web analytics

Em novo livro, aposentado da Força Aérea afirma que alienígena foi morto em base militar

Tempo de leitura: 3 minutos

Um alienígena foi morto a tiros numa base da Força Aérea dos EUA em Nova Jersey?

Em novo livro, aposentado da Força Aérea afirma que alienígena foi morto em base militar
O major aposentado da Força Aérea George Filer III em sua casa em Medford. (Foto: Brian Johnston)

Um novo livro, intitulado “Strange Craft: The True Story of an Air Force Intelligence Officer’s Life with UFOs” (de título em tradução livre: “Naves Estranhas: A História Verdadeira da Vida de um Oficial de Inteligência da Força Aérea com OVNIs”), afirma que um policial militar atirou em um ser extraterrestre em Fort Dix nas primeiras horas da manhã de 18 de janeiro de 1978.

No livro do autor John L. Guerra, e publicado pela Bayshore Publishing Co. de Tampa, Flórida, o major aposentado da Força Aérea George Filer III – um ex-oficial de inteligência decorado do 21º Comando da Força Aérea na Força Aérea McGuire – relata o conto extraordinário da era disco americana.

Filer, agora com 84 anos e morando em Medford com sua esposa, Janet, disse que o que tem sido uma lenda urbana promulgada pelos entusiastas de OVNIs desde o início dos anos 80 é realmente verdade. Isso porque ele estava lá e escreveu um memorando extremamente secreto sobre o assunto, disse ele.

Na escuridão gelada do inverno daquele dia em janeiro de 1978, uma criatura bípede, descrita com cerca de 1 metro de altura e marrom acinzentado, com “cabeça grande, braços longos e corpo esbelto”, foi morto a tiros com cinco tiros disparados com a pistola calibre 45 de um membro do serviço militar (edição militar M1911A1).

Como Guerra explica em seu livro, o soldado estava originalmente em uma caminhonete da polícia, dirigindo pelo deserto da base em busca de uma aeronave estranha e de baixo vôo que havia sido observada atravessando o espaço aéreo da instalação militar por volta das 2 horas da manhã.

Cerca de uma hora depois, o soldado percebeu – à maneira típica de um filme de terror – que a nave, em forma oval e irradiando um brilho azul esverdeado, pairava diretamente sobre o veículo.

Foi quando a “criatura” emergiu das sombras a pé, revelando-se ao soldado entrando na frente dos faróis do veículo, onde o soldado em pânico sacou sua arma, ordenou que o alienígena congelasse e ele disparou.

De acordo com o major aposentado, como dito no livro, o suposto alienígena sucumbiu aos ferimentos de bala no lado da Força Aérea do que agora é a Base Conjunta McGuire-Dix-Lakehurst, no Condado de Burlington. Seus restos emitiam um cheiro fétido, semelhante a amônia.

Mais tarde naquela manhã, uma equipe de limpeza da Base da Força Aérea Wright-Patterson, em Ohio – sede do Centro Nacional de Inteligência Aérea e Espacial – voou para recuperar o corpo, comportando-se como se a criatura não fosse totalmente estranha para eles.

O Asbury Park Press procurou a Força Aérea da Base Conjunta para comentar sobre essa história, mas nunca teve resposta.

Filer, que mais recentemente atuou como diretor estadual de uma organização chamada MUFON (a Rede Mútua de OVNIs, que cataloga e investiga avistamentos de OVNIs nos Estados Unidos), nunca viu o alienígena morto. No entanto, Filer disse que sabe de fato que a história é verdadeira.

Deve-se notar que Filer afirmou ter visto OVNIs durante toda a sua vida, começando quando ele tinha 5 anos fora de sua casa de infância no estado de Illinois.

Naquela manhã de janeiro de 1978, Filer disse que chegou à base antes do amanhecer para preparar seu relatório diário de inteligência às 8h para seus oficiais superiores. No livro, ele explica que, quando chegou, a segurança na base havia sido reforçada e ele observou pessoalmente a resposta de emergência após o incidente. Ele também disse que entrevistou algumas das testemunhas da cena para uma reportagem sobre o que aconteceu, a qual ele foi obrigado a arquivar. No entanto, ele teve acesso negado e nunca foi liberado para ver fotos que ele disse terem sido tiradas no local.

Filer é citado no livro:

O sargento mestre sênior administra tudo, desde quem varre o chão até organizar os horários dos funcionários e garantir que os telefones e faxes estejam sempre funcionando.

Ele estava agitado. Seu rosto estava pálido e seus olhos estavam bem abertos. Então ele disse a coisa mais estranha:”Um alienígena foi baleado em Fort Dix e eles o encontraram no final de nossa pista de pouso (McGuire AFB).

Filer disse que respondeu:

Era um alienígena de outro país?

O sargento explicou:

Não, era do espaço sideral, um alienígena do espaço. “Há OVNIs zumbindo por aí como loucos.”

Mais tarde, a Força Aérea classificou tudo como extremamente secreto e silenciou as testemunhas por meio de restrições de segurança nacional e da boa e velha intimidação antiquada. Silenciou a todos, menos a Filer.

Filer falou publicamente sobre o incidente de 1978 antes e o incidente em si tem sido objeto de discussão e especulação na comunidade de entusiastas de OVNIs desde o início dos anos 80. Os detalhes sobre o assunto parecem ter sido relatados pela primeira vez no The Trentonian em 10 de julho de 2007. O site The Trentonian havia relatado há 12 anos que a Força Aérea negou repetidamente a alegação, dizendo ao jornal que “o caso foi desbancado como uma farsa anos atrás”.

(Fonte)


Mesmo se o relato de Filer não for real, ele reflete exatamente a mentalidade da maioria dos humanos ao se depararem com o desconhecido.

Está claro agora porque os alienígenas evitam se expor para nós?

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



Participe dos comentários mais abaixo…