web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Sons estranhos vindos do céu: ruídos anômalos e bolas de fogo

Tempo de leitura: 3 min.

Por Micah Hanks

Muitos de nós, que passamos algum tempo fora em noites claras de verão, tiveram a sorte de ver meteoros brilhando no céu noturno. À medida que esses fragmentos cósmicos derivam em direção ao nosso planeta, eles podem ser puxados para a atmosfera da Terra e produzir faixas brilhantes de luz no céu escuro.

Sons estranhos vindos do céu: ruídos anômalos e bolas de fogo
Crédito da ilustração: pixabay

Embora as aparições de meteoros sejam uma ocorrência comum, com a entrada de meteoros grandes o suficiente para produzir um rastro de luz literalmente ocorrendo inúmeras vezes a cada dia ao redor do mundo, o que é menos frequentemente relatado em conjunto com observações de bolas de fogo brilhantes são ruídos anômalos associados a suas aparência

Ao longo dos anos, vários relatos de meteoros acompanhados por silvos peculiares, estalos altos, estrondos, sons de chiado e outros tipos de ruídos anômalos foram registrados. Pode parecer um pouco exagerado chamar esses sons de ‘anomalias’, especialmente dada a quantidade de energia produzida à medida que o atrito aumenta contra as rochas espaciais enquanto mergulhaj na atmosfera da Terra. O problema com isso é que, de acordo com as leis bem estabelecidas da física, o som e a luz se propagam em velocidades muito diferentes. Assim, uma bola de fogo riscando o céu vários quilômetros cima da terra pode ser facilmente vista, embora ouvir qualquer som associado a ela seria uma história diferente, ocorrendo vários segundos após o aparecimento do meteoro em questão (se algum som chegar a ser ouvido).

No entanto, relatos envolvendo o aparecimento simultâneo de meteoros e sons associados a eles ocorreram com frequência suficiente para justificar a curiosidade de cientistas e até de agências governamentais.

Caso em questão, durante o verão de 1963, um relatório sobre este assunto foi produzido pela RAND Corporation para a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada, de sigla em inglês, ARPA, que havia sido a antecessora da DARPA de hoje. Intitulado “Sons Anômalos e Efeitos Eletromagnéticos Associados à Entrada de Bolas de Fogo”, o relatório examinou esses casos estranhos e se uma fonte eletromagnética por trás dos ‘sons’ aparentemente anômalos que coincidem com bolas de fogo pode ser determinada.

O relatório afirmou:

“O problema da natureza e origem de certos sons sibilantes e efeitos eletromagnéticos associados à passagem de meteoros ou bolas de fogo muito brilhantes há muito tempo é do interesse dos astrônomos de meteoros. Este memorando descreve esses efeitos e discute sua possível origem do ponto de vista da eletricidade atmosférica e da física de reentrada. Este estudo foi motivado pela possibilidade de que uma melhor compreensão desses fenômenos levará a novas técnicas para determinar o tamanho, a natureza e a trajetória de qualquer grande corpo que entra na atmosfera da Terra.”

De acordo com o relatório, várias ocorrências documentadas que envolveram observadores a uma distância de até 300 quilômetros do rastro aparente de certas bolas de fogo, antes de 1963, relataram ter ouvido ruídos estranhos enquanto observavam os objetos.

O relatório diz:

“Esses sons são anômalos porque a geometria do caminho da bola de fogo e as localizações dos observadores requerem que o efeito que produz a sensação sonora seja propagado à velocidade da luz.”

Apesar dos problemas que esta observação apresenta, os autores do relatório argumentaram que descrições suficientes de sons que acompanham meteoros, “que apareceram na literatura publicada por vários séculos”, eram quase impossíveis de ignorar ou passar por equívocos ou coincidências.

O relatório determinou que bolas de fogo que eram aparentemente capazes de produzir som geralmente compartilhavam algumas características. Entre elas estavam o de que queimavam em altitudes mais baixas, pareciam ser mais brilhantes do que o meteoro médio e também produziam quantidades significativas de energia em suas altitudes. Além de relatos de sons estranhos associados às bolas de fogo, alguns observadores ao longo dos anos também descreveram odores incomuns associados às suas aparências, que pareciam sugestivos de ozônio que, de acordo com os pesquisadores da RAND, “sugerem que o som está associado com Descargas elétricas”.

Essa possível conexão teria sido intrigante o suficiente, embora não tenha sido a única associação possível que os pesquisadores descobriram que sugere que descargas elétricas podem estar envolvidas de alguma forma. Relatórios semelhantes envolvendo agulhas de bússola aparentemente reagindo às bolas de fogo, interferência de rádio e indução em cabos longos que foram comparados a efeitos eletromagnéticos testemunhados durante tempestades com raios e exibições aurorais também foram registrados.

Então, o que tudo isso poderia significar?

O relatório tenta explicar:

“A explicação mais plausível para os sons anômalos é que eles são causados ​​por descargas elétricas perto do observador. Essas descargas podem ser o resultado da perturbação do gradiente geopotencial pela bola de fogo. Também é possível que os sons anômalos sejam devidos a fortes radiações eletromagnéticas da bola de fogo que são transduzidas por objetos naturais, talvez até o ouvido humano.”

O relatório da RAND de 1963 não foi a palavra final sobre sons anômalos associados aos meteoros. Na verdade, em 2017, o mistério foi revisitado pelo pesquisador do Sandia National Laboratories, Richard Spalding, que tinha uma visão um pouco diferente sobre o assunto: os ruídos anômalos eram na verdade produzidos pela luz.

De acordo com Spalding, as bolas de fogo podem atingir o brilho máximo que pode exceder a luz produzida pela Lua cheia, que pode até ser capaz de aquecer superfícies de objetos a grandes distâncias. De acordo com a pesquisa de Spalding, as mudanças de temperatura associadas a esses aumentos repentinos de calor podem ser responsáveis ​​pelos sons que alguns observadores ouviram.

Como Spalding e seus colegas escrevera, “cada pulso de luz pode aquecer as superfícies dos transdutores dielétricos naturais”, que assim podem aquecer rapidamente as superfícies e “conduzir o calor para o ar próximo, gerando ondas de pressão“.

Spalding e seus colegas escreveram:

“Uma sucessão de ondas de pressão produzidas por pulso de luz pode então se manifestar como som para um observador próximo.”

Alguma dessas conclusões realmente explica os fatores que podem permitir que a observação de uma bola de fogo brilhante riscando o céu – talvez a vários quilômetros de distância – seja ‘ouvida’ quase instantaneamente ao passar por cima? Embora a gama de teorias tenha feito avanços significativos para resolver essas ocorrências, nenhuma das soluções propostas parece oferecer uma solução conclusiva. Assim, os sons anômalos que ocasionalmente são relatados em conjunto com avistamentos de bolas de fogo brilhantes podem de fato permanecer entre os muitos mistérios da física e astronomia modernas.

(Fonte)

Sons que, aparentemente, viajam à velocidade da luz? Há muitos mistérios ainda para desvendarmos lá fora.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol