Cientistas se opõem quanto a física da vida alienígena

Tempo de leitura: 2 min.
Cientistas se opõem quanto a física da vida alienígena
Cientistas se contradizem quanto a física da vida alienígenaImagem: Filme “A Chegada”

Os escritores de ficção científica há muito tempo imaginam imagens bizarras e vívidas da vida extraterrestre de plutonianos que se assemelham a cubos de gelo inteligentes, com a visão de HG Wells de homens de alumínio e silicone em “Another Basis for Life” (‘Outra Base para a Vida’), vivendo em uma atmosfera de enxofre gasoso nas margens de um mar de ferro líquido. Os astrobiólogos debateram calorosamente como a vida extraterrestre evoluiria para se assemelhar à da Terra, com alguns argumentando que, com um início ligeiramente diferente dos ‘dados darwinianos’, a Terra seria habitada por criaturas inimagináveis. Outros argumentam que, se houver biologia em outro lugar do universo, a acharíamos surpreendentemente familiar até às máquinas baseadas em carbono em suas células.

Não é assim, argumenta o biólogo evolucionista de Harvard, Stephen Jay Gould, em seu livro “Wonderful Life” (Vida Maravilhosa), estamos aqui porque “um grupo estranho de peixes tinha uma anatomia peculiar das barbatanas que poderia se transformar em pernas para criaturas terrestres; orque a Terra nunca congelou completamente durante uma era glacial; porque uma espécie pequena e tênue, surgida na África há um quarto de milhão de anos, conseguiu, até agora, sobreviver de todas as formas possíveis. Podemos ansiar por uma ‘resposta mais alta’, mas esta não existe.”

Equações da Vida

Conheça Charles S. Cockell, astrobiólogo da Universidade de Edimburgo e diretor do Centro de Astrobiologia do Reino Unido, que, 180 graus ao contrário de Gould, argumenta em “The Equations of Life” (Equações da Vida) que o cosmos, se povoado, abrigaria criaturas mais parecidas com aquelas da cantina mal iluminada de Mos Eisley no planeta Tatooine, de Guerra nas Estrelas. Não importa quão diferentes sejam as condições em mundos distantes, sugere Cockell, “toda a vida sendo matéria viva – material capaz de se reproduzir e evoluir – está presumivelmente sujeita às mesmas leis da física – da mecânica quântica à termodinâmica e às leis da gravidade”.

George Johnson relata no New York Times:

Cockel argumenta que, mesmo nesse nível profundo, as possibilidades de vida eram rigorosamente circunscritas. Execute novamente a fita da evolução, e o DNA, o RNA, o ATP, o ciclo de Krebs – o rigmarole da Biologia 101 – provavelmente surgiriam novamente, aqui ou em mundos distantes. Células únicas então se juntariam, buscando as vantagens da vida dos metazoários, até que você perceba que algo parecido com o zoológico terrestre venha a existir.

‘A coisa certa’

Uma análise de Ralph Pudritz, astrofísico teórico e diretor do Instituto Origins da Universidade McMaster mostra que os dez primeiros aminoácidos provavelmente se formarão a temperaturas e pressões relativamente baixas, e as chances calculadas de formação correspondem às concentrações desses produtos químicos da vida encontrados em amostras de meteoritos. O estudo indica que você não precisa de um milagre para chegar ao coquetel químico no início da vida, apenas um asteroide decentemente grande com os componentes certos. Isso é tudo. Todo o universo poderia estar repleto de vida, desde os primeiros protetores prebióticos até descendentes com DNA completo. O caminho de um para o outro é longo, mas tivemos treze bilhões e meio de anos até agora e aconteceu pelo menos uma vez. ”

A Terra primitiva era coberta com material carbonáceo de meteoritos e cometas que forneceram as matérias-primas de onde emergiu a primeira vida. Em seu livro, “The Eerie Silence” (O Estranho Silêncio), o astrofísico Paul Davies ecoa Gould, de Harvard, sugerindo que as células originais poderiam escolher entre o coquetel orgânico do início da Terra. Até onde sabemos, ele escreve:

Os vinte e um escolhidos pela vida conhecida não constituem um conjunto único; outras escolhas poderiam ter sido feitas, e talvez foram feitas se a vida começou em outro lugar muitas vezes.

(Fonte)


Alguém precisa avisar ao Stephen Jay Gould que ele precisa abrir um pouco mais sua mente.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.