web analytics

O caso bizarro do ser de Kyshtym, na Rússia

Tempo de leitura: 5 minutos


Durante anos houve casos esporádicos quando a carcaça ou outros restos de criaturas misteriosas surgiram de todos os cantos do planeta.

Kyshtym

Esses “seres” são geralmente mumificados e encontrados já mortos, provocando todo tipo de discussão e debate e fornecendo possíveis evidências de forças além de nossa compreensão.

Em alguns dos casos mais bizarros, as criaturas em questão são supostamente encontradas vivas, e um desses casos notáveis ​​chega até nós de uma região remota da Rússia, onde uma criatura supostamente alienígena foi encontrada e cuidada por humanos, apenas para desaparecer e deixar miríades de perguntas rodando em sua esteira.

O conto bizarro começa no verão de 1996, quando uma idosa chamada Tamara Prosvirina fazia uma de suas caminhadas regulares pela aldeia de Kaolinovy, perto de Kyshtym, área de Cheliabinsk, na região dos Urais na Rússia. Neste dia, ela voltou para a aldeia segurando algo embrulhado em um cobertor, que ela proclamou ser ‘seu bebê’ e que ela tinha descoberto no sertão debaixo de uma árvore, ao lado de um poço perto de um cemitério. Quando as pessoas se aproximavam, ela segurava o objeto embrulhado perto e não o mostrava, apenas dizendo a todos que seu nome era Alyoshenka. Isso era estranho o suficiente, mas considerando sua idade avançada, a maioria das pessoas apenas pensava que eram ilusões senis de uma velha louca. No entanto, isso logo se mostraria muito mais bizarro do que imaginavam.

Algumas poucas pessoas conseguiram de fato ver o que estava enrolado no cobertor nas semanas seguintes, e não era um bebê humano que alguém já tivesse visto antes. A criatura foi descrita como tendo cerca de 25 centímetros de comprimento, com pele cinza escura e manchas marrons na cabeça. Era completamente sem pelos, com grandes olhos salientes com pupilas verticais como um réptil ou um gato, uma boca muito pequena e de lábios finos, pequenos orifícios no crânio em vez de orelhas e dedos longos e finos com garras afiadas. Não exibia nenhum umbigo discernível ou genitália, não tinha pálpebras, e foi relatado que fazia “ruídos de chios” e respirava através de um nariz achatado minúsculo.

O caso bizarro do ser de Kyshtym, na Rússia 1
Suposta captura de tela de vídeo da criatura

Prosvirina alegou que a criatura era incapaz de mastigar comida devido a sua mandíbula quase inexistente e boca incrivelmente pequena, então ela a alimentou com leite e coalhada com uma colher e disse que gostava de lamber os doces de caramelo. Durante as poucas semanas em que estava sob seus cuidados, ela dizia que raramente se movia, exceto para esticar as pernas ou estender o rosto para a comida, e que precisava ser enxugada com frequência devido a um suor doce que era profusamente abundante, consistentemente produzido em todo o corpo. Tudo isso foi principalmente testemunhado pela nora de Prosvirina, que continuaria inflexível em afirmar que tudo era verdade e que não era um bebê humano. Ela disse de seu primeiro encontro com ele:

Eu costumava visitar minha sogra duas vezes por semana. Ela estava morando sozinha. Naquele dia eu trouxe os alimentos dela como sempre fiz. Eu estava prestes a sair quando ela me disse: “É melhor darmos um pouco de comida para o bebê também”. Então ela me mostrou a cama. Eu dei uma olhada mais de perto e vi ele. Ele estava em cima da cama, emitindo alguns sons engraçados. Eu podia ver sua boca em forma de um pequeno cano. Sua pequena língua escarlate estava se movendo. Eu também vi dois dentes dentro. De certa forma, ele parecia um bebezinho. Sua cabeça era marrom e seu corpo parecia cinza. Eu não vi pálpebras. Ele não tinha nenhum genital também. Sua cabeça parecia uma cebola. E as pupilas de seus olhos se arregalaram e se estreitaram como os olhos de gato fazem quando você acende a luz e a desliga novamente várias vezes seguidas. Os dedos das mãos e pés dele eram bem compridos.

Eu só me incomodei em perguntar à minha sogra onde ela encontrou o monstro. Ela me disse que o encontrou na floresta. Ela continuou chamando-o de ‘Alioshenka’.

Ela deu-lhe um doce e ele começou a chupá-lo. Eu pensei que fosse algum tipo de animal.

Ele estava exalando aquele cheiro, você sabe, único. Você não pode comparar com qualquer outro cheiro. Na verdade, o cheiro era bem agradável e ao mesmo tempo enjoativo. E ele não passou nenhum resíduo líquido ou sólido. Ele estava suando e isso era tudo. Eu vi a sogra limpar o suor do rosto com um pano.

No entanto, a maioria dos vizinhos não tinha visto o estranho ‘filho’, e temendo pela saúde mental da velha senhora as autoridades de saúde foram chamadas para levá-la para uma instituição. Quando ela estava sendo levada embora, Prosvirina supostamente protestou veementemente, dizendo que seu “bebê” Alyoshenka morreria sem ela para cuidar dele. De fato, passaria que alguns dias depois um homem chamado Vladimir Nurtdinov foi até a casa e encontrou a criatura, morta como previsto e de alguma forma tendo mumificado nesse meio tempo. O corpo foi supostamente cedido à polícia, Nurtdinov foi preso por roubar a fiação da casa, e é aí que as coisas vão mudar ainda mais.

O caso bizarro do ser de Kyshtym, na Rússia 2
A múmia Alyoshenka.

Um investigador da polícia com o nome de Vladimir Bendlin começou a bisbilhotar tentando chegar ao fundo do mistério sobre o ser, com o resto do departamento apenas dando de ombros para tudo e principalmente não levando muito a sério. Ele mantinha o corpo escondido em sua geladeira, o filmava e fotografava e, aparentemente, submetia-o a testes, que apresentavam resultados mistos. Um especialista descreveu a múmia como sendo uma criança deformada, outro disse que era um feto malformado retirado prematuramente do útero, enquanto outro afirmou que não era humano e mostrou estrutura óssea, órgãos e fisiologia decididamente anômala, e outros ainda estavam incertos quanto ao suas origens.

Bendlin começou a procurar aqueles que poderiam saber algo mais do que os cientistas convencionais, chamando os ovniólogos/ufólogos locais que o convenceram a entregar o corpo da criatura para eles estudarem. Bendlin, de má vontade, deixou que eles fossem embora, e isso é praticamente a última coisa que qualquer um sabe a respeito.

Telefonemas de acompanhamento para a organização foram recebidos com desculpas que estava sendo estudado e ele foi conduzido em círculos pelo grupo; o paradeiro real do corpo é um mistério. Nesse meio tempo, Prosvirina foi liberada da instituição em 1999 e misteriosamente atropelada por dois veículos quase tão logo saiu do hospital, com o acidente estranhamente nunca sendo seriamente investigado. Ela foi descrita como tendo dançado no meio da estrada em algum tipo de transe quando aconteceu.

O que está acontecendo aqui? Ela foi morta por pessoas que queriam manter isso tudo em segredo ou foi apenas um acidente esquisito com um intervalo de tempo bastante sinistro?

 É lamentável que o cadáver do alegado ‘Anão Kyshtym’ não tenha aparecido desde então, tenha sido escondido pela organização OVNI, levado pelo governo, ou vendido a algum colecionador particular. Seja qual for o caso, ele desapareceu sem deixar rasto, deixando apenas fotografias, vídeos e um pano supostamente contendo o suor da criatura para continuar e condená-lo ao limbo da especulação.

Aqueles que acreditam na história apontam isso como evidência de vida extraterrestre, enquanto os céticos dizem que foi uma fraude, ou simplesmente um feto humano exibindo mutações e deformidades. Outra teoria apresentada é a de que foi um mutante causado pela radiação produzida pelo desastre de 1957 da Kyshtym, em que um contêiner de armazenamento de resíduos nucleares líquidos na usina de plutônio Mayak em Ozersk explodiu para liberar 20 milhões de unidades Curie de radioatividade que se espalharam mais de 20.000 quilômetros quadrados das regiões de Chelyabinsk, Sverdlovsk e Tyumen, tornando-se o terceiro pior desastre nuclear da história depois de Chernobyl e o desastre do reator de Fukushima no Japão.

Mais tarde, Bendlin descobriria por meio de entrevistas com moradores locais que outros tinham visto criaturas semelhantes vagando pelo sertão da área, e ele supôs que Prosvirina havia encontrado um espécime ferido ou imaturo. Ele também tinha DNA do tecido a criatura que tinha sido mantido e analisada pelo Instituto de Medicina Forense de Moscou, que disse:

Um gene descoberto nas amostras de DNA não corresponde a nenhum gene pertencente a humanos ou a macacos antropóides. Nenhuma amostra de genes disponível no laboratório corresponde ao gene. Os especialistas em pesquisa de DNA não encontraram criaturas com uma molécula de DNA tão alongada.

O que era o ser Kyshtym e de onde ele veio? Seria apenas um feto humano deformado e, em caso afirmativo, por que as testemunhas dizem que ele estava vivo e se alimentando enquanto estava sendo cuidado? Isso foi apenas uma farsa? Além disso, para onde foi o corpo, se é que existiu? Foi encoberto, destruído ou simplesmente arquivado em algum ambiente empoeirado em algum lugar e esquecido? Sem esse corpo, há muito pouco que temos que seguir, e assim, este caso extraordinário provavelmente permanecerá meramente uma curiosidade que nunca chegaremos verdadeiramente ao fundo e que incitará a discussão por algum tempo.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta e Universo. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Coincidentemente, ou não, o Dr. Stephen Greer, promotor de um dos maiores eventos já feitos para o desacobertamento dos OVNIs, o famoso Disclosure Project, também teve em suas mãos a múmia de uma criatura muito similar a de Kyshtym. A múmia promovida pelo Dr. Greer teria sido encontrada no Chile. Após muitos testes os resultados foram contraditórios e alguns céticos também a descartaram como sendo um humano prematuro mal-formado.

Seria isso tudo uma mera coincidência, haveria mesmo alguma raça de pequenos seres ocultos à população humana vivendo no nosso planeta?

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: