OVNIs merecem investigação científica, dizem cientistas agora

Tempo de leitura: 4 min.

O interessante artigo abaixo, foi recém publicado pelo cientistas Ravi Kopparapu (cientista no Goddard Space Flight Center da NASA) e Jacob Haqq-Misra (cientista pesquisador do Instituto de Ciência Blue Marble Space) no site scientificamerican.com. Aparentemente, o artigo do New York Times teve algum impacto na comunidade científica…

OVNIs merecem investigação científica, dizem cientistas agora
Imagem meramente ilustrativa.

Os OVNIs são um problema cientificamente interessante. Equipes interdisciplinares de cientistas devem estudá-los.

Os OVNIs voltaram às notícias por causa de vídeos vazados inicialmente e posteriormente confirmados pela Marinha dos EUA e oficialmente lançados pelo Pentágono que supostamente mostram ‘fenômenos aéreos não identificados’ (de sigla em inglês, UAP) em nossos céus. Especulações sobre sua natureza variam de objetos mundanos, como pássaros ou balões, a visitantes do espaço sideral.

No entanto, é difícil, se não impossível, dizer o que eles realmente são. O que aconteceu antes e depois desses trechos de vídeo? Houve alguma observação simultânea de outros instrumentos ou avistamentos de pilotos?

Julgar a natureza desses objetos (e estes parecem ser ‘objetos’, como confirmado pela Marinha) precisa de uma explicação coerente que deve acomodar e conectar todos os fatos dos eventos. E é aqui que a investigação científica interdisciplinar é necessária.

A proposta de estudar cientificamente os fenômenos OVNI (UAP) não é nova. O problema de entender esses casos inexplicáveis ​​despertou o interesse de cientistas durante a década de 1960, o que resultou no financiamento da Força Aérea dos EUA por um grupo da Universidade do Colorado, liderado pelo físico Edward Condon, para estudar OVNIs de 1966 a 1968. O Relatório Condon resultante concluiu que é improvável que um estudo mais aprofundado dos OVNIs seja cientificamente interessante – uma conclusão que provocou reações contraditórias de cientistas e do público.

As preocupações com a inadequação dos métodos usados ​​pelo Relatório Condon culminaram com uma audiência no Congresso em 1968, bem como com um debate promovido pela Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS) em 1969, com a participação de acadêmicos como Carl Sagan, J. Allen Hynek, James McDonald, Robert Hall e Robert Baker. Hynek era professor de astronomia na Ohio State University e liderou a investigação do Projeto Blue Book, enquanto McDonald, que era um meteorologista bem conhecido e membro da Academia Nacional de Ciências (NAS) e AAAS, realizou uma investigação completa dos fenômenos OVNI. Sagan, professor de astronomia na Universidade de Cornell, foi um dos organizadores do debate da AAAS. Ele descartou a hipótese extraterrestre como improvável, mas ainda considerou o assunto OVNI digno de investigação científica.

Avistamentos recentes de OVNIs, no entanto, até agora falharam em gerar interesse semelhante entre a comunidade científica. Parte do motivo pode ser o aparente tabu em torno dos fenômenos, conectando-o ao paranormal ou à pseudociência, ignorando a história por trás dele. Sagan chegou a escrever no final do processo de debate de 1969 sobre a “forte oposição” de outros cientistas que estavam “convencidos de que o patrocínio da AAAS de alguma forma daria crédito a idéias não científicas ”. Como cientistas, devemos simplesmente deixar que a curiosidade científica seja a ponta de lança da compreensão de tais fenômenos. Devemos ser cautelosos com a rejeição total, presumindo que todos os fenômenos OVNI devem ser explicáveis.

Por que deveriam astrônomos, meteorologistas ou cientistas planetários se preocuparem com esses eventos? Não devemos deixar que analistas de imagem ou especialistas em observação por radar lidem com o problema? Todas são boas perguntas, e com razão. Por que devemos nos importar? Porque nós somos cientistas. A curiosidade é a razão pela qual nos tornamos cientistas. No atual ambiente colaborativo interdisciplinar, se alguém (especialmente um colega cientista) nos aborda com um problema não resolvido além da nossa área de especialização, geralmente fazemos o possível para realmente entrar em contato com outros especialistas em nossa rede profissional para tentarmos obter alguma perspectiva externa. O melhor resultado é que trabalhamos em um documento ou proposta com nosso colega de outra disciplina; o pior caso é que aprendemos algo novo de um colega em outra disciplina. De qualquer forma, a curiosidade nos ajuda a aprender mais e a se tornar cientistas com perspectivas mais amplas.

Então, qual deve ser a abordagem? Se uma explicação científica é desejada, é preciso uma abordagem interdisciplinar para abordar as características observacionais combinadas dos OVNIs, em vez de isolar um aspecto do evento. Além disso, estes fenômenos OVNI não são eventos específicos dos EUA. Eles são uma ocorrência mundial. Vários outros países os estudaram. Então, como cientistas não deveríamos escolher investigar e refrear as especulações ao seu redor?

Uma investigação sistemática é essencial para trazer os fenômenos para a ciência convencional. Primeiro, a coleta de dados concretos é fundamental para estabelecer qualquer credibilidade na explicação dos fenômenos. Uma análise científica rigorosa é extremamente necessária por vários grupos de estudos independentes, assim como fazemos para avaliar outras descobertas científicas. Nós, como cientistas, não podemos descartar apressadamente qualquer fenômeno sem um exame aprofundado e concluir que o evento em si não é científico.

Essa abordagem certamente não passaria no ‘teste do olfato’ em nossos deveres científicos do dia-a-dia; portanto, esses tipos de argumentos da mesma forma não devem ser suficientes para explicar um OVNI. Nós devemos insistir no agnosticismo estrito. Sugerimos uma abordagem puramente racional: um OVNI representa observações que são intrigantes e aguardam explicação. Como qualquer outra descoberta científica.

A natureza transitória dos eventos com OVNIs e, portanto, a imprevisibilidade sobre quando e onde o próximo evento acontecerá, é provavelmente uma das principais razões pelas quais os OVNIs não foram levados a sério nos círculos da ciência. Mas como identificar um padrão sem coletar sistematicamente os dados em primeiro lugar? Na astronomia, as observações (localização e tempo) de explosões de raios gama (de sigla em inglês, GRBs), supernovas e ondas gravitacionais são igualmente imprevisíveis. No entanto, agora os reconhecemos como fenômenos naturais decorrentes da evolução estelar.

Como desenvolvemos modelos matemáticos detalhados e complexos que poderiam explicar esses fenômenos naturais? Por um esforço conjunto de cientistas de todo o mundo, que coletaram meticulosamente dados de cada ocorrência do evento e os observaram sistematicamente. Ainda não podemos prever quando e onde esses eventos astronômicos ocorrerão no céu.

Mas entendemos até certo ponto a natureza dos GRBs, supernovas e ondas gravitacionais. Como? Porque não descartamos os fenômenos ou as pessoas que os observaram. Nós os estudamos. Os astrônomos têm ferramentas para compartilhar os dados que coletaram, mesmo que alguns questionem sua afirmação. Da mesma forma, precisamos de ferramentas para observar OVNIs; observações por radares, térmicas e visuais serão imensamente úteis. Devemos repetir aqui que este é um fenômeno global. Talvez alguns, ou mesmo a maioria dos eventos OVNI sejam simplesmente aeronaves militares secretas, ou formações climáticas estranhas ou outros fenômenos mundanos mal identificados. No entanto, ainda existem vários casos realmente intrigantes que podem valer a pena investigar.

Obviamente, nem todos os cientistas precisam fazer da investigação OVNI parte do seu portfólio de pesquisa. Para quem o faz, descartar o tabu em torno desse fenômeno ajudaria no desenvolvimento de equipes interdisciplinares de indivíduos motivados que podem iniciar uma investigação científica genuína.

Um modelo para realizar uma investigação científica completa pode ser encontrado no artigo de James McDonald ‘Science in Default‘. Embora ele considere a conclusão de que esses eventos podem ser extraterrestres (da qual não subscrevemos), a própria metodologia do McDonald’s é um ótimo exemplo de análise científica objetiva. E é exatamente isso que nós, cientistas, podemos fazer para estudar esses eventos.

Como Sagan concluiu no debate de 1969, “os cientistas são particularmente propensos a ter mentes abertas; essa é a força vital da ciência.” Não sabemos o que são os OVNIs, e é exatamente por isso que nós, como cientistas, devemos estudá-los.

(Fonte)

Colaboração: Marcelino


…Mas como a comunidade científica ainda está “arisca” a respeito do assunto, uma nota de rodapé foi publicada pelos editores daquele site ao final do artigo:

As visões e opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade dos autores e não são necessariamente da NASA ou de seus empregadores.

De qualquer forma, embora eu tenha dito em outro artigo que não estava muito entusiasmado com as “revelações” do artigo do New York Times, devo admitir que aparentemente para alguma coisa positiva ele serviu. Cientistas falando abertamente em investigarem os OVNIs é algo que não se ouvia há décadas. É admirável a coragem desses dois cientistas, se expondo para sua comunidade desta forma.

Contudo, esperemos que não ocorra como nas outras vezes, quando os resultados foram manipulados para apaziguar os militares.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.