web analytics

Astrônomos conseguem olhar diretamente um exoplaneta graças à uma nova técnica de telescópio

Tempo de leitura: 2 minutos

Os cientistas observaram diretamente um exoplaneta de uma maneira totalmente nova, graças a um instrumento no Interferômetro do Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul.

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

Astrônomos conseguem olhar diretamente um exoplaneta graças à uma nova técnica de telescópio 1
Conceito artístico do exoplaneta HR8799e. Ilustração: ESO / L.

Os telescópios são mais do que lentes e espelhos – eles são avançados detectores de radiação eletromagnética projetados para superar os muitos desafios de observar objetos muito distantes. Os exoplanetas são especialmente difíceis de serem visualizados, pois são milhares de vezes mais escuros que as estrelas que orbitam. O novo tipo de observação, que utiliza a interferometria óptica com o instrumento GRAVITY, é outra ferramenta importante, pois pode medir diretamente a luz dos exoplanetas, em vez de se basear em como eles mudam a luz das estrelas que orbitam.

“É uma conquista técnica para nós”, disse o primeiro autor do estudo, Sylvestre Lacour, líder da equipe e pesquisador do Observatório de Paris – PSL, do CNRS. “Fizemos algo que ninguém pôde fazer antes.”

Os pesquisadores observaram o HR 8799e, um jovem exoplaneta parecido com Júpiter orbitando uma estrela brilhante chamada HR 8799, 39,4 parsecs (128,5 anos-luz) de distância. Não é um exoplaneta recém-descoberto, mas é a primeira vez que os cientistas observam qualquer exoplaneta usando interferometria óptica. Seus resultados são publicados em Astronomia e Astrofísica.

HR 8799 diretamente observado pelo VLT (mas não usando Interferometria Óptica).

A interferometria óptica é semelhante a outras formas de interferometria. Os pesquisadores fizeram observações simultâneas de luz visível, usando os quatro telescópios de 8 metros do Chile e alinharam as observações mais tarde. É semelhante a construir um espelho maior para coletar luz em uma câmera central, mas em vez de espelhos refletindo a luz em um lugar, eles estão reunindo fisicamente a luz de quatro diferentes telescópios graças ao instrumento GRAVITY.

Os resultados apresentaram algumas surpresas: O HR 8799e contém mais monóxido de carbono que metano, o que foi inesperado com base em cálculos de química. Lacour disse que talvez os ventos verticais do planeta estivessem impedindo a ocorrência de reações químicas formadoras de metano.

Algumas notas: não, isso não significa que agora podemos visualizar diretamente a luz óptica de um exoplaneta, já que esse método não produz imagens bonitas, mas, em vez disso, coleta dados em uma espécie de espectro matematicamente transformado… Além disso, ainda não temos a capacidade de observação para procurar por bioassinaturas, sinais de que a vida alterou a atmosfera de um planeta, embora seja improvável que um planeta semelhante a Júpiter possa conter tais assinaturas.

Ainda assim, é uma observação empolgante para a equipe – uma nova ferramenta com a qual observar os exoplanetas, que poderia levar a novas descobertas importantes.

(Fonte)


Lentamente vamos evoluindo nossa tecnologia observacional de exoplanetas, cuja missão mais crítica é a de descobrir em quais planetas a vida já se instalou.

Porém, como a história tem nos mostrados seguidamente, mesmo se os astrônomos encontrarem provas de vida em qualquer lugar fora da Terra, eles serão imediatamente contestados por seus próprios colegas, infelizmente.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

Termos recém pesquisados por leitores: