web analytics

Christopher Mellon se manifesta quanto aos abates de OVNIs

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 7 min.

Christopher Mellon, que passou quase 20 anos na Comunidade de Inteligência dos EUA e é um dos responsáveis pelo atual movimento para o “desacobertamento” dos OVNIs nos EUA, posta em seu blog um parecer sobre os recentes eventos de “OVNIs” sendo abatidos pela Força Aérea dos EUA:

(Obs.: Onde se lê UAPs, leia-se OVNIs)

Christopher Mellon se manifesta quanto aos abates de OVNIs
Christopher Mellon faz declaração para a imprensa e público sobre os recentes eventos.

É importante que o público entenda o contexto mais amplo dos eventos dos últimos 10 dias envolvendo o abate de objetos não identificados no espaço aéreo dos Estados Unidos e Canadá.

Resumidamente, esses incidentes de UAPs relatados são apenas uma pequena parte de uma falha muito maior por parte da Comunidade de Inteligência dos EUA. Considere o seguinte:

Em 4 de outubro de 2017, Luis Elizondo renunciou ao cargo na equipe do Secretário de Defesa em protesto pela falha em relatar ou investigar UAPs violando o espaço aéreo restrito dos EUA. Isso ocorreu depois de passarmos meses trabalhando para alertar altos funcionários e levá-los a agir em relação aos UAPs que violavam o espaço aéreo militar restrito. A maioria dessas incursões não eram objetos lentos e voando alto, mas naves operando em velocidades muito mais altas em altitudes muito mais baixas e muito mais próximas das forças e instalações dos EUA. Notavelmente, muitos desses objetos pareciam exibir características de desempenho muito mais impressionantes e preocupantes do que qualquer um dos objetos recentemente derrubados pela Força Aérea dos EUA.

Em sua carta, Elizondo afirmou:

“Apesar das evidências esmagadoras nos níveis não classificados e classificados, certos indivíduos no Departamento permanecem firmemente contrários a novas pesquisas sobre o que poderia ser uma ameaça tática a nossos pilotos, marinheiros e soldados, e talvez até mesmo uma ameaça existencial à nossa segurança nacional.”

Histórico

Frustrado e preocupado com o fato dessa informação vital estar sendo ignorada e sem saber mais o que fazer, entrei em contato com o New York Times e forneci a eles os agora famosos vídeos “Flir” e “Gimbal”, além de apresentar os repórteres ao Sr. Elizondo. Na minha opinião, o que estava ocorrendo lembrava elementos de Pearl Harbor e de 11 de setembro de 2001: aeronaves não identificadas estavam sendo detectadas, mas nenhuma informação de alerta estava sendo enviada à cadeia de comando. Ao mesmo tempo, ficou claro que cada um dos serviços e muitas das agências de inteligência tinham informações sobre UAPs que não compartilhavam entre si (por exemplo, NRO, DIA, CIA, NGA, NSA, Exército, Marinha, Força Aérea, DOE, etc).

Quando a história do New York Times de 16 de dezembro de 2017 não conseguiu enervar o Congresso a se envolver no assunto, entrei em contato com alguns ex-colegas da equipe dos Comitês de Inteligência e Serviços Armados do Senado, apresentando-os ao Sr. Elizondo. Posteriormente, facilitamos as apresentações a um punhado de bravos aviadores da Marinha dos EUA dispostos a falar, incluindo o comandante Dave Fravor e o tenente Ryan Graves e a tenente Alex Dietrich, que foram capazes de fornecer testemunhos convincentes em primeira mão sobre a extensão do problema UAP. A Marinha foi notavelmente prestativa, enquanto a Força Aérea permaneceu notavelmente inútil, se não hostil, às investigações sobre o assunto.

A extensão da atividade UAP sobre o espaço aéreo militar restrito revelada pelos aviadores da Marinha foi impressionante. O tenente Graves indicou que ele e seus colegas encontraram UAPs quase todas as vezes que conduziram treinamento em espaço aéreo restrito na costa leste dos Estados Unidos, não muito longe dos principais centros populacionais dos EUA e da região do Capitólio Nacional. A atividade foi tão prolífica que sinais foram colocados em uma base da Marinha alertando os aviadores sobre o potencial de colisões no ar com essas aeronaves não identificadas. De fato, houve uma quase colisão no ar com um UAP que foi formal e oficialmente relatada. As informações posteriormente fornecidas ao Congresso reconhecem 11 quase colisões no ar com UAPs por aeronaves militares desde 2004.

