web analytics
Tempo de leitura: 6 min.

Cosmonautas perdidos: a história de segredos soviéticos e hackers espaciais

Tempo de leitura: 6 min.


Os soviéticos realmente tinham um programa espacial secreto?

Cosmonautas perdidos: a história de segredos soviéticos e hackers espaciais
Crédito da imagem ilustrativa: TheDebrief.org

Se o rádio fosse a Internet de sua época, Achille Judica-Cordiglia e seu irmão mais novo, Gian, poderiam ter sido os primeiros hackers da Era Espacial.

O ano era 1957. Nenhum dos meninos estava fazendo o dever de casa como deveria quando a transmissão de rádio que estavam ouvindo foi interrompida com uma história de última hora: a Rússia acabara de colocar um satélite na órbita da Terra.

Eles deram a frequência de transmissão de seus bipes”, Achille se lembraria anos depois. Então os adolescentes tiveram uma ideia: e se eles pudessem rastreá-lo?

Nos anos seguintes, os irmãos Judica-Cordiglia começaram a montar uma estação de monitoramento de rádio que poderia rivalizar com a do controle da missão do outro lado do mundo no Cabo Canaveral. Com um orçamento limitado como o deles, eles não podiam pagar as centenas de milhares de dólares que estavam sendo despejados em rádios, gravadores e antenas parabólicas que vários governos mundiais estavam construindo na época. Em vez disso, os meninos compraram materiais usados ​​de lojas de excedentes militares, e o que eles não podiam comprar, eles próprios construíram. Entre seus notáveis ​​feitos de engenharia estava uma antena parabólica de radar dobrável que eles montaram com tela de arame e sucata de metal que recuperaram de um ferro-velho próximo.

Sua localização também ajudou a compensar suas limitações tecnológicas. Localizado nos arredores de Torino, Itália, onde os meninos viviam era uma posição ideal para rastrear os lançamentos soviéticos, uma vez que os encontrava diretamente abaixo do caminho orbital que os lançamentos da União Soviética seguiriam. Quando uma cadela chamada Laika se tornou a primeira terráquea a entrar no espaço após ser lançada em órbita com o Sputnik 2, os irmãos puderam registrar o evento, bem como os bipes do primeiro satélite da América, o Explorer 1, em fevereiro de 1958.

Cosmonautas perdidos: a história de segredos soviéticos e hackers espaciais
Achille (à esquerda) e Gian (em pé) monitorando o equipamento na Torre Bert (Domínio Público / Astrosurf.com)

No entanto, no final de novembro de 1960, um observatório na Alemanha Ocidental fez um anúncio surpreendente: alegou ter interceptado sinais de rádio que poderiam pertencer a um satélite. Mas como isso poderia ser? Nenhum anúncio oficial foi feito de qualquer lançamento fora da Rússia, ou qualquer outro lugar para esse assunto.

Os irmãos correram para sua instalação improvisada de rastreamento – agora eles a chamavam de “Torre Bert”, em homenagem ao nome original do prédio em que operavam – e começaram a escanear as frequências. Por quase uma hora, Achille e Gian não ouviram nada.

Eles poderiam ter desistido, e quase desistiram, se não tivessem repentinamente descoberto um som fraco vindo até eles em meio à estática. Era um som rítmico que podia ser ouvido batendo levemente, bem diferente dos tipos de bipes que eles reconheciam em satélites em órbita que haviam rastreado anteriormente. Não, isso era diferente, mas havia um padrão: parecia ser o código Morse.

O código que produzia também era familiar: S.O.S.

Isso não foi tudo o que eles notaram sobre o sinal curioso. Ele também parecia estar ficando gradualmente mais fraco à medida que eles ouviam, como se a fonte do som estivesse se movendo para mais longe deles; talvez mais longe da Terra. Teria este sido um sinal de socorro do espaço?

Se os meninos estivessem certos, então é verdade que, naquele exato momento, uma nave espacial poderia estar a caminho de regiões distantes além de nosso sistema solar. A nave deslizara em silêncio enquanto carrega seu único passageiro – o primeiro humano a deixar nossa vizinhança planetária – que deixou a Terra em um foguete há várias décadas e nunca mais voltou.

Ele não está mais vivo, é claro, mas se movendo a uma velocidade constante de 29.000 quilômetros por hora, este pode ser o cadáver mais rápido da história, além de ser o primeiro organismo da Terra a viajar além do campo de destroços gelados do Cinturão de Kuiper. E embora as circunstâncias que levaram à sua morte não tenham sido agradáveis, o único passageiro neste caixão cósmico leva seu descanso eterno em perfeito estado de preservação, tendo sido congelado a confortáveis ​​-235ºC.

Este viajante morto – se ele existe – é o primeiro dos cosmonautas perdidos: aquele que deixou a Terra e nunca mais voltou.

Alguns a chamam isso de lenda urbana “definitiva” da era da Guerra Fria. É a história de dois programas espaciais, mas não os dois programas historicamente reconhecidos realizados pela Rússia Soviética e pelos Estados Unidos; essa história envolve o programa “público” da Rússia, e que muitos, ao longo dos anos, passaram a acreditar que os soviéticos se mantiveram escondidos no mundo dos projetos negros. É uma teoria da conspiração por definição, mas se verificada, ela lançaria uma nova luz sobre a história oculta da corrida espacial e os caminhos sombrios que os soviéticos estavam dispostos a ir, o que pode ter incluído cosmonautas russos que não voltaram do espaço.

Os irmãos Judica-Cordiglia certamente pareciam acreditar que era esse o caso. Nos anos que se seguiram à interceptação do que acreditavam ser um sinal SOS, eles continuaram a gravar transmissões incomuns, cada uma mais sensacional do que a anterior.

Indiscutivelmente, a mais incomum e perturbadora ocorreu em 2 de fevereiro de 1961. Eram quase 23 horas e, enquanto os irmãos estavam sentados em sua sala de controle na Torre Bert, captaram o que acreditavam ser uma transmissão de uma cápsula em órbita. Quando o cabrestante da unidade de gravação começou a girar, dos sons estalados do espaço vieram lentamente os bipes familiares e ruídos mecânicos do voo espacial. Não foi só isso que eles conseguiram ouvir; logo ficou claro que a respiração lenta acompanhada de gemidos dolorosos também eram perceptíveis na estática, quase como a de um homem sufocando.

Esta não seria a única vez que eles obtiveram tais gravações. Durante outra sessão na Torre Bert, os irmãos afirmaram ter alcançado mais sucesso com a captura do que parecia um coração humano batendo rapidamente. Compartilhando suas gravações com o cardiologista italiano Professor Achille Dogliotti, ele concordou que os sons que eles gravaram pareciam ser a respiração forçada de uma pessoa e o batimento cardíaco acelerado. No entanto, se nenhum lançamento soviético havia sido programado no momento em que essas gravações foram feitas, então o que – ou quem – poderia ter sido a fonte desses sons misteriosos do espaço? Seria possível que os soviéticos realmente tivessem perdido cosmonautas em missões espaciais realizadas em segredo?

Poucos meses depois, os meninos alegaram ter interceptado outra transmissão, esta indicando uma espaçonave que fez três órbitas da Terra antes da reentrada, o que ocorreu notavelmente poucos dias antes do cosmonauta soviético Yuri Gagarin ser reconhecido como o primeiro homem no espaço. No mês seguinte, eles interceptaram outra transmissão, esta acompanhada pelo que parecia ser pedidos de ajuda angustiados. Mais atividade ocorreu em outubro daquele ano, quando os meninos acreditaram ter gravado outra missão espacial soviética quando ela deixou a órbita da Terra, perdida para os confins distantes do espaço.

Nos três anos seguintes, gravações ainda mais surpreendentes foram obtidas pela dupla Judica-Cordiglias. Adicionada à lista de personagens que apareciam em fitas gravadas pelos irmãos estava uma cosmonauta, em uma gravação que os irmãos mais tarde afirmariam ter sido feita antes do vôo espacial de Valentina Tereshkova, reconhecida como a primeira mulher no espaço.

As coisas ficaram ainda mais estranhas quando os irmãos afirmaram que começaram a receber visitas da mídia, que incluía um homem que se apresentou como um repórter russo. Poucos minutos depois de ele sair de casa, outra batida na porta os alertou sobre a visita de um homem que mais tarde chamariam de “anjo da guarda”.

Este homem não é apenas um jornalista”, disse o italiano de barba curta aos irmãos, acrescentando rispidamente que “ele trabalha para a KGB, então tomem cuidado”. Ele então explicou que trabalhava para o Serviço Secreto Italiano (SIFA) na “contra-inteligência” e que eles estavam em perigo, embora o governo italiano tentasse protegê-los.

Tudo parece ser uma evidência convincente de um capítulo secreto na história da exploração espacial. Isto é, se as histórias contadas pelos irmãos Judica-Cordiglia forem verdadeiras; uma proposição que, em retrospectiva, parece muito mais duvidosa do que poderia ter parecido décadas atrás.

Cosmonautas perdidos: a história de segredos soviéticos e hackers espaciais
Torre Bert tal como apareceu na década de 1990, com antenas ainda visíveis no telhado (Crédito: Astrosurf.com).

O pesquisador Sven Grahn está entre aqueles que consideram as afirmações duvidosas. “As alegações dos irmãos italianos Achille e Gian Battista Judica-Cordiglia de terem rastreado uma espaçonave soviética com cosmonautas a bordo que pereceram são bem conhecidas”, observa ele em seu site, chamando as histórias contadas pelo Judica-Cordiglias e suas alegações de interceptação Missões soviéticas “secretas” “parte da mitologia da Era Espacial”.

Grahn admite que os irmãos administravam uma estação de rastreamento bastante sofisticada e que o que estavam fazendo era notável pelo que conseguiram na época com um orçamento tão limitado. No entanto, isso não é suficiente para fundamentar suas alegações de transmissões secretas interceptadas.

Acho que os irmãos Judica-Cordiglia administraram uma estação de rastreamento e captaram sinais de várias espaçonaves”, diz Grahn. “No entanto, por algum motivo, eles pensaram que precisavam de histórias sensacionais para manter sua imagem de uma operação ‘hot-shot’. Uma vez que interpretaram exageradamente algumas recepções e fizeram afirmações fantásticas, eles foram ‘presos’ e tiveram que continuar a produzir sensações.

Todas as gravações feitas pelos irmãos podem ser totalmente descartadas como boatos? Há algumas evidências que sugerem que algumas das gravações que eles fizeram eram genuínas. Em 2008, o escritor Kris Hollington conseguiu rastrear e entrevistar o ex-agente da KGB que visitou a Judica-Cordiglias, que passou a ser um embaixador russo em um país europeu (nem o país, nem o nome do ex-agente, foram fornecidos devido ao desejo do sujeito de permanecer anônimo).

Em sua entrevista com Hollington, publicada no Fortean Times, o ex-agente disse:

“Claro que estávamos interessados ​​nos irmãos Judica-Cordiglia; eles estavam invadindo nossas comunicações. Imagine isso hoje; um par de crianças amadoras desmontando o programa espacial russo como se fosse um brinquedo…. Eu ouvi a gravação de Gagarin, transcrevi e verifiquei que era genuína. Nossos cosmonautas foram avisados ​​para tomarem cuidado com o que falassem enquanto estivessem no espaço depois disso, e os irmãos foram vigiados.”

Em uma nota final arrepiante, Hollington relatou que as coisas poderiam não ter terminado bem para os irmãos Judica-Cordiglia. “Eles teriam que ser tratados – um acidente, talvez”, o ex-agente disse a ele. No entanto, a atenção da mídia que os meninos estavam recebendo na época provavelmente foi o que os salvou.

Quando aquele programa de TV aconteceu e eles ficaram famosos”, disse o ex-agente, “Isso salvou suas vidas. Eu estava contente; eles eram bons garotos.

Mesmo assim, Grahn e outros observaram que, se houvesse outros registros semelhantes que os irmãos tivessem disponibilizado, que pudessem estar associados a lançamentos confirmados durante esse período, isso poderia ajudar a fundamentar ainda mais algumas de suas afirmações. Na ausência de tais registros, os irmãos Judica-Cordiglia – indiscutivelmente os primeiros “hackers” da era espacial – ainda não conseguiram convencer todos os céticos de que havia missões espaciais secretas reais sendo realizadas pelos soviéticos.

Embora as gravações produzidas pelos irmãos Judica-Cordiglia não possam ser todas autenticadas, existem casos legítimos que indicam tentativas por parte das autoridades russas de encobrir aspectos do programa espacial soviético. O historiador espacial James Oberg e outros mostraram que existem versões alternativas de fotografias históricas da era soviética, indicando que as versões “oficiais” das fotos foram retocadas para remover certos indivíduos das imagens.

Assim, as histórias de “cosmonautas perdidos” perduraram, sem dúvida ajudadas por tais esforços para manter o sigilo sobre as operações soviéticas naqueles anos cruciais da exploração espacial. Apesar das questões que permanecem sobre isso, bem como das gravações feitas na Torre Bert pelos irmãos Judica-Cordiglia, as histórias do sigilo soviético e dos cosmonautas perdidos alcançaram um status quase mítico e, sem dúvida, permanecerão entre as mais fascinantes e misteriosas lendas que surgiram da era espacial.

(Fonte)


Lenda? Bem, considerando a forma com que os dirigentes da antiga União Soviética tratavam a vida humana, como sendo meros objetos para atingirem seus fins, eu não duvido nada dessas “lendas”, nem de que coisas ainda mais horripilantes ocorreram. Eles (os dirigentes) eram a lei e a lei era o que fosse conveniente para o sistema.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!

Por favor, para ajudar manter o OH vivo, considere desativar seu bloqueador de anúncios ou colocar o OH na lista de sites permitidos (whitelist).

Agora, mais do que nunca. isto é importante.

Seu acesso sempre foi e sempre será gratuito, e você não é obrigado a clicar em nenhum anúncio, embora isso ajude muito na continuidade do site.

Muito obrigado.