web analytics

E se os dinossauros não tivessem sido extintos, teriam evoluído?

Ouça este artigo...
Tempo de leitura: 4 min.

Sessenta e seis milhões de anos atrás, um asteroide atingiu a Terra com a força de 10 bilhões de bombas atômicas e mudou o curso da evolução. O céu escureceu e as plantas pararam de fazer fotossíntese. As plantas morreram, depois os animais que se alimentavam delas. A cadeia alimentar entrou em colapso. Mais de 90% de todas as espécies desapareceram. Quando a poeira baixou, todos os dinossauros, exceto um punhado de pássaros, foram extintos.

E se os dinossauros não tivessem sido extintos, teriam evoluído?

Porém, esse evento catastrófico tornou possível a evolução humana. Os mamíferos sobreviventes floresceram, incluindo pequenos proto-primatas que evoluiriam para nós.

Imagine que o asteroide não tivesse acertado a Terra e os dinossauros sobreviveram. Imagine aves de rapina altamente evoluídas plantando sua bandeira na Lua. Dinossauros cientistas descobrindo a relatividade ou discutindo um mundo hipotético no qual, incrivelmente, os mamíferos dominaram a Terra.

Isso pode soar como ficção científica ruim, mas aborda algumas questões filosóficas profundas sobre a evolução. A humanidade está aqui apenas por acaso, ou a evolução dos usuários de ferramentas inteligentes é inevitável?

Cérebros, ferramentas, linguagem e grandes grupos sociais nos tornam a espécie dominante do planeta. Existem 8 bilhões de Homo sapiens em sete continentes. Considerando o peso, existem mais humanos do que todos os animais selvagens.

Modificamos metade do solo da Terra para nos alimentarmos. Você poderia argumentar que criaturas como os humanos estavam fadadas a evoluir.

Na década de 1980, o paleontólogo Dale Russell propôs um experimento mental no qual um dinossauro carnívoro evoluiu para um usuário de ferramenta inteligente. Este “dinossauroide” tinha cérebro grande com polegares opositores e andava ereto.

Não é impossível mas é improvável. A biologia de um animal restringe a direção de sua evolução. Seu ponto de partida limita seus pontos finais.

Se você abandonar a faculdade, provavelmente não será um neurocirurgião, advogado ou cientista de foguetes da NASA. Mas você pode ser um artista, ator ou empresário. Os caminhos que percorremos na vida abrem algumas portas e fecham outras. Isso também é verdade na evolução.

Considere o tamanho dos dinossauros. Começando no Jurássico, dinossauros saurópodes, brontossauros e parentes evoluíram para gigantes de 30 a 50 toneladas de até 30 metros de comprimento – dez vezes o peso de um elefante e tão compridos quanto uma baleia azul. Isso aconteceu em vários grupos, incluindo Diplodocidae, Brachiosauridae, Turiasauridae, Mamenchisauridae e Titanosauria.

Isso aconteceu em diferentes continentes, em diferentes épocas e em diferentes climas, de desertos a florestas tropicais. Mas outros dinossauros que vivem nesses ambientes não se tornaram supergigantes.

O traço comum que ligava esses animais era que eles eram saurópodes. Algo sobre a anatomia dos saurópodes – pulmões, ossos ocos com uma alta relação força-peso, metabolismo ou todas essas coisas – desbloqueou seu potencial evolutivo. Permitiu que eles crescessem de uma forma que nenhum animal terrestre havia feito antes, ou desde então.

Da mesma forma, os dinossauros carnívoros desenvolveram repetidamente para se tornarem predadores enormes, de dez metros e de várias toneladas. Mais de 100 milhões de anos, megalossaurídeos, alossaurídeos, carcarodontossaurídeos, neovenatorídeos e finalmente tiranossauros desenvolveram para se tornarem predadores gigantes.

Os dinossauros se davam bem com corpos grandes. Cérebros grandes nem tanto. Os dinossauros mostraram uma tendência fraca para aumentar o tamanho do cérebro ao longo do tempo. Dinossauros jurássicos como Allosaurus, Stegosaurus e Brachiosaurus tinham cérebros pequenos.

No final do Cretáceo, 80 milhões de anos depois, os tiranossauros e os bicos de pato desenvolveram cérebros maiores. Mas, apesar de seu tamanho, o cérebro do T. rex ainda pesava apenas 400 gramas. Um cérebro Velociraptor pesava 15 gramas. O cérebro humano médio pesa 1,3 kg.

