web analytics

Deus é um cientista avançado?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Ouça este artigo...

Por Avi Loeb
Num novo podcast com Fidias Panayiotou e Bernardo Kastrup, preocupei-me com a perda de curiosidade crua entre os cientistas que evitam riscos para proteger a sua reputação. Sem estudar as anomalias, nunca recuperaríamos pistas inesperadas. Sem permitir o inesperado, nunca aprenderíamos algo novo. Evitar riscos é uma receita para permanecermos ignorantes sobre as facetas da realidade que nos faltam.

Deus é um cientista avançado?
Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/playgroundai.com

A curiosidade é um pré-requisito para coletar evidências extraordinárias. O inesperado não seria percebido sem olhar para o lado. Os cientistas devem seguir um caminho não percorrido para encontrar frutos ao alcance da mão que nunca foram colhidos. Sem levar em conta anomalias, um cientista nunca faria descobertas extraordinárias.

É da natureza humana ignorar os desviantes do sistema de crenças existente. Um valor atípico que não pode ser ignorado incomoda os especialistas porque sugere que eles ainda precisam aprender alguma coisa. Isto leva a sentimentos como o expresso por um especialista em sistema solar: “`Oumuamua é tão estranho, gostaria que nunca tivesse existido!” A mente de um iniciante teria dito: “É emocionante que `Oumuamua seja tão estranho; eu gostaria de aprender mais sobre isso!

Na realidade, as anomalias do `Oumuamua desencadearam uma série de artigos que tentaram explicar a sua forma extrema ou a sua aceleração não gravitacional. Poderá a ciência ser salva de uma mentalidade da “idade da pedra”, em que todos os objetos interestelares devem assemelhar-se às pedras do sistema solar? Se os especialistas do sistema solar estivessem dispostos a considerar evidências sobre o primeiro meteoro interestelar reconhecido, o IM1, poderiam ter escrito o novo artigo que publiquei sobre a sua origem com Morgan MacLeod esta semana.

A Inteligência Artificial (IA) pode salvar-nos de varrer as anomalias para debaixo do tapete porque não herda a nossa tendência psicológica de ignorar as anomalias. Os computadores são feitos de chips de silício e não de carne e osso.

No final de sua vida, Stephen Hawking só conseguia mover os músculos da bochecha. No meu novo livro, Interestelar, defino o “limite Hawking” como pensamentos humanos sem um corpo biológico funcional. Quando Hawking me visitou em Harvard em 2016, não havia dúvida de que ele era humano, apesar das suas graves deficiências físicas. Após um evento noturno, ele sugeriu através de seu dispositivo gerador de fala: “Estou entediado. Vamos ao bar do hotel e nos divertir.

Se os sistemas avançados de IA conseguissem atingir o limite de Hawking, poderiam exibir as qualidades mentais dos cientistas sem ter um corpo biológico funcional. Um sistema de IA que imite o cérebro de Hawking pode representar um cientista avançado.

Se uma civilização extraterrestre tivesse uma vantagem inicial em relação à humanidade porque a sua estrela hospedeira se formou muito antes do Sol, eles poderiam ter desenvolvido cientistas IA-Hawking que resolveram até agora enigmas científicos com os quais ainda estamos lutando, como: “Qual é o significado da realidade na mecânica quântica? Como a mecânica quântica e a gravidade de Einstein são unificadas? O que precedeu o Big Bang? O que acontece dentro de um buraco negro? Qual é a natureza da matéria escura e da energia escura?

Talvez não compreendamos a realidade quântica porque não a entrelaçamos corretamente com a gravidade. Se o IA-Hawking nos levar à terra prometida, seremos capazes de calcular o que aconteceu antes do Big Bang e o destino da matéria dentro de um buraco negro.

Cientistas avançados poderiam descobrir a receita para criar um universo bebê. Nesse caso, as crenças religiosas numa entidade sobre-humana serão igualadas por cientistas avançados que sabem como produzir um universo à vontade, como Deus no livro do Gênesis. Ao encontrar seus produtos, sentiríamos admiração religiosa. Esta não seria a sensação de viver numa simulação, mas sim de viver numa realidade física criada por outros, semelhante a habitar um apartamento num edifício desenhado por arquitetos e realizado por operários da construção civil.

Em outras palavras, os cientistas avançados podem ser candidatos qualificados para a descrição do trabalho de Deus.

Gênesis 1:27 postula que Deus criou a humanidade à sua própria imagem. Atualmente, os humanos estão criando IA à sua imagem, inspirados no conceito de “O Jogo da Imitação” de Alan Turing – proposto em seu artigo de 1950 intitulado “Computer Machinery and Intelligence”. Eventualmente, cientistas avançados de IA poderão se tornar Deus. Em vez de seguir o ciclo da vida em Gênesis 3:19: “do pó ao pó”, poderíamos cumprir a transformação inspiradora: “de Deus para Deus”.

Um atalho para descobrir o nosso futuro científico é procurar os produtos dos cientistas que nos precederam entre as estrelas. Esta é a descrição do meu trabalho. No início desta semana, fui a um shopping center local para substituir meu iPhone pela primeira vez em quatro anos desde o início da pandemia de Covid-19. Poucos minutos depois de entrar na loja da Apple, um homem se aproximou de mim e perguntou: “Você é Avi Loeb?” Ele tirou uma selfie e disse: “Obrigado por seguir o caminho que não foi trilhado em sua pesquisa”. Felizmente, alguém concorda com minha mensagem.


Avi Loeb é o chefe do Projeto Galileo, diretor fundador da Iniciativa Black Hole da Universidade de Harvard, diretor do Instituto de Teoria e Computação do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica e ex-presidente do departamento de astronomia da Universidade de Harvard (2011) –2020). Ele preside o conselho consultivo do projeto Breakthrough Starshot e é ex-membro do Conselho Presidencial de Consultores de Ciência e Tecnologia e ex-presidente do Conselho de Física e Astronomia das Academias Nacionais. Ele é o autor do best-seller “Extraterrestrial: The First Sign of Intelligent Life Beyond Earth” e coautor do livro “Life in the Cosmos”, ambos publicados em 2021. Seu novo livro, intitulado “Interstellar”, foi publicado em Agosto de 2023.

(Fonte)


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code