armagedom nuclear foi responsável por erradicar todos os sinais de vida e transformar o planeta em uma rocha estéril. Brandenburg está apostado em sua hipótese:

“Devemos enviar astronautas imediatamente a Marte para maximizar nosso conhecimento do que aconteceu lá e aprender como evitar o destino de Marte.”

Imagens mais claras do “complexo” de Cydonia obtidas pela NASA e pela Agência Espacial Europeia (ESA) desde 1976 corroeram muito do mistério em torno da Face, mas outras formações estranhas permanecem sem exame.

Talvez o envio de robôs e orbitadores a Marte nos últimos anos produza mais implicações xenoarqueológicas. A NASA possui atualmente dois robôs operacionais e um helicóptero no planeta empoeirado. Isso segue suas três missões anteriores a Marte, que incluíam veículos de exploração de superfície. A China pousou com sucesso seu primeiro rover (Zhurong) em solo marciano em maio de 2021, e a espaçonave Hope dos Emirados Árabes Unidos também está circulando o planeta, carregada com instrumentação científica e câmeras de alta resolução de prontidão. Há claramente um esforço renovado para limpar as areias do Planeta Vermelho.

O que o Dr. Benford pensa sobre a presença de relíquias alienígenas em nossa Lua ou Marte? Embora ele se sinta confiante de que “nada foi visto, exceto nossos próprios artefatos que enviamos para lá”, um coro crescente de analistas técnicos e pesquisadores discorda. Até o famoso astrônomo Carl Sagan ponderou sobre os restos físicos que podem nos aguardar no universo:

“Não está fora de questão que artefatos dessas visitas ainda existam, ou mesmo que algum tipo de base seja mantida (possivelmente automaticamente) dentro do solar Sistema.”

Até que os futuros xenoarqueólogos consigam espanar rochas no espaço sideral, o debate sobre a existência de estruturas artificiais em nosso sistema solar provavelmente continuará.

Arqueologia em planetas alienígenas: Indiana Jones no espaço!

Elysium: Em 1971, a espaçonave Mariner 9 circulou Marte e enviou milhares de imagens de baixa resolução do Planeta Vermelho de volta à Terra. Nas vastas planícies de uma região conhecida como Elysium, estranhas formas de relevo semelhantes a pirâmides foram detectadas. Essas formas organizadas destacaram-se contra a extensão infinita de areia e chamaram a atenção do astrônomo Carl Sagan.

Na série Cosmos, ele descreve as “Pirâmides de Elysium” como “uma das características mais estranhas de Marte”. Ele especulou que elas podem ser simplesmente “montanhas esculpidas por ventos violentos“, ao mesmo tempo que deixa em aberto a possibilidade de que “talvez … sejam outra coisa“.

O nome do planalto Elysium é uma referência aos “Campos Elísios” da lenda grega. Esta “morada dos bem-aventurados” era o lugar para onde os heróis e deuses míticos iam na vida após a morte.

Cydonia: O Complexo Cydonia é visto nesta foto tirada pelo orbitador Viking 1 em 1976. “A Face” está situada no canto inferior direito. Circulada na parte inferior esquerda está a “Pirâmide D&M” de cinco lados, originalmente estudada por Vincent DiPietro e Gregory Molenaar. A estrutura pentagonal mostra sinais de precisão geométrica e alinhamento proposital com outras características enigmáticas da paisagem marciana. As tentativas de explicarem sua criação por processos naturais não tiveram sucesso.

As antigas linhas costeiras de Cydonia também parecem mostrar as ruínas de uma cidade. Os pesquisadores dessas anomalias de superfície citam a presença de pequenos montes artificiais que parecem estar dispostos em um padrão deliberado. “Monuments on Mars” (1987), de Richard C. Hoagland, compila a maior parte das primeiras análises de imagens de curiosos acidentes geográficos marcianos.

(Fonte)


Mas talvez um mistério tão grande quanto o que essas estruturas possam ser é o fato de uma agência espacial que declara que uma de suas missões principais é a de encontrar vida alienígena, ou sinais dela, fica enviando sondas para locais sem quaisquer características de artificialidade no planeta Marte. Não faria mais sentido, ao invés disso, enviar suas sondas para as duas regiões mencionadas acima, ou até mesmo regiões onde aparentam ter formações potencialmente biológicas.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp