web analytics

Vale a pena lutar pelo transhumanismo?

Tempo de leitura: 3 minutos
O transhumanismo é um conceito que se tornou mais interessante nos últimos anos. Muitos ainda estão divididos sobre este tópico um tanto controverso. Alguns acham que vale a pena lutar pelo transhumanismo, e outros discordam completamente.

*Artigo sem classificação de veracidade da matéria, por se tratar de opinião pessoal, matéria vinda de leitor, ou embasamento científico. (Missão do OVNI Hoje)

Vale a pena lutar pelo transhumanismo?

O transhumanismo significa levar a humanidade a um novo nível de existência. Os defensores do trans-humanismo pensam que podemos evoluir além das nossas atuais limitações físicas e mentais.

No entanto, isso não é um processo espiritual. Em vez disso, confiamos na ciência e tecnologia para melhorar nossas capacidades físicas e mentais.


Transhumanismo – uma busca pela imortalidade

Então, como o transhumanismo pode ser alcançado na prática?

Transumanismo significa retardar o processo da idade. O objetivo final é eliminar a morte através dos meios da ciência e da tecnologia. Esta ideia não é nova. Nossos ancestrais estavam ansiosos para encontrar meios de alcançar a imortalidade. No jardim das Hespérides, ninfas guardavam maçãs da imortalidade divina. Chineses antigos produziam ternos de jade da imortalidade. Acreditava-se que o jade, uma pedra verde de cura sagrada, possuía propriedades mágicas que protegiam o corpo da decadência e afastavam os maus espíritos.

Alguns anos atrás, cientistas descobriram a Rapamicina, uma bactéria misteriosa na Ilha de Páscoa. A descoberta deu nova esperança aos pesquisadores. Ela poderia parar o processo de envelhecimento e ser a chave para a imortalidade. Os cientistas ainda estão buscando a misteriosa fonte da juventude, mas o transhumanismo oferece diferentes maneiras de conquistar a morte.

Quando os primeiros computadores apareceram, muitos ficaram céticos. Hoje, nossa sociedade moderna depende da tecnologia de computadores e é difícil imaginar a vida sem internet, notebooks, desktops e outras ferramentas relacionadas a computadores.

O rápido surgimento da inteligência artificial levou ao desenvolvimento de robôs capazes de executar tarefas que podem ser difíceis para os seres humanos. Os robôs podem assumir tarefas extremamente chatas e, às vezes, perigosas.

Muitas pessoas ainda temem ou são céticas em relação à IA (Inteligência Artificial), mas muitas vezes é enfatizado que devemos relaxar porque a IA não é tão ameaçadora quanto alguns pensam. Na vida real, a IA pode melhorar significativamente a vida das pessoas de formas que nunca imaginamos ser possível antes.

Alguns desenvolvedores de inteligência artificial têm ideias bastante “selvagens” que parecem improváveis, mas aqueles que estão envolvidos em certos conceitos relacionados à IA estão convencidos de que sabem o que estão fazendo. Por exemplo, uma empresa anunciou que surgiu uma ideia de como a inteligência artificial pode trazer de volta pessoas mortas à vida.

Essa ideia levanta muitas questões, como, por exemplo, a pessoa ressuscitada ainda seria você ou uma cópia sua?

Muitas pessoas argumentam que a morte é natural e inevitável, então por que devemos parar a morte ou trazer pessoas mortas de volta à vida? Algumas pessoas sofrem de apeirofobia, o medo de viver para sempre, mas a maioria das pessoas tem medo da morte. O transhumanismo pode ser uma boa opção para aqueles que temem a morte?


Conflitos entre os humanos normais e os aprimorados?

Nick Bostrom, filósofo da Universidade de Oxford especializado em temas como risco existencial, o argumento da simulação, a antropologia (desenvolvendo a primeira teoria matematicamente explícita dos efeitos de seleção de observação), os impactos da tecnologia futura e as implicações do consequencialismo para a estratégia global, diz que há muitos questões que devemos considerar e devemos nos perguntar porque o transhumanismo pode ser bom ou ruim para nós.

Ele explica:

Quando os transhumanistas dizem que querem prolongar a expectativa de vida, o que querem dizer é que eles querem estender os períodos de saúde. Isso significa que a “pessoa extra-anos” seria produtiva e acrescentaria valor econômico à sociedade. Todos podemos concordar que não faria sentido viver mais dez anos em estado de demência.

Se as pessoas puderem ter por uma vida mais saudável e ativa, elas terão uma participação pessoal no futuro e, com sorte, estarão mais preocupadas com as consequências de longo prazo de suas ações.

Um dos temores que muitos expressaram é que o transhumanismo causará uma grande lacuna entre humanos normais e humanos aprimorados. Quais poderiam ser as consequências dessa lacuna?

Bostrom disse:

Uma preocupação comum é que as modificações genéticas hereditárias ou outras tecnologias de aprimoramento humano levariam a duas espécies distintas e que as hostilidades inevitavelmente se desenvolveriam entre elas. As suposições por trás dessa previsão devem ser questionadas.

Este é um tema comum na ficção por causa das oportunidades de conflito dramático, mas isso não é o mesmo que plausibilidade social, política e econômica no mundo real. Parece mais provável que houvesse um continuum de indivíduos diferentemente modificados ou aprimorados, que se sobreporiam ao continuum de humanos ainda não aprimorados. O cenário em que “os aprimorados” formam um pacto e depois atacam “os naturais” contribui para uma empolgante ficção científica, mas não é necessariamente o resultado mais plausível.

Até hoje, o segmento contendo os 90% mais altos da população poderia, em princípio, se unir e matar ou escravizar os mais baixos. O fato disso não acontecer sugere que uma sociedade bem organizada pode se manter unida mesmo que contenha muitas coalizões possíveis de pessoas que compartilhem algum atributo tal que, se unificadas sob uma única bandeira, as tornem capazes de exterminar o resto.

Observar que o caso extremo de uma guerra entre pessoas humanas e pós-humanas não é o cenário mais provável não é dizer que não há preocupações sociais legítimas sobre os passos que podem nos levar mais perto da pós-humanidade. Desigualdade, discriminação e estigmatização – contra ou em nome de pessoas modificadas – podem se tornar problemas sérios.

Isso nos leva a outra questão. O transhumanismo e o desenvolvimento espiritual não deveriam andar de mãos dadas? As pessoas aprimoradas serão melhores seres vivos, se seus pensamentos, desejos e emoções ainda são os mesmos? Viver por mais tempo não garante que uma pessoa tenha padrões morais e éticos mais altos, ou todos nós somos seres espirituais vestidos com trajes bio-corporais, como disse um professor?

O transhumanismo é um assunto controverso e estamos lidando com o futurismo. Não sabemos se os pós-humanos serão uma realidade, mas já dissemos o mesmo sobre muitas outras invenções antes. Muitos conceitos de ficção científica estão surgindo lentamente no mundo real, hologramas e realidade virtual, apenas para mencionar alguns.

Atualmente, o transhumanismo levanta mais questões do que respostas. Vale a pena lutar por isso?

(Fonte)


Há quem dia que as entidades alienígenas que nos visitam possam ser “seres aprimorados”, talvez até uma mistura de seres biológicos e máquina, ou mesmo uma Inteligência Artificial que eliminou seus criadores biológicos.

Seria este um passo evolucionário pelo qual todos os seres sencientes/sapientes devem passar?

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

Termos recém pesquisados por leitores: