web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Não descarte a hipótese de alienígena, diz Christopher Mellon

Tempo de leitura: 3 min.

Enquanto o tão esperado relatório não vem, Christopher Mellon, que foi um dos responsáveis por este movimento de desacobertamento dos OVNIs, deixou uma mensagem para todos em seu blog:

Não descarte a hipótese de alienígena, diz Christopher Mellon
Christopher Mellon

Os Estados Unidos têm as capacidades aeroespaciais mais avançadas de qualquer país e gastam mais do que o dobro em defesa do que a Rússia e a China juntas.

A Administração e o Congresso concordam que esses objetos não são aeronaves classificadas como secretas dos EUA.

No incidente Nimitz e em outros casos, alguns desses veículos foram observados fazendo coisas que não podemos replicar e não entendemos.

Registros oficiais dos EUA e de outros países indicam que este é um fenômeno global que vem ocorrendo desde pelo menos a 2ª Guerra Mundial e talvez por muito mais tempo.

Não temos razão para acreditar que muitos desses objetos sejam da Rússia ou da China e, de fato, parece improvável. Especialmente quando consideramos há quanto tempo esse fenômeno foi observado.

Consequentemente, a hipótese “não inventado aqui” é a única teoria atualmente consistente com os fatos conhecidos.

De qualquer ponto de vista, é mais provável que encontremos sondas do que sinais de ETs porque as sondas são muito mais seguras, mais eficientes e mais eficazes para fins de exploração espacial.

As capacidades radicais e a aparência misteriosa de alguns dos veículos observados são consistentes com o que esperaríamos de sondas ou naves de uma civilização espacial. Como Arthur Clarke notoriamente observou: “Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível da magia”.

Não há barreira científica para a viagem interestelar, mesmo que a viagem superluminal seja impossível. Meu avô nasceu antes dos irmãos Wright decolarem. Agora já existem várias nações com robôs em Marte e um consórcio liderado por Yuri Millner está projetando a primeira sonda para visitar outro sistema estelar. Uma civilização espacial, viajando a um quinto da velocidade da luz, levaria apenas uma pequena fração da idade da Via Láctea para explorar toda a galáxia.

Nosso governo deve estabelecer um painel autorizado inteligência e especialistas científicos para estudar esta questão. Os cientistas convencionais atualmente carecem de qualquer compreensão detalhada do fenômeno ou de sua longa história, nem compreendem a gama de recursos de sensores disponíveis para os EUA ou têm o conhecimento necessário para entender onde procurar dentro de nosso vasto aparato de segurança nacional em busca de respostas. Isso tem sido, de forma chocante, evidente nos últimos meses, com astrônomos expressando sua ignorância sobre o tópico UAP (OVNI), fazendo perguntas embaraçosas como “Se os OVNIs são reais, por que os pilotos comerciais nunca os veem?” e “Como é que apenas os americanos relatam OVNIs?”

Para ser eficaz, o painel, portanto, precisa incluir pessoas familiarizadas com a longa, mas obscura, história internacional e do governo dos Estados Unidos da questão, bem como os dados confidenciais e as capacidades de nosso governo que podem ser usadas para obter mais informações. Grandes despesas não são necessárias; o progresso será em grande parte uma função da liderança, integridade intelectual, acesso aos dados e organização.

Alguém em um alto nível precisa com urgência receber a responsabilidade de descobrir de onde esses objetos vêm, como funcionam e porque estão aqui. Esforços de engenharia e científicos para replicar as capacidades observadas também exigem alta prioridade.

Não podemos mais negar que alguém domina a tecnologia além do nosso entendimento e a está usando para monitorar as forças militares dos EUA e provavelmente muito mais. Em alguns casos, como os famosos encontros do Nimitz Carrier Strike Group, a origem não humana é atualmente a teoria que melhor se ajusta a todos os fatos. Até que surja uma explicação melhor, é hora de confrontar os dados diretamente e conceder a essa descoberta revolucionária a atenção que ela merece. Independentemente da fonte, precisamos de um esforço nacional sério para compreender e emular as capacidades que estamos observando.

Independentemente da origem dessas embarcações, as apostas não poderiam ser maiores. A ignorância não é uma estratégia de segurança nacional e nunca antes fomos uma nação intimidada pelo medo do desconhecido. Os benefícios que podem resultar incluem avanços tecnológicos massivos e avanços revolucionários e percepções que, de outra forma, poderiam levar eras para serem adquiridas. O único curso de ação responsável é proceder rapidamente com mentes abertas, talvez em conjunto com outras nações, para fazer um progresso mais rápido e mitigar as crescentes tensões e rivalidades internacionais.

Como podemos deixar de lado sabendo o que agora sabemos? Na verdade, não há outra escolha a não ser prosseguir na busca da verdade com a esperança e expectativa de que novas fronteiras do conhecimento sejam descobertas para nossa nação e, com sorte, para o benefício de toda a humanidade.

(Fonte)

Colaboração: MaryH


Só posso dizer que concordo com a visão de Chris Mellon a respeito da origem desses objetos. As perguntas ignorantes feitas por cientistas, as quais Mellon menciona acima, são uma triste amostra das pessoas que se acham conhecedoras de tudo, mas não têm a mínima ideia do que o corre no mundo além da perspectiva que lhes foi imposta pela academia.

Irrelevante do que o relatório constar, nós aqui sabemos exatamente com o que estamos tratando e, certamente, não se trata de tecnologia dos EUA, da Rússia, da China ou qualquer outra nação da superfície da Terra. Se fosse, os conflitos bélicos e disputas econômicas que ocorrem por aí já teriam sido “resolvidos” de forma incisiva e rápida. Simples assim.

Conheça mais sobre Christopher Mellon, de acordo com informação em seu próprio blog:

Christopher Mellon passou quase 20 anos na Comunidade de Inteligência dos EUA, inclusive servindo como Diretor de Minoria do Comitê de Inteligência do Senado e Secretário Adjunto de Defesa para Inteligência. No Senado, ele concebeu e redigiu a legislação estabelecendo o Comando de Operações Especiais dos EUA em 1986, enquanto trabalhava como assessor do senador dos EUA William S. Cohen (R-ME).

Ele lecionou na Universidade de Georgetown, foi autor de uma série de artigos sobre questões de políticas públicas e recebeu vários prêmios, incluindo a Medalha de Ouro do National Reconnaissance Office, a Medalha do Diretor do DIA e o Prêmio de Serviço Público do Secretário de Defesa. O Sr. Mellon também atuou como Presidente do Comitê de Ciência do Museu Carnegie de História Natural.

Ele obteve seu B.A. do Colby College e seu M.A. da Universidade de Yale. Desde que se aposentou do serviço federal, o Sr. Mellon tem trabalhado como um investidor de capital privado envolvido em empresas de biotecnologia e tecnologia da informação. Ele também aparece na série de TV do History Channel, UNIDENTIFIED, e desempenha um papel de destaque no filme “O Fenômeno”.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol