web analytics

O OVNI de Roswell não pode ser replicado por engenharia reversa – os empreiteiros de defesa recebem milhões sabendo que a tarefa é impossível

Tempo de leitura: 10 minutos


O investigador do fenômeno OVNI / UFO, Anthony Bragalia, nos apresenta com um ponto super interessante sobre a engenharia reversa de naves alienígena, o qual deve ser lido por todos aqueles que se interessam pelo fenômeno.

O OVNI de Roswell não pode ser replicado por engenharia reversa

O acidente de um veículo desconhecido e seus pilotos no início de julho de 1947 perto de Roswell, no Novo México, ainda está cercado por muitos segredos. Talvez o mais perturbador desses segredos seja o da fraude financeira e da falsa esperança.

Esses segredos são revelados aqui e agora:

  • Os empreiteiros do Departamento de Defesa encarregados de desvendar como as naves extraterrestres operam – e que supostamente estão conduzindo “engenharia reversa” – estão aceitando dinheiro para realizar isso, sabendo que não podem jamais fazê-lo.
  • Esses empreiteiros do Departamento de Defesa estão bem conscientes de que estão sendo pagos para produzir resultados e, no entanto, encontraram apenas um valor mínimo no estudo da nave encontrada perto de Roswell, apesar de décadas terem passado.

Isso é apoiado por depoimentos de testemunhas de primeira mão da base Wright, pelas declarações de um ex-diretor da Agência de Inteligência da Defesa, pela análise de dois eminentes escritores científicos e pelas ações de um membro do Senado norte-americano.

Está claro que, embora os estudos técnicos da nave continuem ao longo dos anos, eles são baseados em esforços equivocados e despesas desperdiçadas. E esses esforços e gastos estão sendo explorados para o lucro de maneira significativa por esses empreiteiros contratados. Continuam a enrolar seus pagadores de orçamento negro com “relatórios de progresso” em um projeto para o qual, por sua própria natureza, o progresso nunca pode ser feito.

As testemunhas da nave não viram diz muito

O sargento Bill Ennis, um engenheiro de propulsão a jato de Wright Field (mais tarde Base Aérea Wright-Patterson) de 1947, viu a aeronave acidentada quando foi trazida para a Wright. Ele era um engenheiro de voo no hangar para o qual a embarcação foi inicialmente levada. Mas levou muitos anos para contar isso aos pesquisadores, depois de tê-los informado erroneamente. Quando originalmente encontrado pelos pesquisadores Tom Carey e Don Schmitt, Ennis rindo e desdenhosamente disse que “nada aconteceu” e que era “apenas um balão meteorológico”.

Alguns anos depois, ele deu uma reviravolta numa parte difícil de sua vida, reconhecendo sua obrigação para com a verdade e a história. Ele disse aos pesquisadores que realmente viu a nave quando estava na base, mas que, embora visse a coisa toda, não conseguia ver um motor ou sistema de propulsão. Ennis disse aos pesquisadores Carey e Schmitt que ele estava se apresentando sobre seu envolvimento em Wright e o acidente que atingiu sua base.

Ele disse:

Depois de todos esses anos, eu ainda não sei como ela voava.

Ele queria garantias de que eles tentariam descobrir “o que fez ela voar antes de eu morrer“. Eles prometeram que certamente tentariam.

Os anos passam, e Ennis também se perguntava o que impulsionava a maldita coisa se não houvia sistema de energia. E a pergunta, “o que ela fez voar?”, é fundamental para chegar à conclusão de que a resposta a essa pergunta é incognoscível por sua natureza. Tal material de uma civilização extremamente avançada não poderia ser totalmente compreensível em nosso tempo, porque é de um tempo futuro.

Ennis não está sozinho em notar a falta de um sistema de energia. Aqueles que disseram que viram a nave nunca mencionaram que eles haviam observado um ‘motor’ ou sistema de propulsão a bordo. Se não houver nenhum, o que os empreiteiros estão estudando? Se um sistema de energia, um motor, combustível ou um sistema de propulsão não é perceptível, o que faz com que ele se mova?

O projeto é uma peça de museu

A verdade é que a nave em si simplesmente permanece como uma ‘peça de museu’ em uma vitrine; em certo sentido uma relíquia do futuro. É uma “peça de curiosidade” que hoje é tecnicamente inexplicável como quando foi descoberta pela primeira vez. Ainda não temos ideia de como isso funciona.

Enquanto alguma compreensão dos ‘materiais de construção’ (ou seja, alguns dos detritos, como os detritos de ‘metal com memória’, ver abaixo) foi alcançada, não houve praticamente nenhum progresso tecnicamente acionável no entendimento da dinâmica do sistema da nave encontrada no deserto.

Ex-diretor da Agência de Inteligência de Defesa (sigla em inglês – DIA): “Sem progresso na engenharia reversa da nave ET”

O almirante da Marinha Tom Wilson, ex-diretor da DIA

A ideia de que “pouco foi aprendido” é apoiada pelo que foi relatado recentemente no documento vazado de “Eric Davis.” Um diálogo supostamente ocorreu em 16 de setembro de 2002 entre o famoso astrofísico Dr. Eric W. Davis (Professor Baylor, consultor do Departamento de Defesa da Força Aérea, com especialização em propulsão) e o almirante Tom Wilson, diretor da Defesa. Agência de Inteligência de 1999 a 2002. A transcrição desse diálogo surgiu recentemente e pode ser lida clicando aqui: Note-se que Wilson estava falando com Davis quatro meses depois de se aposentar do DIA.

Se a cópia desse diálogo é verdadeira, ela é explosiva no que significa para o homem. Nós fomos visitados por criaturas que caíram na Terra e temos a nave que as trouxe aqui.

Vazado para os pesquisadores, inclusive o escritor e investigador de OVNIs, Grant Cameron, e depois aparecendo na rede, a autenticidade da nota não foi confirmada, pois Wilson e Davis se recusam a comentar. Nessas discussões, o almirante Wilson relata o envolvimento de empreiteiros de defesa em um programa de tentativa de engenharia reversa da nave ET.

Wilson supostamente fala de uma reunião que teve com um diretor do programa, diretor de segurança e advogado corporativo com uma grande empreiteira de defesa, com acesso e conhecimento do programa de Roswell. Wilson extraiu alguns detalhes deles, inclusive que uma nave não feita por “homem ou mãos humanas” foi de fato recuperada no passado.

De alguma forma, os pesquisadores comentando sobre os documentos de Davis esqueceram ou deixaram de comentar um detalhe extremamente importante: Muito revelador, Wilson também extraiu do insider do setor de defesa de algo mais. Wilson disse a respeito de seus esforços que eles têm “tentado entender e explorar a tecnologia por anos e anos … com pouco ou nenhum sucesso”.

Coisas do futuro não são feitas para hoje

Dois futuristas notáveis, Alvin Toffler e Sir Arthur C. Clarke, nos instruem com seus insights sobre porque tal engenharia reversa de naves de outro mundo e tempo não é provável: O falecido Alvin Toffler foi o autor do livro seminal de 1970, “Future Shock” (“Choque Futuro”, em tradução livre). Toffler introduziu um conceito tão profundo que suas implicações continuam a ser sentidas à medida que continuamos nossa marcha no tempo. “Future Shock” é uma condição de sofrimento físico e desorientação mental causada pela incapacidade de lidar com mudanças rápidas ou repentinas. Como Toffler afirma de forma tão sucinta, é “um estado psicológico individual e social que é prejudicial. Ele é induzido quando muita mudança é introduzida em um tempo muito curto”.

Eu tive uma breve correspondência por e-mail com o Toffler alguns anos antes de ele falecer. Discutimos ETs, contato e (hipoteticamente) a engenharia reversa de naves alienígenas capturadas. Toffler achava que “o abismo técnico entre extraterrestres e humanos teria necessariamente que ser muito, muito grande. Tão grande seria como um cachorro tentando entender a Teoria da Relatividade Geral”. Ele mencionou que, porque somos humanos, temos limitações humanas. Essas limitações humanas não se aplicam aos alienígenas. Suas limitações são claramente menores que as nossas. Toffler havia sugerido anteriormente que pode haver certos limites culturais e até mesmo biológicos para nossa capacidade de “absorver” informações e insights tão complexos. Muita tecnologia que é repentinamente e muito rapidamente recebida, e que é muito ‘diferente’, coloca muito de uma demanda em nossa capacidade de perceber e entender.

Isso significa que as coisas feitas em outro mundo, que do futuro chegam ao nosso lugar e ao presente, podem até mesmo instilar uma dissonância cognitiva, já que pode não haver um quadro de referência para fazer qualquer comparação possível.

Isso se parece muito com o que o falecido escritor de ciência britânico Arthur Clarke (2001: Uma Odisseia no Espaço) declarou: qualquer tecnologia, suficientemente avançada, é indistinguível da magia. Não só a tecnologia de naves alienígenas pareceria mágica, mas seria de fato mágica – movendo-se por forças incognoscíveis pelo homem. Se o homem não pode discernir a diferença entre magia e tecnologia, ele não pode refazer as tecnologias avançadas de uma nave alienígena. Seria sobrenatural. Além da natureza como a conhecemos. É como colocar a televisão em funcionamento na morada de um Homem das Cavernas. Ele não teria ideia de como isso funciona. Como o alienígena abatido, seria mágico.

Experimentar o alienígena é – por sua própria natureza – experimentar o futuro. Se eles estão vindo aqui, ao invés de nós visitá-los, eles estão em uma vantagem instantânea. Isso significa que eles são ao mesmo tempo uma raça antiga e uma raça futura. Em relação a nós, sua evolução e história (e, por extensão, sua tecnologia) remontam a muito mais tempo – mas são ao mesmo tempo do “futuro”. É um paradigma que faria até os cérebros mais sábios doerem.

A beleza está na simplicidade. Mas essa aparente “simplicidade” pode esconder extrema complexidade. Eu suspeito que o segredo dos discos é tão simples que não conseguimos entender. Os OVNIs são frequentemente relatados como não tendo rebites, sem sinais de união ou junções, e por serem totalmente lisos. Se a nave encontrada perto de Roswell não tinha motor, combustível ou sistema energético, essa “simplicidade” deve ser confusa para sempre. O testemunho do sargento. Bill Ennis e a falta de menção de um sistema de propulsão / motor por qualquer testemunha da nave acidentada apóia sua provável tecnologia simples e infinitamente complexa.

“Estamos progredindo. Não.”

Além de sua natureza extraterrestre e seu subsequente acobertamento, o maior segredo sobre o acidente de Roswell é este:

Contratados do setor privado que estão envolvidos no programa Roswell não podem fazer engenharia reversa ou reverter a construção de algo que foi projetado e construído por aqueles do futuro distante. Mas eles ainda estão recebendo enormes quantias para fazer o impossível.

Naturalmente, essas empresas fazem isso porque têm todo o interesse em continuar prolongando seus contratos para estudar o veículo acidentado ao longo dos anos e ofuscar sua incapacidade de decifrar o código de um veículo feito milênios em nosso futuro.

Eles são mantidos porque:

  • Eles estão tão bem entrincheirados agora no complexo militar-industrial e sabem muito mais do que qualquer um, assim não podem ser “deixados para trás”.
  • Com o advento das gerações em constante evolução de instrumentação avançada e equipamentos de diagnóstico, esses empreiteiros envolvidos podem um dia encontrar a resposta de como a nave voou. Se houver um vislumbre de esperança de algum sucesso, eles devem ser mantidos.
  • Eles reforçam a esperança de sucesso para o governo que os paga por terem conseguido algumas coisas ao longo dos anos que dão a ilusão de ‘progresso’ da engenharia reversa.

Eles podem ter conseguido:

  • Reconstruir a forma, superfície, dimensão e tamanho da nave.
  • Incorporar nossas melhores tentativas de replicação de alguns dos materiais metálicos de construção de algumas das peças (ou seja, metais com memória) em tecnologias usadas hoje. Os metais com memória que fizemos, no entanto, são apenas versões “brinquedo de criança” do que esse material de engenharia alienígena pode fazer. E uma compreensão rudimentar de um material de engenharia é muito diferente de entender um sistema de engenharia. Saber o que a nave pode ser composta em parte não é nada como saber como essa nave voa.
  • Replicar as características externas e internas da nave.
  • Das ações acima, criar um modelo representativo – mas não um protótipo funcional e certamente não uma nave totalmente funcional.
  • Testar a configuração da nave em túneis de vento e por simulação em computador. (No entanto, isso pode ser inútil, já que esses OVNIs demonstraram que são imunes às condições atmosféricas de arrasto, forças-g e voos adversos, e frequentemente se apresentam em formas não aerodinâmicas.)
  • Continuamente “evoluir” teorias sobre como a nave funciona. Eles desenvolvem um grupo de ideias vinculadas com o objetivo de explicar como a nave opera. Uma teoria fornece uma maneira de explicar observações. Essas explicações são baseadas em suposições. E essas teorias e suposições são baseadas no entendimento do homem sobre o universo, os elementos e a física – não o dos alienígenas.

Isto não vale décadas de dólares aos empreiteiros de defesa

Nenhuma das coisas acima nos diria exatamente como as naves destes seres cruzaram os anos-luz necessários para chegar ao planeta Terra. Nenhuma dessas coisas forneceria quatro informações aeronáuticas essenciais para fazer engenharia reversa da nave:

A Força Motriz. O que alimenta ou energiza a nave e qual é o seu meio de propulsão?

Atuação. O que inicia a ação para fazer com que a nave atue e quais ações fazem com que a nave continue operando?

Navegação e Controle. Quais planeja, direciona e mantém o curso da nave e a rota que ela percorre?

Fabricação. Mesmo que alguém possa projetar algo, isso não significa que isto possa fazer alguma coisa. Nossas habilidades modernas de produzir algo do futuro distante, criado em outro mundo, não se aplicariam. Se os processos de fabricação são cem mil anos mais avançados do que nós, levará muito tempo para dominá-los. As pessoas que promovem a fantasia de voar com naves alienígenas com engenharia reversa não entendem o conceito do mundo real da Engenharia de Manufatura. A Engenharia de Manufatura é a disciplina envolvida em traduzir com sucesso desenhos técnicos em máquinas viáveis. Ela lida com ‘capacidade de fazer’. Transformar conceitos de engenharia em produtos de engenharia reais é muito desafiador. É um desafio insuperável no caso de coisas feitas por processos desenvolvidos por não-humanos não-terrestres. Tais seres fazem coisas de maneiras fundamentalmente diferentes de nós. Eles podem produzir sistemas na ausência de peso do espaço e certamente calcular com formas de medição totalmente diferentes das nossas. Eles têm acesso a coisas necessárias para criar seus veículos que nós não temos.

E se a nave alienígena incorpora qualquer tipo de Interface Mente-Máquina, como tem sido rumorado – se “pensamento” desempenha algum papel em tal transporte interestelar – então nunca poderemos desvendar os segredos de como ela opera, muito menos de fabricar esses sistemas. Se a consciência interagir com o sistema projetado, nossa consciência não poderá fazer a nave se mover. Nossos cérebros e nossos processos de pensamento devem ser muito diferentes dos alienígenas.

Da mesma forma, se a nave alienígena incorpora qualquer tipo de princípios de interface corpo-máquina, o mesmo se aplica. Nossos corpos e nossa “fiação” seriam totalmente incompatíveis para operar sistemas projetados para seres milhares ou milhões de anos mais avançados do que nós.

O insider de DC (Washington) que tentou saber das empreiteiras sobre o programa Roswell

Dick D’Amato

Dick D’Amato (C. Richard D’Amato) é – por qualquer padrão – um clássico ‘DC insider‘. Ele aparentemente também sabe muito mais sobre o que aconteceu em Roswell que a maioria em Washington DC. Depois de participar de Cornell e da Escola de Diplomacia Fletcher, D’Amato ganhou seu JD de Georgetown. Ele era professor da Academia Naval dos EUA. Entrando no mundo da política, ele subiu rapidamente através de vários compromissos. Ele serviu em muitos órgãos consultivos congressionais de alto nível dos EUA (inclusive em questões de defesa, segurança nacional e assuntos de relações internacionais) e alcançou as autorizações Top Secret. Ele foi nomeado Conselheiro Chefe e Investigador do Comitê de Apropriações do Senado dos EUA. Mais tarde, tornou-se especialista em segurança nacional do líder da maioria no Senado, Robert Byrd, e membro de ligação do Conselho de Segurança Nacional. Hoje, um consultor privado, D’Amato permanece ativo na política no estado de Maryland.

O falecido Dr. Jesse Marcel Jr. tinha uma história estranha para contar sobre Dick D’Amato. O Dr. Marcel é o filho homônimo do Major Jesse Marcel, Oficial de Inteligência do Exército que foi o primeiro a revelar a verdade extraterrestre sobre Roswell.

O Dr. Marcel conta que, em 1991, do nada recebeu uma ligação de D’Amato. D’Amato sabia que Marcel planejara comparecer a uma reunião em Washington. Ele convidou Marcel para se encontrar com ele, a fim de discutirem o evento de Roswell no que D’Amato chamou de ‘Sala Segura’ no Capitólio. O Dr. Marcel (que, quando criança, viu alguns detritos do ET) disse a D’Amato que isso não seria necessário – ele já havia dito tudo o que sabia – e que não ia dizer nada que não tivesse dito antes. Mas D’Amato explicou a Marcel que o fato era que ele próprio queria relacionar a Marcel algo importante sobre o incidente do acidente. Marcel concordou em se encontrar.

