Cientista afirma que o coronavírus foi trazido à Terra por um meteorito

Tempo de leitura: 2 min.

O misterioso coronavírus tem um novo nome (a Organização Mundial de Saúde (OMS) mudou de 2019-nCoV para COVID-19), um novo registro de vítimas (mais de 63.000 na China continental no momento da redação deste artigo) e uma nova causa potencial.

Cientista afirma que o coronavírus foi trazido à Terra por um meteorito

Não, os especialistas não eliminaram morcegos ou outro animal obtido no mercado de Wuhan, ou animais como o pangolim, usados ​​na medicina tradicional chinesa. Um cientista na Inglaterra afirma que o vírus mortal foi trazido à Terra por um meteorito que caiu na China no ano passado. Panspermia viral?

No caso da atual pandemia do coronavírus na China, é interessante notar que um evento de bola de fogo excepcionalmente brilhante foi visto em 11 de outubro de 2019 sobre a cidade de Sonjyan, na província de Jilin, no nordeste da China. É tentador especular que esse evento teve um papel crucial no que está ocorrendo em toda a China. Se um fragmento de um meteorito carbonáceo, carregando uma carga de vírus/bactérias, entrasse na mesosfera e estratosfera em alta velocidade ~ 30 km/s, seu núcleo interno que sobreviveu à incandescência teria se dispersado na estratosfera e na troposfera.

– Chandra Wickramasinghe

O professor Chandra Wickramasinghe, do Centro de Astrobiologia de Buckingham, contribuiu para um artigo enviado na semana passada ao The Lancet, no qual ele propõe que um meteorito que caiu em outubro de 2019 na cidade de Sonjyan (também chamada de Songyuan) cerca de 2200 km ao norte de Wuhan, o centro do surto de coronavírus, pode ter espalhado “centenas de trilhões de partículas virais infecciosas” que foram “incorporadas na forma de poeira carbonosa fina” à medida que atravessavam a atmosfera chinesa até cair na Terra.

Wickramasinghe é um conhecido matemático, astrônomo e astrobiólogo britânico que apóia fortemente a ideia da panspermia – rochas espaciais e naves espaciais que transportam e espalham organismos vivos por todo o universo.

Após a deposição inicial de partículas infecciosas em uma pequena região localizada (por exemplo, Wuhan, província de Hubei, China), as partículas que já se dispersaram por uma área mais ampla da troposfera cairão no chão de uma maneira altamente desordenada – e esse processo pode se estender por um período de tempo típico de 1-2 anos, até que um inoculante inicial do agente infeccioso seja drenado. Isso está de acordo com muitas novas cepas de vírus, inclusive influenza, que surgiram nos últimos anos.

– Chandra Wickramasinghe

Wickramasinghe propõe que a principal queda do meteorito de outubro de 2019 ocorreu sobre Wuhan, mas sua carga viral ainda pode ter caído sobre as cidades em seu caminho.

Isso significa que outras cidades estão em perigo de um surto concentrado de coronavírus como o de Wuhan?

Concluímos que o padrão de disseminação adicional do novo coronavírus (nCoV) é ditado principalmente pela queda primária, até que um alto nível de infecciosidade pessoa a pessoa possa ser alcançado e o vírus adquira o status de vírus endêmico.

– Chandra Wickramasinghe

Quando tudo o que você recebe são más notícias, a conclusão de Wickramasinghe de que as infecções de pessoa a pessoa ocorrem muito mais rapidamente do através da poeira espacial entregue por meteoritos pode ser considerada uma boa notícia … pelo menos no caso do coronavírus. No entanto, existem muitos outros meteoritos queimando na atmosfera regularmente. Se eles estiverem carregando outros vírus mortais, não importa onde eles queimam, eles ainda podem aparecer na China primeiro. Por quê? Em uma carta anterior ao The Lancet escrita em 2003, Wickramasinghe disse o seguinte:

Uma pequena quantidade de vírus introduzido na estratosfera poderia causar uma primeira precipitação a leste da grande cordilheira do Himalaia, onde a estratosfera é mais fina, seguida por depósitos esporádicos nas áreas vizinhas. Isso poderia explicar porque novas cepas do vírus influenza capazes de gerar epidemias e causadas por mutações genéticas radicais geralmente se originam na Ásia?

– Chandra Wickramasinghe

Wickramasinghe está na pista certa, ou está somente criando e conectando pontos para apoiar sua crença na panspermia?

(Fonte)


n3m3

Compartilhe este artigo com a galáxia!

_______

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais, ou use o botão abaixo:


_______

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------
-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.