web analytics

Cabo de guerra sobre objeto interestelar recuperado no Pacífico

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.
Ouça este artigo...

Foi comemorado como um triunfo científico de importância histórica – a recuperação de um fundo marinho tropical remoto do que poderiam ser fragmentos de tecnologia alienígena. Mas agora as autoridades em Papua Nova Guiné acusaram os cientistas estrangeiros por trás da descoberta de “trapacear” seu país depois de removerem vestígios de um misterioso meteoro sem obter licenças de pesquisa científica.

Cabo de guerra sobre objeto interestelar recuperado no Pacífico
Acredita-se que as esférulas – minúsculas esferas metálicas medindo não mais que 0,7 mm de diâmetro – sejam feitas de uma liga metálica que não é do nosso sistema solar. EYOS EXPEDITIONS

No mês passado, o professor Avi Loeb, astrofísico de Harvard, anunciou que sua equipe recuperou com sucesso fragmentos do IM1, um meteoro que mergulhou na atmosfera da Terra em janeiro de 2014, terminando no mar da ilha de Manus, 420 quilômetros ao norte de Papua Nova Guiné. Por causa de sua resistência e da velocidade com que viajava, Loeb acredita que pode ser “de origem tecnológica” – em outras palavras, os restos de uma sonda ou espaçonave criada por uma civilização alienígena.

Outros cientistas consideram tal especulação prematura, na melhor das hipóteses, mas Loeb escreveu entusiasmado sobre a possibilidade de ganhar o Prêmio Nobel e reservou a enorme tela de vídeo na Times Square de Nova Iorque para fazer um anúncio se as evidências confirmarem sua teoria.

Em Papua Nova Guiné, no entanto, há perplexidade e indignação pelo fato de sua equipe ter contornado os canais convencionais de licenciamento e removido os fragmentos do meteoro sem um acordo claro sobre os benefícios que uma descoberta científica poderia trazer ao país.

George Penua Polon, vice-administrador da província de Manu, disse:

“Fomos enganados. Eles chegaram aqui, ninguém sabia e agora sumiram. O que eles encontraram? Tem valor? Temos direitos sobre isso? Se for pesquisa científica, como nossas instituições científicas vão se beneficiar?”

O meteoro, do tamanho de uma pia de cozinha, entrou na atmosfera em 8 de janeiro de 2014 e foi detectado por satélites espiões americanos. Ao consultar leituras sismográficas feitas em Manus, Loeb e sua equipe reduziram o ponto estimado em que ele entrou no mar e passaram duas semanas no mês passado arrastando o fundo do mar com um trenó magnético que atraiu partículas metálicas da areia e da lama.

Entre eles encontraram 50 esferulas – contas metálicas de 0,1 mm a 0,7 mm de diâmetro – que se acredita serem do meteoro, que agora estão sendo analisadas nos Estados Unidos. Mesmo que não sejam os restos de uma espaçonave alienígena, o fato do meteoro se originar de fora do sistema solar da Terra é em si muito importante.

Amir Siraj, um dos colaboradores de Loeb, escreveu na revista Scientific American:

“A descoberta de material de um meteoro interestelar seria uma enorme conquista científica. Para contextualizar, uma estimativa otimista do tempo que levaria para obter uma amostra semelhante do sistema estelar mais próximo é comparável à idade de nossa espécie. Por outro lado, a natureza pode ter entregado um presente interestelar à nossa porta cósmica, que levamos menos de uma década para recuperá-lo.”

Mas permanece a alegação de que a equipe de Loeb evitou os procedimentos necessários para realizar esse trabalho. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisa de Papua Nova Guiné, o órgão oficial que coordena as solicitações de pesquisa de cientistas estrangeiros e ajuda a obter as permissões necessárias dos departamentos governamentais, a equipe de Loeb não os contatou. Os membros da equipe entraram no país com vistos de negócios, em vez do visto de isenção especial emitido para cientistas. De acordo com Polon, o departamento de assuntos oceânicos do escritório do procurador-geral ainda estava processando um pedido da equipe mesmo depois de terem retornado aos EUA.

Rob McCallum, um experiente explorador oceânico e líder da expedição, disse que a equipe solicitou uma autorização de pesquisa em ciências marinhas, mas que tal documento não cobre a recuperação de material do espaço. Ele disse que a equipe então apresentou um documento ao gabinete de Papua Nova Guiné e foi encaminhado à Universidade de Tecnologia de PNG, um dos cientistas que acompanhou a expedição.

McCallum disse:

“Este é um projeto único. O objetivo é localizar, recuperar e estudar material que literalmente caiu do céu. Os procedimentos de licenciamento atuais concentram-se na extração de material biológico ou geológico existente, o que não é o caso. Esta pesquisa recuperou grãos de areia que são de fora da área/PNG/Terra e não têm valor econômico ou comercial conhecido.”

Mas Wilson Thompson, do PNG National Research Institute, disse que esse não era o ponto:

“Pode não ter valor econômico, mas tem valor cultural e intelectual. Faz parte da história do nosso país. Se [uma nave alienígena] caísse em Papua Nova Guiné, seria notável e muito significativo para nós.”

McCallum não foi capaz de dizer imediatamente quem decidiu que a equipe não precisava receber uma autorização formal. Seja qual for a resposta, outros ramos do governo não foram informados. Um alto funcionário do departamento de imigração sugeriu que os cientistas poderiam ter infringido a lei removendo “objetos raros” do país sem notificar as autoridades.

Ele disse:

“Pode ser ilegal, Portanto, esses cientistas podem ser acusados ​​criminalmente.”

Uma breve história das descobertas interestelares

No final de setembro de 1969, o professor John Lovering, professor de geologia na Universidade de Melbourne, deveria aparecer em um programa de atualidades nos estúdios da ABC TV (escreve Tom Whipple). Ele tinha acabado de voltar dos Estados Unidos com amostras de rochas lunares e estava no estúdio para falar sobre isso. Antes de continuar, um jornalista o presenteou com um saco plástico contendo um fragmento de um meteoro que acabara de explodir sobre Murchison, duas horas ao norte de sua localização. Ele o abriu e sentiu o cheiro inconfundível de compostos orgânicos complexos. Aqui estava um meteorito fresco e não contaminado, 2,5 bilhões de anos mais velho que o Sol, contendo os blocos de construção da vida. Lovering foi ao programa e falou sobre essa descoberta.

Ele disse:

“No que me diz respeito, o meteorito era mais importante do que a rocha lunar com a qual eu voltaria naquele mesmo dia.”

Em 1970, o HMS Challenger partiu para uma das maiores expedições científicas da história. O objetivo era pesquisar os oceanos do mundo, encontrando novas espécies e fenômenos desconhecidos. Dragando no meio do Pacífico, a tripulação encontrou um punhado contínuo de esferas de ferro. Lá, longe da costa, havia pouca vida e quase nenhum sedimento. De onde vieram as esférulas? O cientista-chefe da Challenger declarou com confiança que havia apenas uma resposta: o espaço. Ele estava certo. Sabemos agora que estamos sob uma chuva constante de micrometeoritos, um dilúvio diário com uma massa que supera o tipo macro. Mas foi preciso ir até o meio do oceano para localizá-los.

Tutancâmon morreu no final da Idade do Bronze. Ele vivia em um mundo em que os exércitos do império egípcio tinham suas armas fundidas em uma mistura de cobre e estanho. No entanto, ele foi enterrado ao lado de uma adaga de ferro. Como? As grandes fornalhas necessárias para fundir o ferro ainda não eram comuns, nem a mineração. Na década de 1960, o metal foi testado e os arqueólogos tiveram uma resposta. O ferro não veio do chão. Veio do céu – de um meteoro.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar. Cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

As doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês!

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code