web analytics

Importante astrônomo diz que ETs podem ser uma “IA mega-estranha”

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.
Ouça este artigo...

O principal astrônomo do Reino Unido alerta os cidadãos britânicos que se e quando encontrarmos vida alienígena, esta pode ser mais bizarra – leia-se: mais artificialmente inteligente – do que alguma vez poderíamos ter imaginado.

Importante astrônomo diz que ETs podem ser uma "IA mega-estranha"
Lord Martin Rees – astrônomo real do Reino Unido. Crédito: Roger Harris, CC BY 3.0 https://creativecommons.org/licenses/by/3.0, via Wikimedia Commons

Num artigo para a BBC, o astrônomo real britânico Lord Martin Rees afirma que não é estranho considerar a existência de alienígenas de Inteligência Artificial – IA, dado que nós, humanos, estamos entrando numa era de IA.

Explicou o astrônomo nomeado pela Coroa:

“Nós, seres humanos, podemos estar perto do fim da evolução darwiniana – já não é necessário que nos tornemos os mais aptos para sobreviver – mas a evolução tecnológica de mentes artificialmente inteligentes está apenas começando. Pode demorar apenas mais um ou dois séculos até que os humanos sejam ultrapassados ​​ou transcendidos pela inteligência inorgânica.”

Rees continua:

“Se isso acontecer, nossa espécie teria sido apenas um breve interlúdio na história da Terra antes que as máquinas assumissem o controle.”

Alienígenas de carne osso

Embora muitas vezes imaginemos os extraterrestres como humanoides, ou pelo menos de carne e osso, há uma boa chance de que eles possam ser “mais artificiais”, afirma o lorde britânico, o que “poderia explicar porque o cosmos parece tão vazio de vida similar à nossa“.

Se a inteligência não orgânica é a forma como as coisas funcionam no Universo, os nossos telescópios feitos pelo homem “seriam muito improváveis” de encontrar vestígios de vida como a nossa, argumenta Rees.

Ele acrescenta:

“Talvez seja mais provável que os alienígenas sejam a progênie eletrônica remota de outras criaturas orgânicas que existiram há muito tempo.”

É uma afirmação ousada, e parece que Rees já fez isso antes – e recentemente também.

Em junho, o astrônomo real publicou um artigo de opinião semelhante na Scientific American que assumiu uma posição de IA sobre o famoso paradoxo de Fermi, no qual, ao discutir a vida extraterrestre em 1950, após ver uma tirinha do New Yorker de alienígenas roubando latas de lixo de Nova Iorque, o físico Enrico Fermi perguntou: “Onde estão todos?

Como Rees sustentou naquele editorial anterior, a resposta a essa pergunta diabolicamente simples pode não ser um efeito de “grande filtro” que impede a existência de outros tipos de vida, mas sim que outras civilizações são muito mais inteligentes artificialmente do que a nossa.

É uma abordagem interessante, para dizer o mínimo, especialmente porque, apenas algumas semanas antes, um pesquisador muito menos famoso sugeriu que a própria IA poderia ser o “grande filtro” que todos esperávamos.

Se existem alienígenas de IA por aí, afirma Rees, é quase certo que não temos a tecnologia para detectá-los – isto é, se eles quiserem ser encontrados.

Rees concluiu:

“Talvez tudo o que existe lá fora não evolua por seleção darwiniana: seria o que chamo de ‘design inteligente secular’, que é um pouco como máquinas que projetam máquinas melhores. E embora possa não nos transmitir a sua existência, pode ser encontrado em todo o Universo.”

(Fonte)


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code