Os dinossauros entraram em novos nichos ao longo do tempo. Os pequenos herbívoros tornaram-se mais comuns e as aves diversificaram-se. Formas de pernas longas evoluíram mais tarde, sugerindo uma corrida armamentista entre predadores velozes e suas presas.

Os dinossauros parecem ter tido vidas sociais cada vez mais complexas. Eles começaram a viver em rebanhos e desenvolveram chifres elaborados para luta e exibição. No entanto, os dinossauros parecem se repetir, evoluindo herbívoros gigantes e carnívoros com cérebros pequenos.

Há pouco cerca de 100 milhões de anos de história dos dinossauros para sugerir que eles teriam feito algo radicalmente diferente se o asteroide não tivesse intervindo. Provavelmente ainda teríamos aqueles herbívoros supergigantes de pescoço comprido e enormes predadores parecidos com tiranossauros.

Eles podem ter desenvolvido cérebros ligeiramente maiores, mas há poucas evidências de que tenham evoluído para gênios. Também não é provável que os mamíferos os tenham deslocado. Os dinossauros monopolizaram seus ambientes até o fim, quando o asteroide os atingiu.

Os mamíferos, por sua vez, tinham restrições diferentes. Eles nunca desenvolveram herbívoros e carnívoros supergigantes. Mas eles desenvolveram cérebros grandes repetidamente. Cérebros maciços (tão grandes ou maiores que os nossos) evoluíram em orcas, cachalotes, baleias, elefantes, focas leopardo e macacos.

Hoje, alguns descendentes de dinossauros – pássaros como corvos e papagaios – têm cérebros complexos. Eles podem usar ferramentas, falar e contar. Mas são mamíferos como macacos, elefantes e golfinhos que desenvolveram os maiores cérebros e os comportamentos mais complexos.

Então, a eliminação dos dinossauros garantiu que os mamíferos desenvolveriam inteligência?

Bem, talvez não.

Os pontos de partida podem limitar os pontos finais, mas também não os garantem. Steve Jobs, Bill Gates e Mark Zuckerberg abandonaram a faculdade. Mas se desistir automaticamente tornasse você um multibilionário, todos os que abandonaram a faculdade seriam ricos. Mesmo começando no lugar certo, você precisa de oportunidades e sorte.

A história evolutiva dos primatas sugere que nossa evolução foi tudo menos inevitável. Na África, os primatas evoluíram para macacos com cérebros grandes e, ao longo de 7 milhões de anos, produziram humanos modernos. Mas em outros lugares a evolução dos primatas tomou caminhos muito diferentes.

Quando os macacos chegaram à América do Sul, 35 milhões de anos atrás, eles evoluíram para mais espécies de macacos. E os primatas chegaram à América do Norte pelo menos três vezes distintas, 55 milhões de anos atrás, 50 milhões de anos atrás e 20 milhões de anos atrás. No entanto, eles não evoluíram para uma espécie que fabrica armas nucleares e smartphones. Em vez disso, por razões que não entendemos, eles foram extintos.

Na África, e somente na África, a evolução dos primatas tomou uma direção única. Algo sobre a fauna, a flora ou a geografia da África impulsionou a evolução dos símios: primatas terrestres, de corpo grande e cérebro grande, que usam ferramentas. Mesmo sem os dinossauros, nossa evolução precisou da combinação certa de oportunidade e sorte.

(Fonte)


Para mim, a versão da ciência de como os dinossauros foram extintos e o mecanismo da evolução ainda deixa muitas dúvidas. Algumas delas seriam:

-Se os dinossauros foram extintos por um asteroide, por que os mamíferos e alguns pássaros que viviam na mesma época resistiram? Não seria mais “sensato” pensar que a extinção dos dinossauros se deu por intermédio de uma pandemia viral que afetou somente os dinossauros?

-Se a evolução funciona ao longo do tempo como os cientistas pregam, por que outros símios não evoluíram tanto quanto nós humanos ao longo desses milhões de anos? Tempo suficiente eles tiveram.

É claro, essas perguntas que assombram a minha mente podem não ser as certas, mas como “cada cabeça é uma sentença”, tenho a convicção de que estamos muito longe de realmente sabermos todo o mistério da presença humana neste planeta. Possivelmente, há muitos mais coelhos nesta moita – pelo menos é o que eu acho.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Participe dos comentários mais abaixo… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo, ou use a chave PIX “OVNIHoje” (sem as aspas):

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Egídia dos Santos, Edward de Lima.

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!