web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Sereias no Japão: De horríveis precursores de violência a belas feiticeiras

Tempo de leitura: 3 min.

Um teste recente de uma “múmia sereia” no Japão gerou um interesse renovado no fenômeno.
Um relatório de que os cientistas iniciaram testes em uma “múmia sereia”‘ de 300 anos para identificar suas origens estimulou o interesse pela existência de sereias no folclore japonês.

Sereias no Japão: De horríveis precursores de violência a belas feiticeiras
Uma relíquia de sereia mumificada com a parte superior do corpo de um macaco e um rabo de peixe do Museu Britânico, semelhante à que está sendo pesquisado atualmente. Os curadores do Museu Britânico, CC BY-NC-ND

Contos de sereias e suas irmãs sereias mais perigosamente sedutoras estão firmemente enraizados nas mitologias culturais de muitas regiões e podem ser encontrados na arte medieval e na literatura popular contemporânea em todo o mundo.

No Japão, elementos de crença e mito ligados ao mundo natural perduraram desde os tempos pré-históricos como uma parte importante da cultura e da tradição. Mas a sereia, como imaginada na psique ocidental, não aparece nesses relatos.

No folclore japonês, existe uma criatura humana/peixe com boca de macaco que vive no mar chamada ningyo (a palavra em japonês é composta pelos caracteres para ‘pessoa’ e ‘peixe’). Uma antiga crença japonesa era que comer a carne de um ningyo poderia garantir a imortalidade.

Acredita-se que uma dessas criaturas apareceu ao príncipe Shotoku (574-622) no Lago Biwa, a nordeste de Kyoto. Uma figura semi-lendária, o príncipe Shotoku foi reverenciado por suas muitas inovações políticas e culturais, principalmente por incentivar a disseminação do budismo no Japão. A criatura teria sido um pescador que invadiu para pescar em águas protegidas, e como punição ele foi transformado em um ningyo e com seus últimos suspiros chamou o príncipe para absolvê-lo de seus crimes.

A sereia pediu ao príncipe que fundasse um templo para exibir seu corpo horrível e mumificado para lembrar as pessoas sobre a santidade da vida. Restos que correspondem à descrição de um ningyo podem ser encontrados no Santuário Tenshou-Kyousha em Fujinomiya, onde é cuidado por sacerdotes xintoístas.

Relatos de aparições de sereias, no entanto, são raros nos contos populares, e as criaturas, em vez de serem objetos de beleza hipnotizante, são descritas como presságios ‘horríveis’ de guerra ou calamidade.

A “sereia seca” atualmente em testes foi supostamente capturada no Oceano Pacífico, ao largo da ilha japonesa de Shikoku, entre 1736 e 1741, e agora é mantida em um templo na cidade de Asakuchi. O exame da sereia levou os pesquisadores a acreditarem que se trata de uma relíquia do período Edo (1603-1868). Era comum que Yokai (espíritos e entidades) e criaturas assustadoras ‘vivas’ eram exibidas para o público como entretenimento em shows itinerantes, semelhantes aos ‘freak shows‘ nos EUA.

Quando a sereia se tornou japonesa?

As sereias no Japão hoje não são mais pequenas criaturas com garras com torso de macaco e cauda de peixe. Parece que a sereia, como é conhecida no ocidente, se infiltrou no Japão no início do século XX. Isso coincidiu com um influxo da cultura americana de bases militares no início da Primeira Guerra Mundial, bem como a publicação da primeira tradução japonesa de A Pequena Sereia de Hans Christian Andersen.

Escritores e ilustradores, como Tanizaki Jun’ichiro em Ningyo no nageki, O lamento da Sereia, 1917, começaram a apresentar essa criatura em seus trabalhos. Isso levou à imagem grotesca do ningyo sendo substituída ou fundida com uma sereia sedutora e claramente feminina conhecida como Māmeido, na cultura popular.

Representações literárias e visuais (particularmente anime e mangá) da sereia recém-ocidentalizada exploraram o dilema do encantamento. Estes incluíram perspectivas da própria sereia e, em alguns casos, da pessoa, geralmente do sexo masculino, que descobrira sua existência, se unira a ela e depois forçado a deixá-la ir.

Acredita-se que belas sereias salvaram pessoas de se afogarem na Praia da Lua, em Okinawa. Chris Willson/Alamy

Essa nova sereia parece agora ter um lugar na cultura popular, com novos contos que atraem turistas para as ilhas mais ao sul do Japão. A estátua de bronze de uma sereia, sentada desamparada em uma rocha na Praia da Lua em Okinawa, supostamente representa lendas locais de belas sereias resgatando pessoas das profundezas de um mar ameaçador. Isso está muito longe da imagem macabra do ningyo, o peixe meio humano com boca de macaco.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code