Há bactérias e fungos em toda a Estação Espacial e agora sabemos o que são

Tempo de leitura: 2 min.

Assim como na Terra, há uma população robusta de bactérias e fungos na Estação Espacial Internacional (ISS) – e um novo estudo cataloga sua composição exata.

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

bactérias e fungos em toda a Estação Espacial
A fruta e outros alimentos flutuam em torno do astronauta da NASA, Karen Nyberg, na Estação Espacial Internacional. Fonte: NASA (2013)

A maioria dos micróbios está associada a humanos, particularmente a bactéria Staphylococcus (26% do total de bactérias isoladas), Pantoea (23%) e Bacillus (11%), de acordo com um comunicado sobre o novo trabalho. Outros organismos vêm de partes específicas de seres humanos, como o Staphylococcus aureus (10%), que geralmente é encontrado nas passagens nasais humanas e na pele. Outro exemplo é Enterobacter, cuja porcentagem não foi especificada na liberação, que é encontrada no trato gastrointestinal humano.

Embora pareça uma combinação nojenta, os cientistas observaram na declaração que bactérias similares são encontradas em ambientes terrestres como escritórios, academias e hospitais, de modo que a estação espacial é semelhante a esses outros ambientes construídos pelos seres humanos.

Não está claro se as bactérias que às vezes causam doenças na Terra, como Staphylococcus aureus e Enterobacter, poderiam causar doenças em astronautas da ISS, disseram os pesquisadores no comunicado, porque isso depende de como esses organismos funcionam em microgravidade e quão saudável é o astronauta. (Em geral, as pessoas selecionadas para o espaço estão em ótima saúde e trabalham para manter sua forma física no espaço em períodos de exercício que abrangem 2 horas por dia.)

Kasthuri Venkateswaran, pesquisador sênior do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA e co-autor do artigo, disse em um comunicado:

Micróbios específicos em espaços interiores da Terra têm mostrado impacto na saúde humana. Isto é ainda mais importante para os astronautas durante voos espaciais, uma vez que suas imunidades são alteradas e não eles têm acesso às intervenções médicas sofisticadas disponíveis na Terra.

À luz de possíveis futuras missões de longa duração, é importante identificar os tipos de micro-organismos que podem se acumular nos ambientes únicos e fechados associados ao voo espacial, quanto tempo eles sobrevivem e seu impacto na saúde humana e na infraestrutura da espaçonave.

Os pesquisadores disseram que este estudo é o primeiro ‘catálogo abrangente’ dos fungos e bactérias encontrados em superfícies em um sistema espacial fechado, como a ISS. Os pesquisadores disseram que isso poderia levar ao desenvolvimento de medidas de segurança para os astronautas durante vôos espaciais, embora no momento o risco para os astronautas (se houver) não seja claro.

Os astronautas coletaram as amostras durante três vôos, durante 14 meses, um intervalo de tempo que permitiu aos pesquisadores ver como as populações microbianas e fúngicas mudaram em locais e ao longo do tempo. Eles vieram de oito locais na ISS, incluindo a mesa de jantar, banheiro, equipamentos de ginástica, uma janela de visualização e dormitórios.

Os pesquisadores informaram:

Os autores descobriram que, embora as comunidades de fungos estivessem estáveis, as comunidades microbianas eram semelhantes entre os locais, mas mudaram com o tempo. As amostras coletadas durante a segunda missão de voo apresentaram maior diversidade microbiana do que as coletadas durante a primeira e terceira missões. Os autores sugerem que essas diferenças temporais podem ser devidas aos diferentes astronautas a bordo do ISS.

A nova pesquisa foi liderada por Aleksandra Checinska Sielaff, que tem filiações no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA e na Washington State University. O trabalho foi detalhado em 8 de abril na revista Microbiome.

(Fonte)


Mas o que eu realmente gostaria de saber é porque a descoberta pelos cosmonautas de bactérias no lado de fora da Estação Espacial foi abafado, já que o cosmonauta Anton Shkaplerov estava convencido de que eram de origem extraterrestre?

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

PORCOS VIVOS SÃO USADOS EM TESTES DE COLISÃO DE AUTOMÓVEIS

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.