Uma “estrada” em uma lua alienígena: Juno revela formações naturais fascinantes na lua Europa

Tempo de leitura: 2 min.

A sonda Juno da NASA capturou uma fotografia impressionante da lua de Júpiter, Europa, revelando fascinantes características geológicas.

Uma “estrada” em uma lua alienígena: Juno revela formações naturais fascinantes na Europa
A imagem da Stellar Reference Unit da Juno (SRU) mostra as características da superfície de Europa durante seu sobrevoo de Júpiter em 29 de setembro de 2022. Crédito: NASA/JPL-Caltech/SwRI

A lua de Júpiter, Europa, tem uma região intrigante de crosta de gelo fortemente fraturada na foto de maior resolução que a missão Juno da NASA já tirou. Uma aproximação deste mundo oceânico foi obtida pela primeira vez em mais de duas décadas pela passagem da espaçonave pela lua, resultando em imagens notáveis ​​e novas informações científicas.

Esta imagem cobre uma área de aproximadamente 150 quilômetros por 200 quilômetros na superfície de Europa, revelando uma rede de sulcos finos e cumes duplos (duas longas linhas paralelas indicando elevações topográficas). Existem manchas escuras perto do canto superior direito e abaixo do centro da imagem, possivelmente causadas por algo em erupção por baixo. Uma característica da superfície no centro e à direita da imagem se assemelha a uma semínima musical, medindo 67 quilômetros norte-sul por 37 quilômetros leste-oeste. Partículas de alta energia que penetram no ambiente de radiação da lua são evidentes nos pontos brancos da imagem.

A imagem em preto e branco foi adquirida em 29 de setembro de 2022, pela Stellar Reference Unit (SRU), que é usada para orientar a aproximação de Juno à Europa. A fotografia da lua foi tirada a uma distância aproximada de cerca de 412 quilômetros. A imagem foi capturada quando Juno passou pela lua alienígena viajando a cerca de 24 quilômetros por segundo sobre uma região noturna de sua superfície. A resolução é de 256 a 340 metros por pixel. O “brilho de Júpiter” refletido no topo das nuvens de Júpiter estava apenas iluminando levemente a região sobre a qual a sinda voou.

Embora a SRU tenha sido projetado para operar em condições de pouca luz, também provou ser uma ferramenta científica muito valiosa, permitindo que os cientistas descubram raios rasos na atmosfera de Júpiter, observem os anéis enigmáticos de Júpiter e agora investiguem algumas das formações geológicas mais fascinantes de Europa.

A co-investigadora líder do SRU, Heidi Becker, disse que esta imagem revela detalhes incríveis em uma região que nunca foi mapeada em uma resolução tão alta com condições de iluminação tão reveladoras.

Becker explicou:

“O uso da equipe de uma câmera rastreadora de estrelas para a ciência é um ótimo exemplo dos recursos inovadores da Juno. Esses recursos são tão intrigantes. Entender como elas se formaram – e como elas se conectam à história de Europa – nos informa sobre os processos internos e externos que moldam a crosta gelada.”

Nas próximas semanas, os cientistas da SRU da Juno não serão os únicos a analisar os dados. Quando Juno sobrevoou os pólos de Júpiter cerca de sete horas e meia depois, todos os instrumentos científicos de Juno coletaram dados durante a 45ª órbita ao redor de Júpiter.

O pesquisador principal da Juno, Scott Bolton, disse:

“Inicialmente, a sonda Juno estava completamente focada em Júpiter. Estamos entusiasmados que, durante nossa missão estendida, fomos capazes de investigar três dos quatro satélites galileanos, bem como os anéis de Júpiter.”

O sobrevoo de Europa deu a Juno vistas de perto de duas das luas mais fascinantes de Júpiter, com suas crostas de gelo parecendo muito diferentes. Em 2023, a espaçonave se aproximará para estudar Io, o corpo mais vulcânico do sistema solar. No passado, a NASA reuniu uma infinidade de dados depois que Juno passou pela lua de Júpiter, Ganimedes, que é a maior lua do sistema solar.

O tamanho do diâmetro equatorial da lua Europa é cerca de 90% do da lua da Terra, tornando-a a sexta maior lua do sistema solar. A presença de um oceano salgado sob uma camada de gelo de 1,6 km de espessura faz com que os cientistas questionem se o oceano é habitável.

A Europa Clipper, uma espaçonave da NASA com lançamento previsto para o início da década de 2030, tentará responder a essas perguntas sobre a habitabilidade de Europa. Uma prévia do que será revelado pela Missão Europa Clipper pode ser encontrada nos dados do sobrevoo Juno.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Participe dos comentários mais abaixo… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo, ou use a chave PIX “OVNIHoje” (sem as aspas):

Agradecimentos aos colaboradores dos últimos meses: Edward de Lima, José de Castro, Teogenis de Oliveira, Egídia dos Santos, Silas Raposo, Reinaldo Galhardo, Luiz Buria, Silas Raposo, Maria Dorotea Soares..

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!