Estrelas maciças são fábricas de ingredientes para a vida

Tempo de leitura: 2 min.
Estrelas maciças são fábricas de ingredientes para a vida
Crédito da ilutração: NASA

O telescópio da NASA embarcado em um avião, o Stratospheric Observatory for Infrared Astronomy (SOFIA), forneceu um novo vislumbre da química na região interna em torno de grandes estrelas jovens, onde os planetas futuros poderiam começar a se formar. Ele encontrou grandes quantidades de água e moléculas orgânicas nessas nuvens em forma de disco, oferecendo novas dicas sobre como alguns dos principais ingredientes da vida são incorporados aos planetas durante os primeiros estágios de formação.

Um processo semelhante provavelmente aconteceu durante a formação do Sol e dos planetas rochosos internos de nosso sistema solar, incluindo a Terra. Os resultados são publicados no Astrophysical Journal.

Andrew Barr, o principal autor do estudo e doutorando na Universidade de Leiden, na Holanda, informou:

Estamos vendo muito mais assinaturas moleculares do que nunca antes nesses comprimentos de onda. Acontece que essas estrelas são como fábricas de produtos químicos que produzem moléculas importantes para a vida como a conhecemos e só precisávamos do tipo certo de observações para vê-las.

As observações infravermelhas do SOFIA oferecem uma visão incomparável da química estelar. Quando a luz visível é espalhada em suas cores componentes, um arco-íris aparece. Quando a luz infravermelha é dividida em seus componentes, ela revela uma série de linhas brilhantes, chamadas espectros. Cada elemento cria uma linha exclusiva, de modo que as linhas atuam como impressões digitais químicas. Os cientistas as usam para identificar quais substâncias estão dentro e ao redor das estrelas. Os instrumentos do SOFIA podem detectar pequenos detalhes nas impressões digitais químicas dos núcleos de estrelas jovens massivas, semelhante a como imagens de alta resolução revelam características minúsculas.

Esta informação sobre estrelas massivas, mais de 40 vezes a massa do nosso Sol, pode ser uma referência para o Telescópio Espacial James Webb da NASA, que estudará a formação de estrelas do tamanho do Sol, entre outros tipos de alvos.

Klaus Pontoppidan, cientista do projeto do telescópio Webb no Space Telescope Science Institute, disse:

Este estudo é muito empolgante, pois demonstra o poder dos observatórios infravermelhos de detectar a presença de compostos orgânicos simples que foram importantes para a origem da vida na Terra e, possivelmente, em outros planetas. Um dos objetivos mais importantes do Webb e do SOFIA é entender a origem das estrelas e planetas – e, finalmente, de nós mesmos.

As estrelas se formam quando as nuvens celestes colapsam, alimentando um disco giratório de gás e poeira em um núcleo central. O SOFIA observou este processo acontecendo em torno de duas estrelas massivas, AFGL 2591 e AFGL 2136, cada uma a cerca de 3.000 anos-luz de distância na constelação de Cygnus e na Nebulosa do Malabarista, respectivamente. O observatório descobriu que as regiões internas desses discos são aquecidas de dentro para fora, transformando o gás que envolve o núcleo em uma composição totalmente diferente. Nas mesmas áreas do disco onde os planetas se formariam, havia uma sopa química de moléculas orgânicas, incluindo água, amônia, metano e acetileno – que é um bloco de construção químico de moléculas orgânicas maiores e mais complexas.

Novos estudos de outras estrelas jovens massivas pelo SOFIA irão aprofundar nossa compreensão dos processos de criação de moléculas orgânicas. Como as observações do SOFIA indicam que a formação de estrelas massivas é uma versão ampliada do que está ocorrendo em estrelas menores do tamanho do Sol, esses novos estudos podem ser benéficos para o projeto do Webb. Embora o telescópio extremamente sensível Webb será capaz de detectar alguns dos sinais mais fracos das moléculas presentes em torno de estrelas semelhantes ao Sol, o SOFIA pode identificar de forma inequívoca as composições químicas das moléculas que brilham intensamente em torno de estrelas mais massivas. Isso ajudará os cientistas que usarão o Webb a interpretar os sinais mais fracos.

(Fonte)

Colaboração: Roberto C. C.


E ainda tem gente que acredita que a vida só ocorreu em nosso planeta.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.