O que esse insider de DC diria a ele? Marcel disse que lhe foi dito para se encontrar no Edifício do Capitólio, Sala 228. Marcel indica que D’Amato o cumprimentou calorosamente. Marcel notou então algo exibido na sala. D’Amato colocara proeminentemente em sua escrivaninha um livro sobre Roswell que explicava isso como um evento extraterrestre. D’Amato apontou para o livro e disse a Marcel: “Isso não é ficção“. Marcel respondeu que, claro, ele sabia que não era ficção. Ele então olhou para D’Amato e perguntou diretamente: “Por que o governo não diz às pessoas?” D’Amato disse a Marcel que “se dependesse dele” ele o faria, mas obviamente não cabe a ele. Ele concordou com Marcel que a informação precisava ser oficialmente divulgada.

D’Amato então disse a Marcel que ele sabia de casos em que “pessoas foram ameaçadas” sobre seu envolvimento em Roswell. Ele perguntou se o próprio Marcel já havia sido ameaçado. Quando Marcel lhe disse que não, D’Amato ofereceu assistência e proteção a Marcel, se algo assim ocorresse.

Sabe-se que D’Amato teve diálogos com alguns pesquisadores (inclusive este autor) nos quais ele detalhou que existe um braço negro de sigilo sobre o assunto dos OVNIs – e que o dinheiro está sendo secretamente apropriado para empreiteiros de defesa para projetos relacionados ao programa de engenharia reversa da Roswell. D’Amato indica que foi um projeto tão ocultado que, mesmo com o poder de intimação, ele não conseguiu penetrar nessas operações. Eu acrescentaria que essas empresas estão isentas dos Pedidos de Liberdade de Informação, porque são entidades privadas.

D’Amato queria mais detalhes na década de 1990 sobre orçamentos negros e como bilhões de dólares de impostos não contabilizados estavam sendo gastos por esses contratados. A razão pela qual os guardiões dessas empresas (geralmente generais aposentados) não mostraram nada a ele, é que eles não têm nada a mostrar pelo dinheiro que estão ganhando: não estão encobrindo o que estão fazendo, estão encobrindo o que não são capazes de fazer.

O mito da reprodução do veículo alienígena

As únicas pessoas que fazem afirmações tão corajosas de engenharia reversa bem-sucedida da nave são acusadas de fraude, como Bob Lazar, Richard Doty e Corey Goode. Eles falam de uma nave alienígena intacta, totalmente funcional, que foi silenciosamente arquitetada reversamente e construída por humanos. Esses veículos artificiais concebidos por alienígenas são capazes de manipular espaço, tempo e dimensão, mantêm tais fantasistas.

O bom senso nos instrui que, se tais naves interestelares extraordinárias foram realmente feitas pelo homem, então alguém está perdendo o barco de faturar bilhões. Empresas comerciais fariam qualquer coisa por essa tecnologia. Isso revolucionaria o transporte de seres humanos e a entrega de cargas de maneiras que não podemos imaginar. Se os militares tiverem tais coisas, venceríamos todas as guerras e não temeríamos conflitos.

Em face disso, a própria ideia de sermos capazes de reconstruir totalmente agora o que vem de talvez centenas de milhares de anos a partir de agora, não é sustentável. Se realmente pudermos voar como alienígenas, então o programa espacial da NASA tem sido um “programa de acobertamento”, com vidas perdidas e dinheiro do contribuinte desperdiçado.

Eisenhower predisse tudo isso

Bilhões de dólares não contabilizados gastos pelo governo em empresas privadas de apoio à defesa são exatamente o que um ex-presidente previu. Dwight Eisenhower deu uma advertência terrível à nação sobre uma grave ameaça à democracia. Ele chamou de “Complexo Militar-Industrial” – uma formidável união de empreiteiros de defesa que trabalham em projetos secretos com elementos secretos de militares e de inteligência.

A observação presciente se aplica diretamente ao programa de engenharia reversa relacionado a Roswell. Altamente secretos, altamente entrincheirados e astutos à ofuscação, esses empreiteiros de defesa estão levando o governo dos EUA e os contribuintes para passear por Roswell por dinheiro há anos. Em seu último discurso ao mundo como presidente, Eisenhower deu a entender que sabia da situação secreta e que perdera o controle desses projetos. Ele não sabia o que estavam fazendo ou, mais importante, não faziam.

(Fonte)

Colaboração: Marcelino


Anthony Bragalia apresenta pontos muito interessantes, e com base em todas as suas considerações, poderíamos chegar à conclusão de que os alienígenas que nos visitam são realmente de outros mundos em sistemas estelares distantes.

Onde reside a verdade sobre este fenômeno, o qual é parte da questão mais importante para a humanidade, irrelevante da crença religiosa, ou falta dela, de cada um?

Tudo que podemos fazer é esperar até que a verdade encontre seu caminho até nós e, acredite, mais cedo ou mais tarde ela sempre o faz.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários mais abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como ‘inapropriados’, acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.