As discussões com a equipe do comitê de Inteligência e Serviços Armados levaram a um pedido do Comitê de Inteligência do Senado para um relatório formal do DNI sobre a questão dos UAPs. A avaliação preliminar resultante entregue em junho de 2021 identificou 143 incidentes militares de UAPs desde 2004. Mais da metade dos incidentes foram validados por várias fontes. Embora um número impressionante, era apenas uma fração do total real. Temendo que isso pudesse prejudicar suas carreiras, relatar encontros com UAPs era, até muito recentemente, sempre a exceção e não a regra entre os militares. Mesmo entre a população civil, sabemos que 90% dos avistamentos de UAPs não são relatados. Notavelmente, os F-22 da USAF estavam operando nas mesmas áreas de treinamento que os aviadores da Marinha, mas, apesar de terem sistemas de sensores superiores, eles não estavam relatando UAPs que deveriam ter sido detectados por seus radares. Na verdade, a avaliação preliminar fornecida ao Congresso foi quase completamente desprovida de informações da Força Aérea dos EUA, apesar do fato de que a Força Aérea (como um departamento que também supervisiona a Força Espacial dos EUA) tem muito mais aeronaves e sistemas de sensores do que a Marinha, também como a responsabilidade de apoiar o NORAD. Entendo que o NORAD não incluiu no relatório ODNI nenhuma das milhares de “faixas não correlacionadas” que seus radares identificam a cada ano na América do Norte. Para ter certeza, a maioria são bandos de gansos ou aviões particulares com transponders com defeito, etc., mas também há casos mais sérios que a Força Aérea não relatou, incluindo, ao que parece agora, casos em que as Forças Aéreas dos EUA e/ou do Canadá enviaram aeronaves caça para interceptar UAPs.

Em maio passado, quando o Comitê de Inteligência da Câmara realizou uma audiência pública aberta sobre a questão dos UAPs, o número de relatórios oficiais UAP subiu para 400. Mais recentemente, o Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional apresentou um novo relatório não classificado sobre UAPs, indicando que conseguiu caracterizar 195 dos 510 incidentes de UAPs. No entanto, o número residual de incidentes UAP inexplicados permanece superior a 300, novamente não incluindo alvos não correlacionados do NORAD ou anomalias submarinas ou anomalias no espaço. Muitos de nós que pesquisamos a questão UAP acreditam que o governo possui dados sobre UAPs nos oceanos e no espaço que ainda não foram compartilhados com o Congresso ou o público.

À medida que os comitês de supervisão do Congresso começaram a ouvir mais testemunhas e a investigar mais pistas, suas preocupações aumentaram. Tanto é assim que no ano passado senadores e congressistas de ambos os partidos, tanto na Câmara quanto no Senado, se uniram para aprovar uma legislação verdadeiramente extraordinária no projeto de lei de defesa do ano passado. É para seu grande crédito que os membros o tenham feito de forma totalmente bipartidária, apesar do estigma e da zombaria persistentes em torno do tópico do que uma vez chamamos de OVNIs.

Esta é indiscutivelmente a maior história que as organizações de notícias tradicionais já falharam em cobrir. Entre outras coisas, esta legislação totalmente bipartidária:

1. Fornece autoridades e recursos bastante aprimorados para o ‘Escritório de Resolução de Anomalias de Todos os Domínios’ ou ‘(AARO)’, que agora se reporta diretamente aos líderes do Departamento de Defesa e da Comunidade de Inteligência. O nome incomum da organização destina-se a esclarecer que seu alcance se estende a objetos anômalos, independentemente de sua localização (ou seja, terra, ar, submarino ou espaço).

2. Manda uma revisão de todos os documentos de inteligência envolvendo UAPs de 1945 até o presente.

3. Exige que o DoD, DHS e o IC identifiquem quaisquer acordos de não divulgação relacionados aos UAPs e os forneçam ao novo escritório do AARO.

4. Orienta o novo escritório do AARO a desenvolver um plano científico UAP para avaliar as capacidades às vezes misteriosas e alucinantes relatadas, bem como um plano de coleta para alavancar o vasto aparato de inteligência técnica da América para determinar de onde esses objetos estão vindo e suas capacidades e intenção. Essa investigação agressiva dos UAPs, usando os recursos de inteligência inigualáveis ​​da América, é precisamente o que é necessário para resolver o mistério dos UAPs.

5. Fornece um processo seguro para qualquer pessoa que tenha assinado um acordo oficial de sigilo do governo dos EUA relacionado aos UAPs para apresentar e revelar essas informações ao AARO e ao Congresso, independentemente do nível de classificação, sem medo de retaliação ou processo. Esta disposição destina-se a determinar a veracidade das alegações de longa data que indicam que o governo dos EUA recuperou tecnologia extraterrestre e talvez até mesmo seres extraterrestres. Como isso não é interessante? A suposta queda do UAP em 1947 perto de Roswell, Novo México, oferece o exemplo mais famoso, mas há muitos outros.

Se parece inacreditável que o Congresso aprove tal legislação, é apenas por causa da escassez de reportagens sobre a questão UAP pelos principais meios de comunicação. Os fatos evidentemente foram suficientes para fazer com que membros de ambos os partidos no Congresso se unissem para apoiar essas disposições inéditas. Os membros do Congresso não tomam essas ações levianamente. A falta de cobertura da mídia sobre a questão dos UAPs e a legislação UAP no Congresso está fazendo com que muitos vejam os incidentes dos últimos dias como algo repentino, novo e diferente, talvez até chocante, quando na verdade o Congresso, para seu grande crédito, tem estado ciente do problema nos últimos anos e tem tomado medidas extraordinárias para fazer com que a Comunidade de Inteligência e o DoD revelem o que sabem e investiguem diligentemente essas invasões prolíficas em alguns dos espaços aéreos restritos mais sensíveis do país (por exemplo, campos de teste, bases aéreas, instalações nucleares instalações, etc.)

