web analytics

Por que o contato extraterrestre diz tanto sobre Deus?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 5 min.

O romance de Carl Sagan é uma inesperada lição de fé.

Por que o contato extraterrestre diz tanto sobre Deus?
Crédito da imagem ilustrativa: leonardo.ai

Por Jaime Green
Carl Sagan disse certa vez:

“Como eu imagino, haverá uma mensagem de várias camadas. Primeiro há um farol, um sinal de anúncio, algo que diz: Preste atenção. Este não é um fenômeno astronômico natural. Este é um sinal de seres inteligentes … Então, a próxima camada é aquela que diz: Esta mensagem é dirigida especificamente a vocês na Terra. Não é direcionado a mais ninguém. E a terceira parte da mensagem é o conteúdo real, que é um conjunto muito complexo de dados em um novo idioma, que também é explicado.”

Ele estava descrevendo seu romance, Contato, uma resposta de cerca de 370 páginas, literalmente ou em espírito, para todas as perguntas que podemos fazer sobre como encontrar inteligência alienígena. Sim, há conflitos e mais conflitos – atos de terrorismo, obstrução do governo, frustração, perda e morte – mas, em sua essência, a história promete um cosmos convidativo. Uma porta se abrindo para uma comunidade galáctica. Não estamos apenas sozinhos, mas também somos bem-vindos. Essa esperança é central para as origens idealistas da busca por inteligência extraterrestre (SETI), para as motivações de Sagan como cientista e comunicador. Também torna especialmente estranho que o romance termine com sua heroína encontrando provas de que Deus é real, mas chegaremos lá.

A heroína de Contato é Eleanor Arroway, uma pesquisadora da SETI cujo observatório recebe um sinal vindo da estrela Vega. É uma sequência de números primos, indiscutivelmente antinatural. Sob o farol dos números primos, o sinal é decodificado para ser uma retransmissão do discurso de Hitler nas Olimpíadas de 1936 – a primeira transmissão da Terra feita em uma frequência alta o suficiente para atravessar a atmosfera. (Enviar Hitler de volta para nós acabou significando Oi, recebemos sua transmissão, mas certamente é alarmante no início.)

Enterrado sob esse vídeo está o que veio a ser chamado de Mensagem, que contém instruções para construir uma Máquina. Ninguém sabe o que esperar quando a Máquina for lançada na véspera de Ano Novo em 1999. Para observadores externos, ela gira por 20 minutos e depois para; mas os viajantes a bordo – incluindo Ellie – experimentam uma viagem muito mais longa através de uma série de buracos de minhoca até o centro da galáxia, onde os remetentes da Mensagem aguardam.

Hoje em dia, os pesquisadores SETI oferecem possibilidades muito menos fantásticas, reformulando sua busca não como uma busca por mensagens ou sinais, mas por assinaturas tecnológicas – como esferas de Dyson ou um sinal de rádio vazando de um transmissor alienígena. Mas Sagan e sua geração dos primeiros pioneiros SETI também estavam procurando uma Mensagem com M maiúsculo em suas vidas não ficcionais.

A SETI como disciplina científica nasceu após a Segunda Guerra Mundial, no alvorecer da Guerra Fria. A humanidade estava recentemente possuída do poder de se destruir verdadeiramente, e a detonação de duas bombas atômicas na guerra não tirou nossos dedos do botão. Um sinal de uma civilização alienígena avançada seria a prova de que civilizações avançadas poderiam existir, poderiam sobreviver ao seu próprio poder tecnológico e prosperar. E talvez, esperavam Sagan e seus colegas, quem quer que estivesse lá fora soubesse que um poder tecnológico nascente precisava de ajuda, na forma de tecnologia ou conselho ou algo que nem poderíamos imaginar.

Em Contato, a Máquina e a viagem que seus passageiros fazem não são o bote salva-vidas. O bote salva-vidas é a construção da Máquina na Terra.

Sagan escreve:

“Em um mundo que experimenta cautelosamente grandes desinvestimentos de armas nucleares e seus sistemas de entrega, a Mensagem foi tomada por populações inteiras como um motivo de esperança. Durante décadas, os jovens tentaram não pensar muito no amanhã. Agora pode haver um futuro benigno, afinal. A Mensagem é o glacê — bastaria apenas saber que alguém está por aí.”

Jill Tarter, a cientista do instituto SETI em quem Ellie Arroway às vezes se baseia, acredita que o SETI também oferece esperança de que o poder está na busca, não na descoberta.

Ela me disse:

“Nossa capacidade de fazer essas buscas tem o efeito de erguer um espelho para um ser humano e dizer: Olhe naquele espelho. Comparado com qualquer outra coisa lá fora, vocês são todos iguais. Nós, humanos, somos todos iguais.”

Quer nosso medo iminente seja o inverno nuclear, a mudança climática ou algum outro fim civilizacional, esperamos que algo ou alguém nos tire de nossa inação.

Ann Druyan chama isso de que o SETI pode nos dar “autoestima humana”. Druyan foi casado com Sagan de 1981 até sua morte em 1996, e ela me disse que, entre suas muitas colaborações, ela co-escreveu Contato. (Apenas o nome de Sagan apareceu no livro, mas Druyan está listado como produtora do filme Contato e creditada ao lado de Sagan pela história.) A “autoestima humana” de Druyan, aquela iluminação efêmera, está no coração de Contato, mais significativa no final do que avanços tecnológicos ou viagens cósmicas.

Durante a jornada de Ellie na Máquina, os alienígenas dão a ela quase tudo o que ela poderia esperar, exceto provas de sua história para trazer de volta à Terra. Ellie quer um gostinho de informação sobre o cosmos, os alienígenas, tudo o que ela não sabe. Mas o que os alienígenas realmente oferecem é um espelho. Isso é o que Sagan também oferece ao leitor, esperando que uma fração do que o contato real pode fazer para a humanidade possa ser comunicada por meio da ficção.

O alienígena diz:

“Vocês, humanos, têm um certo talento para a adaptabilidade – pelo menos a curto prazo.”

Mas, ele admite:

“Você pode ver que, depois de um tempo, as civilizações com perspectivas apenas de curto prazo simplesmente não existem. Elas também traçam seus destinos.”

Não é uma previsão sombria, mas um aviso. E o alienígena também oferece inspiração a Ellie, com uma visão do vasto trabalho que as civilizações antigas são capazes de fazer em todo o universo. Ele conta a ela sobre um coletivo de muitas galáxias que engendra o cosmos.

Ele diz:

“Você não deve pensar no universo como um deserto. Não é assim há bilhões de anos. Pense nisso mais como… cultivado.”

Mas mesmo esses jardineiros e arquitetos não são os seres mais poderosos ou mais antigos do universo.

Sempre precisa haver alguém mais velho ou mais poderoso, ao que parece. Algum mistério. O Star Maker (Criador de Estrelas) atrás da cortina. Os construtores que, há bilhões de anos, fugiram para não se sabe para onde, se é que se aplica. Ficamos com artefatos e pistas, fragmentos de mensagens e maravilhas.

Ellie pede ao alienígena que conte a ela sobre seus mitos e religiões:

“O que te enche de admiração? Ou seriam aqueles que fazem o numinoso incapazes de senti-lo?”

E então ele conta a ela sobre pi. E é aqui, parece-me, que nos dizem que Deus existe. O alienígena diz a Ellie que há uma mensagem em binário escondida em pi e, quando ela volta para a Terra, define um algoritmo para decifrá-la. Já na última página do romance, seu computador encontra uma anomalia no pi quando expresso na base 11, uma sequência de uns e zeros que, quando impressa em uma grade, revela um círculo perfeito:

“A galáxia foi feita de propósito, dizia o círculo.”

À primeira vista, acho extraordinariamente estranho que Contato, um livro sobre o poder da investigação científica como fonte de admiração e autodescoberta, termine com a prova de que Deus é real. Não o Deus de Jesus ou Abraão ou qualquer outro, mas algum criador, algum Criador de Estrelas que incorporou uma mensagem na matemática. A jornada de Ellie, embora ela seja ateia, é de fé – sua pesquisa SETI é motivada por uma crença em algo maior além da Terra; ao retornar, ela não tem nenhuma prova além da experiência da viagem.

Mas talvez a fé no numinoso por meio de contato alienígena não seja tão distinta da prova da criação intencional do universo.

Druyan me disse:

“São as leis do universo como uma espécie de coisa santa e sagrada … Não punitivo, não crítico, não dizendo a você o que comer ou quem amar. Mas a ideia de que as leis deste universo são conhecíveis… Há algo sagrado em descobrir essas leis.”

Ao expandir nosso senso de abrangência do mundo, a ficção científica e a fantasia “têm a mesma função central que o mito e a teologia”, escreve Ryan Calvey em sua tese de doutorado, “Transcendent Outsiders, Alien Gods, and Aspiring Humans”.

Como aponta o antropólogo John Traphagan:

“Não é por acaso que o SETI surgiu em um contexto cultural fortemente moldado pelo cristianismo e suas suposições inerentes sobre a existência de um ser superior.”

Em Contato, o alienígena oferece a Ellie não apenas conhecimento e informação, mas uma atenção benevolente focada na humanidade, oferecendo-nos um pequeno empurrão na direção de uma sobrevivência pacífica. Mesmo que nossa visão de mundo não inclua Deus, queremos ser capazes de nos ver através de seus olhos, para contextualizar, para obter informações, mas também para saber que estamos bem.

Apesar de nossas décadas de tecnologia e séculos de civilização, somos crianças aos olhos desses seres. Mas há algo reconfortante nisso; é o mesmo que eu ainda querer minha mãe quando estou doente. Se somos crianças, nossos erros são apenas o caminho confuso do aprendizado; se somos crianças, os adultos ainda podem vir ajudar. Não queremos que essa versão violenta, gananciosa e sofredora da humanidade seja nossa forma final. Forasteiros transcendentes nos dão esperança e, esperançosamente, orientação. Mas apenas saber que eles estão por aí – e que estão vindo em nossa direção – pode ser o suficiente para mudar o mundo.

Este artigo foi extraído do novo livro de Jaime Green, “The Possibility of Life: Science, Imagination, and Our Quest for Kinship in the Cosmos” (“A Possibilidade da Vida: Ciência, Imaginação e Nossa Busca por Parentesco no Cosmos”, em tradução livre).

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Danilo Tercariol ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code