Seria o nosso universo o lar de mais de uma civilização alienígena hostil?

Tempo de leitura: 3 min.

A Terra pode não ser o único planeta com vida no universo de acordo com as afirmações de um pesquisador, que alerta sobre a possibilidade de que alguns de nossos vizinhos extraterrestres também possam ser hostis.

Seria o nosso universo o lar de mais de uma civilização alienígena hostil?
Imagem obviamente ilustrativa.

Em um recente par de artigos de Alberto Caballero, um estudante de Ph.D. da Universidade de Vigo, na Espanha, o pesquisador e divulgador científico apresenta o que acredita ser a fonte do famoso Sinal “WOW!”, juntamente com o que ele caracteriza como um experimento mental relacionado à presença de civilizações alienígenas hostis.

As origens da história remontam a 1977, quando um sinal de banda estreita de força significativa foi detectado em 15 de agosto pelo radiotelescópio Big Ear na Ohio State University. Parecendo ter emanado da vizinhança geral da constelação de Sagitário, uma possível fonte para o sinal que foi considerado pelos pesquisadores na época incluía que era de uma civilização alienígena inteligente.

A descoberta do sinal pelo astrônomo Jerry Ehman, que rabiscou “WOW!” nos dados gravados, uma vez que ele os recuperou vários dias depois, deu origem ao nome popular do sinal. Desde sua detecção, uma variedade de explicações para o sinal foram oferecidas pelos astrônomos, variando de interferência mundana baseada na Terra até a existência real de extraterrestres inteligentes.

Pesando sobre a controvérsia de décadas, no recente artigo de Caballero “Estimating the Prevalence of Malicious Extraterrestrial Civilizations”, o pesquisador espanhol diz acreditar que o sinal se origina de um local a aproximadamente 1.800 anos-luz da Terra, que ele atribui a um hipotétic planeta em órbita de uma estrela distante semelhante ao nosso Sol.

No entanto, sua análise não se limitou a sua teoria sobre o ponto de origem do sinal de rádio de 1977; Caballero também decidiu analisar a possibilidade de que a presença de tal civilização alienígena pudesse representar uma ameaça: eles poderiam ser hostis a nós?

De acordo com Caballero, ele diz que baseou sua estimativa “na frequência de invasões na Terra nos últimos 100 anos”. Dos 195 países, apenas 51 invadiram outros no último século, com a frequência geral de invasões diminuindo ao longo do tempo.

Ele diz:

“Extrapolando os resultados para a humanidade, uma vez que ela se torne uma civilização do Tipo 1 capaz de viagens interestelares, a frequência e, portanto, a probabilidade de invasão diminuem. As estimativas são baseadas na vida como a conhecemos.”

Claro, existem muitos fatores envolvendo a vida de outros lugares que podem explicar o comportamento muito diferente de nossas expectativas com base em observações da vida na Terra. Igualmente digno de consideração é o fato de que nosso eventual contato com evidências de inteligência de outros lugares pode chegar na forma de inteligência artificial extraterrestre, que poderia renunciar a muitos dos tipos de impulsos evolutivos esperados de entidades biológicas (ou seja, fome, competição, sexualidade, etc.). ) e abordar a humanidade com mais lógica e compaixão… ou pelo menos, pode-se esperar que esse seja o caso.

À luz de tais fatores, e quanto à possibilidade de que uma das civilizações “maliciosas” que qualquer grupo planetário pacífico possa encontrar sejamos nós? Caballero não negligenciou os próprios potenciais destrutivos da humanidade a esse respeito, observando em seu estudo que uma vez que os terráqueos atinjam o estágio de progresso tecnológico onde podemos aproveitar a soma total da energia do nosso planeta (tornando-se assim uma civilização Tipo 1, conforme reconhecido na Escala Kardashev), podemos nos encontrar na posição de ser um perigo potencial para nossos vizinhos cósmicos, especialmente se possuímos capacidades limitadas com viagens interestelares.

No total, no entanto, as ameaças de alienígenas mal-intencionados não estão de forma alguma classificadas entre as maiores preocupações da humanidade. O estudo de Caballero, como os anteriores, classifica os impactos de asteroides e outros fatores existenciais baseados na Terra como maiores desafios potenciais para a humanidade. À luz disso, ele também sugere que talvez os esforços para tentar enviar mensagens a extraterrestres (METI) não sejam tão perigosos quanto alguns podem pensar.

Caballero escreve:

“O baixo risco estimado, menor que a probabilidade de impacto de um asteroide destruidor de planetas, poderia apoiar os esforços do METI.”

As posições de Caballero sobre METI e SETI levantam questões interessantes sobre a eventualidade futura de humanos detectarem comunicação de extraterrestres na forma de sinais das estrelas. Embora existam perigos inerentes óbvios, também pode haver benefícios para os humanos que enviam esses sinais. Um “melhor cenário” pode envolver uma civilização extraterrestre significativamente mais avançada do que nós, sendo gentil o suficiente para enviar segredos de ciência e engenharia que poderiam acelerar muito nossa taxa de desenvolvimento tecnológico aqui na Terra. Isso seria semelhante ao romance Contato de Carl Sagan, no qual alienígenas inteligentes recebem sinais da Terra na forma de transmissões de televisão iniciais e, posteriormente, enviam projetos para a construção de um dispositivo que permite que os humanos tenham comunicação direta com eles.

Existem alternativas mais preocupantes para este cenário também. Como exemplo, os humanos podem receber instruções sobre como construir o que percebemos como um dispositivo de comunicação extraterrestre, que, após a conclusão e ativação, faz algo completamente diferente: e se, sem saber, construíssemos um dispositivo que gerasse enxames de nanobots que poderiam efetivamente se apossar do planeta, abrindo caminho para uma eventual invasão alienígena?

Existem, é claro, outras maneiras pelas quais a evidência de vida alienígena pode ser descoberta do que simplesmente por mensagens que enviamos ou recebemos das estrelas. Para Caballero, porém, tornar-se participante ativo na tentativa de comunicação com extraterrestres através do METI é a maneira mais provável de a humanidade proceder com qualquer expectativa clara de resultados.

Ele diz:

“O SETI é necessário, mas é como procurar uma agulha no palheiro. Se realmente queremos ter chances de contato com ETs, precisamos começar a transmitir mensagens de laser para milhares de exoplanetas.

Se devemos ou não fazer isso depende do que a comunidade internacional diz.”

Micah Hanks

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, ajude na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!