A inteligência terrestre foi semeada por um jardineiro?

Ouça este artigo...
Tempo de leitura: 3 min.

Se a inteligência humana foi semeada na Terra por extraterrestres há alguns milhões de anos, eles devem ter se divertido monitorando nosso crescimento intelectual ao longo da história. Por exemplo, assim que surgiu a noção religiosa de Deus que criou os humanos à sua imagem, os extraterrestres devem ter trocado mensagens de texto: “Olha, eles começaram a falar sobre nós!

A inteligência terrestre foi semeada por um jardineiro?

Por Avi Loeb
Assim que nossa espaçonave sair do sistema solar e entrar no território interestelar, poderemos ter notícias deles. Mas qualquer mensagem do tipo: “bem-vindo ao clube interestelar” não chegará antes de dezenas de milhares de anos. As sondas interestelares que lançamos até agora levarão esse tempo para percorrer apenas alguns anos-luz. Voyager 1 e 2, Pioneer 10 e 11 ou New Horizons, adquiriram uma velocidade terminal de apenas uma parte em dez milésimos da velocidade da luz.

Uma viagem interplanetária já pode ter ocorrido por minúsculos astronautas a bordo de veículos espaciais naturais na forma de rochas. Formas de vida primitivas, como micróbios, podem potencialmente ser transferidas por meio da troca de rochas entre planetas vizinhos. Essa hipótese, denominada panspermia, foi proposta pela primeira vez no século V a.C. pelo filósofo grego Anaxágoras e é revisada no capítulo 10 de meu livro recente com meu ex-pós-doutorado Manasvi Lingam, intitulado “Life in the Cosmos” (Harvard University Press, 2021).

Em 2000, a estrutura magnética da rocha ALH84001 foi usada para inferir que ela foi ejetada de Marte e pousou na Terra sem ser aquecida a mais de 40 graus Celsius. Qualquer ‘astronauta’ microbiano em seu núcleo poderia ter sobrevivido à jornada.

A jornada entre planetas distantes pode levar mais de dezenas de milhares de anos nas temperaturas congelantes do espaço. No entanto, recentemente, um vírus de 48.500 anos foi revivido de um permafrost da Sibéria e posteriormente se replicou. Além disso, duas lombrigas, preservadas no permafrost do Ártico por cerca de 40.000 anos, supostamente voltaram à vida depois de serem “descongeladas” pelos pesquisadores. Da mesma forma, descobriu-se que uma criatura multicelular microscópica, chamada rotíferos bdelóides, resiste a condições de congelamento, irradiação, acidez extrema, fome, baixo oxigênio e desidratação e sobrevive 24.000 anos no permafrost do Ártico. Em 2000, os pesquisadores afirmaram ter revivido bactérias de 250 milhões de anos e, em 2020, micróbios aeróbicos de 101,5 milhões de anos persistiram em núcleos de sedimentos do fundo do mar no Oceano Pacífico Sul, embora tais alegações estejam sendo debatidas.

Como podemos descobrir a partir de evidências circunstanciais em vários planetas que a panspermia ocorreu? Mais facilmente, através do aparecimento de formas de vida idênticas próximas umas das outras, em analogia à propagação de infecções virais. Em um artigo que escrevi com meu ex-aluno, Henry Lin, mostramos que a assinatura estatística da panspermia é o agrupamento espacial. Espera-se encontrar aglomerados de formas de vida idênticas em vários objetos próximos uns dos outros e menos distantes.

A panspermia interplanetária pode ser aprimorada em sistemas planetários compactos, onde os planetas estão bem compactados. Em 2017, escrevi um artigo com Manasvi Lingam, onde mostramos que a panspermia é uma ordem de magnitude mais provável de ocorrer no sistema de sete planetas da estrela anã TRAPPIST-1 em comparação com o caso Terra-Marte. Isso aumenta a probabilidade geral de vida em todo o sistema TRAPPIST-1, porque os dados estão sendo lançados em vários locais ao mesmo tempo, com o mesmo resultado global. A situação se assemelha à probabilidade de infecção viral de vários membros da família que residem na mesma casa.

As perspectivas de panspermia também aumentam em qualquer aglomerado estelar denso, como aquele no centro da Via Láctea, como mostra um artigo que escrevi com Howard Chen e John Forbes. Mas a panspermia também pode operar em toda a galáxia, como ilustrado em um artigo que escrevi com Idan Ginsburg e Manasvi Lingam. A probabilidade de panspermia galáctica depende fortemente do tempo de vida dos organismos putativos, bem como da velocidade do transportador.

Sistemas estelares binários ou o sistema Júpiter-Sol podem prender gravitacionalmente objetos interestelares que transferem vida de um sistema planetário distante, como mostrei em um artigo com Manasvi Lingam.

Henry David Thoreau observou sabiamente em seu livro de 1877 intitulado “The Succession of Forest Trees and Wild Apples“:

“Embora eu não acredite que uma planta brote onde não houve semente, tenho grande fé em uma semente. . . Convença-me de que você tem uma semente aí e estou preparado para esperar maravilhas.”

Além dos processos naturais, a transferência de vida também pode ocorrer intencionalmente se uma civilização tecnológica decidir espalhar suas sementes pela Via Láctea como um jardineiro trabalhando em canteiros. Este processo de panspermia dirigida poderia ter plantado a consciência na Terra. Nesse caso, a senciência pode representar um salto quântico que herdamos extraterrestremente. A única forma de descobrir seria procurar o meio de transporte das sementes. É isso que os telescópios do Projeto Galileo estão fazendo.

Este mês, a equipe de pesquisa do Galileo está coletando dados no céu de todos os seus instrumentos pela primeira vez. Os dados serão analisados ​​por algoritmos de inteligência artificial nas próximas semanas, para distinguir objetos atmosféricos familiares, como pássaros, de objetos que “vem de forma extraterrestre”, nas palavras de Avril Haines, diretora de Inteligência Nacional.

Dentro de um mês, a equipe de pesquisa do Galileo planeja apresentar uma lista de localizações geográficas onde colocará cópias de seu primeiro sistema detector no final da primavera (do hemisfério norte) de 2023.

Por enquanto, construímos nosso software de inteligência artificial à nossa imagem. Se os jardineiros semearam nossa ‘inteligência natural’, este software pode capturar sua imagem.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Participe dos comentários mais abaixo… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo, ou use a chave PIX “OVNIHoje” (sem as aspas):

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward de Lima, Maria Dorotea Soares, Leopoldo DeLa Rocca, Fabiano de Faria, Silas Raposo, Eduardo Figueiredo, Paulo Sanchez.

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!