Duvido muito que qualquer um dos objetos recentemente derrubados pela Força Aérea dos EUA tenha uma conexão extraterrestre. A maioria são provavelmente balões. No entanto, o objeto que supostamente interferiu com os caças americanos no Alasca é altamente incomum e pode ser uma plataforma de espionagem ou guerra eletrônica russa ou chinesa. Ou talvez, embora altamente improvável, uma sonda colocada por uma espécie alienígena. Embora a maioria dos UAPs provavelmente tenha explicações convencionais, alguns demonstram capacidades que parecem inexplicáveis ​​sem referência a uma nação ou civilização mais avançada.

Por mais surpreendente que a hipótese extraterrestre possa parecer, a ideia de máquinas inteligentes navegando nos oceanos do espaço não é nova nem surpreendente para muitos cientistas. Tenho o prazer de apoiar o Projeto Galileo de Harvard, por exemplo, liderado pelo Dr. Avi Loeb, que argumenta em seu livro Extraterrestrial que as propriedades incomuns do objeto interestelar Oumuamua são melhor explicadas pela hipótese de que era uma peça de hardware alienígena, talvez um objeto interestelar do tipo sonda.

Já na década de 1950, o brilhante cientista John Von Neumann postulou que civilizações avançadas poderiam enviar sondas auto-replicantes inteligentes para explorar a galáxia. Com bilhões de planetas potencialmente habitáveis ​​regados em uma sopa de moléculas orgânicas e energia por mais de 10 bilhões de anos, certamente há ampla oportunidade para numerosas civilizações avançadas implantarem máquinas inteligentes que não se importariam com o tempo que levariam para alcançar sistemas estelares distantes.

Em conclusão, desde a Segunda Guerra Mundial, houve centenas de milhares de relatórios civis de UAPs e centenas, senão milhares de relatórios militares também. É também um fenômeno global, como John Kirby reconheceu recentemente em uma coletiva de imprensa na Casa Branca.

Há muito tempo há relatos confiáveis ​​de objetos anômalos no ar, e se nosso governo tivesse afrouxado os filtros de radar cinco ou dez anos atrás, poderíamos ter visto tantas coisas estranhas em nossos céus quanto nos últimos dez dias. Além disso, drones e UAVs estão desempenhando um papel cada vez mais crítico na guerra na Ucrânia, como fizeram na vitória do Azerbaijão sobre a Armênia. Não podemos ignorar responsavelmente essas tendências. Devemos começar a olhar de forma mais ampla e investigar os UAPs com mais diligência. Já tivemos uma descoberta desagradável e podemos ter mais por vir, mas estamos melhores e mais seguros com isso.

A boa notícia é que a conscientização está aumentando em relação à questão dos UAPs e ainda não sofremos nenhum ato de agressão cinética ou hostilidade dos UAPs. O público deve ficar mais aliviado do que alarmado, pois finalmente estamos tomando as medidas necessárias para defender e controlar com mais eficácia o espaço aéreo dos EUA. Se um ou mais desses UAPs se revelarem alienígenas, essa revelação também pode funcionar em benefício de nossa espécie. Como Ronald Reagan uma vez opinou em frente à Assembleia Geral da ONU:

“As espadas não podem ser transformadas em arados? Podemos nós e todas as nações não viver em paz? Em nossa obsessão pelos antagonismos do momento, muitas vezes esquecemos o quanto une todos os membros da humanidade. Talvez precisemos de alguma ameaça externa e universal para nos fazer reconhecer esse vínculo comum.

Ocasionalmente, penso com que rapidez nossas diferenças mundiais desapareceriam se estivéssemos enfrentando uma ameaça alienígena de fora deste mundo. E, no entanto, eu pergunto a você, uma força alienígena já não está entre nós? O que poderia ser mais estranho às aspirações universais de nossos povos do que a guerra e a ameaça de guerra?”

Este pode ser um momento Sputnik para a América. O Sputnik levou à corrida espacial e, finalmente, ao nosso pouso na Lua. Também acabou levando à cooperação no espaço entre as principais potências do mundo. Acelerar nossos esforços para descobrir a verdadeira natureza dos UAPs está muito atrasado e, mais uma vez, tem a perspectiva de levar a avanços que beneficiam a humanidade.

(Fonte)

Colaboração: Marcelino Melo


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Paulo Sanchez ❤️ Edward Vaz Jr. ❤️ Jose Carlos Mamede ❤️ Sila Raposo ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta, portanto aja com responsabilidade.
  • O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com éticasempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code