web analytics
Tempo de leitura: 2 min.

A localização do acidente do voo MH370 da Malaysia Airlines pode ter sido encontrada

Tempo de leitura: 2 min.

Trata-se do maior mistério de avião desaparecido do século XXI. Em 8 de março de 2014, o voo MH 370 da Malaysia Airlines decolou do Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur, mas nunca chegou ao Aeroporto Internacional de Pequim.

A localização do acidente do voo MH370 da Malaysia Airlines pode ter sido encontrada

A aeronave Boeing 777-200ER se comunicou pela última vez com o controle de tráfego aéreo cerca de 38 minutos após a decolagem sobre o Mar da China Meridional. O radar militar rastreou-o por mais uma hora enquanto se desviava de sua rota de voo planejada até que desapareceu a 370 km a noroeste de Ilha de Penang… resultando na morte presumida de 227 passageiros e 12 membros da tripulação. A busca mais cara – na verdade, buscas múltiplas – da história revelou alguns pedaços de destroços de aeronaves, mas nenhum resto, nenhum avião e nenhuma explicação. Isso pode mudar em breve.

“Juntos, todos esses dados suportam um caso esmagador para uma busca renovada no local principal do acidente de 33,177° S 95,300° E.”

O engenheiro aeroespacial britânico Richard Godfrey passou os últimos nove meses testando sua nova técnica de pesquisa chamada “Weak Signal Propagation Reporter” (Reportador de Propagação de Sinal Fraco, de sigla em inglês WSPR) para rastrear o voo fatal do MH370.

Ele explicou a técnica no início deste ano – WSPR é um protocolo usado por operadores de rádio amador para localizar caminhos de propagação de sinal em potencial com transmissões de baixa potência. As estações com acesso à Internet podem carregar automaticamente seus relatórios de recepção para um banco de dados central denominado WSPRnet.

Godfrey diz que esses sinais podem ser “disparados” por aviões que passam por eles e que a interrupção seria registrada no banco de dados. Ele determinou que o MH 370 poderia ter passado por 518 desses caminhos WSPR.

Conhecendo o ceticismo quando o propôs pela primeira vez, Geoffrey Thomas, da Airline Ratings, relata que Godfrey passou os últimos nove meses testando sua tecnologia WSPR em uma série de voos ‘cegos’ que não foram registrados nos sistemas de rastreamento usuais e “em cada caso, ele foi capaz de rastrear o voo com precisão em testes julgados por AirlineRatings.com/The West Australian e um ex-capitão do Qantas 747”.

“De acordo com Richard Godfrey, o MH370 impactou o oceano 1.933 km a oeste de Perth a 33.177° S 95.300° E e encontra-se a uma profundidade de 4.000 m em uma área muito montanhosa com ravinas profundas e um vulcão.”

Godfrey diz que os dados do WSPR são um diário das ações do piloto do capitão Zaharie Ahmad Shah até o acidente. De acordo com a simulação derivada do WSPR, após desvios da rota planejada, Zaharie entrou em um padrão de espera ao sul da Indonésia, então se dirigiu para Geraldton na Austrália Ocidental, então mudou o curso para o ponto final de colisão. Godfrey especula que o capitão Zaharie estava se preparando para um pouso controlado na água, mas ficou sem combustível. Sem energia, os flaps não funcionavam mais.

“A velocidade de descida passou de 4.500 pés (1.370 m) por minuto para 15.000 pés (4.572 m) por minuto no espaço de oito segundos.”

Se o voo MH370 da Malaysia Airlines agora está a uma profundidade de 4.000 m em uma área muito montanhosa com ravinas profundas e um vulcão, o que vem a seguir?

A última busca em grande escala pelo MH370 foi realizada em 2018 pela empresa de robótica americana Ocean Infinity – seus veículos subaquáticos não tripulados cobriram quase 130.000 quilômetros quadrados do fundo do oceano e não encontraram nada. No entanto, Godfrey afirma que a Ocean Infinity foi avisada para não olhar na área porque ela já havia sido revistada pelos navios de pesquisa Fugro Equator e Fugro Supporter. Os dados da Fugro serão reexaminados pelo Australian Transport Safety Bureau, e a Ocean Infinity diz que está pronta para fazer buscas na área novamente. Só é preciso dinheiro – em março de 2019, o governo da Malásia declarou que analisará quaisquer “pistas confiáveis ​​ou propostas específicas”.

Hora de mergulhar?

Seria a localização do WSPR de Richard Godfrey uma “pista confiável”? Os céticos dizem que os sinais do WSPR podem ser muito fracos para serem confiáveis. Esperamos descobrir logo.

Paul Seaburn

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!

ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

Plugin Kapsule Corp