Aquíferos pressurizados podem estar causando terremotos em Marte, os “martemotos”

Tempo de leitura: 2 minutos

Quando o módulo Mars InSight começa a escutar o interior de Marte, alguns cientistas já estão propondo que alguns “martemotos” poderiam ser sinais de água subterrânea sob a superfície congelada do Planeta Vermelho.

Aquíferos pressurizados podem estar causando terremotos em Marte
Uma visão da formação “Kimberley” em Marte feita pelo jipe-soda Curiosity da NASA. Os estratos em primeiro plano mergulham em direção à base do Monte Sharp, indicando o fluxo de água em direção a uma bacia que existia antes que o maior volume da montanha se formasse. NASA / JPL-Caltech / MSSS

A ideia, proposta por Michael Manga, um cientista planetário da Universidade da Califórnia em Berkeley, e seus colegas, é que Marte pode estar tendo terremotos muito parecidos com aqueles sentidos em Oklahoma e no Texas devido às injeções de água servida pelo fraturamento hidráulico.

Na Terra, a água do fraturamento hidráulico é injetada profundamente no solo, onde aumenta a pressão nos poros – pequenos espaços entre os grãos que compõem o solo. Essa pressão pode afrouxar as falhas e fazê-las escorregar e enviar vibrações – o tremor de um terremoto – para muito longe.

Em Marte, também pode existir a pressão dos poros, disse Manga, que é o principal autor de um artigo descrevendo sua hipótese na revista Geophysical Research Letters, da AGU. Mas em vez de fraturar, Manga propõe que as temperaturas invernais da superfície de Marte possam penetrar nas águas subterrâneas líquidas, congelando as camadas superiores das águas subterrâneas e comprimindo as águas subterrâneas ainda líquidas abaixo. Essa água subterrânea pressurizada poderia estar afrouxando as falhas em Marte e causando os tipos de “martemotos” superficiais que já foram detectados pelo módulo Insight, disse ele.

Enquanto Marte esfria, a fronteira entre o solo congelado e a água líquida nos aquíferos se move para baixo. A expansão do volume após o congelamento comprimirá a água restante no líquido e aumentará a pressão dos poros nos aquíferos.

Essa não é toda a história, no entanto, porque os “martemotos” precisam de gatilhos. Ao modelar seus aquíferos hipotéticos, Manga e seus colegas descobriram que os dois prováveis ​​gatilhos de “martemotos” são os puxões gravitacionais da lua de Marte, Phobos, e o Sol, assim como as mudanças de pressão barométrica. O último é causado pelo aquecimento e resfriamento de sua fina atmosfera pelo Sol.

Se Manga e seus colegas estiverem corretos, a Insight deve começar a detectar um padrão para os “martemotos” que correspondem às mudanças nas forças dos gravitacionais e à pressão barométrica. Se isso acontecer, o os eventos podemo ser considerados por alguns como evidência de águas subterrâneas profundas e pressurizadas. Se essa água realmente existe, os futuros exploradores de Marte podem ser capazes de fazer a perfuração e a água sairá do solo sob sua própria pressão, como uma fonte artesiana, disse Manga.

A hipótese também pode explicar algumas das características – como cumes gelados e vulcões de gelo – vistos em luas geladas do sistema solar, disse ele.

E se os padrões de “martemotos” não se encaixarem no padrão de água subterrânea pressurizada? “De qualquer forma, a resposta é fascinante”, disse Manga.

(Fonte)

Colaboração: Skywalker

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Se Marte realmente possui toda essa água no subsolo, já seria um problema a menos para os futuros colonizadores daquele planeta, pois, para nós, a água é essencial.

Tomara que tenha mesmo.