web analytics
Tempo de leitura: 4 min.

Cinco razões pelas quais estudar OVNIs é tão cientificamente desafiador

Tempo de leitura: 4 min.

Por Caleb A. Scharf 

Pouco antes do lançamento em junho do tão aguardado relatório do Pentágono sobre fenômenos aéreos não identificados (UAPs/OVNIs), sentei-me para tentar criar uma lista dos maiores obstáculos para a análise científica dos OVNIs. O que descobri foram cinco desafios principais que são descritos aqui, juntamente com uma comparação cruzada com algumas das declarações feitas no relatório governamental publicado. Embora tenha apenas nove páginas, esse relatório é completo, cuidadoso e cientificamente preciso, no sentido de que expressa plenamente quão pouca certeza pode ser extraída dos dados disponíveis. Como diz o ditado: quanto mais as coisas mudam, mais elas permanecem as mesmas.

Cinco razões pelas quais estudar OVNIs é tão cientificamente desafiador

Desafio nº 1: Todos os incidentes UAPs/OVNIs não podem ser repetidos: não podemos voltar e realizar o ‘experimento’ daquela observação exata novamente.

Para a ciência em geral, esse tipo de coisa é uma grande dor de cabeça. A falta de repetibilidade ou replicação representa um desafio muito significativo para a interpretação dos dados (especialmente se esses dados forem ruidosos e incompletos); para preencher lacunas óbvias; e para eliminar ou apoiar quaisquer hipóteses. Como afirma o relatório do Pentágono: “Dados limitados deixam a maioria dos UAPs inexplicados ...” Limitada, anedótica e irrepetível dificilmente são as palavras que você deseja usar, mas se aplicam aqui.

Desafio nº 2: Não há nada sistemático em como os incidentes são registrados ou relatados. Diferentes sistemas de câmeras, sistemas de radar, processamento de dados, observadores e circunstâncias ambientais significam que cada incidente é, na verdade, um experimento não controlado, com poucas maneiras de verificar a real qualidade e sensibilidade dos dados.

Mais uma vez, o relatório do Pentágono afirma efetivamente o mesmo ponto: “A quantidade limitada de relatórios de alta qualidade sobre fenômenos aéreos não identificados (UAPs) dificulta nossa capacidade de tirar conclusões firmes sobre a natureza ou intenção dos UAPs.” O relatório então sugere uma tarefa potencialmente útil de: “Consolidação consistente de relatórios de todo o governo federal, relatórios padronizados, aumento da coleta e análise e um processo simplificado de triagem”.

Isso é muito importante; O relatório é muito, muito específico sobre a falta de adequação de equipamentos de sensores militares típicos para esse tipo de análise. “Os sensores montados nas plataformas militares dos EUA são normalmente projetados para cumprir missões específicas. Como resultado, esses sensores geralmente não são adequados para identificar UAPs.

Desafio nº 3: Não existe uma maneira fácil de contabilizar a “seleção seletiva” de dados. Não sabemos com que frequência os pilotos ou outros observadores veem algo inesperado, mas, um minuto depois, descobrem o que estão testemunhando (ou pelo menos se convencem de que o fizeram) e, consequentemente, não relatam nada. Pode haver milhares de tais incidentes, ou muito poucos. Não sabemos, e esses casos ‘mundanos’ podem realmente representar todos os casos.

O relatório discute o ‘estigma’ em torno do pessoal ou observadores que relatam UAPs, mas também afirma que dos 144 relatórios que foram estudados, apenas 18 incidentes (cobertos em 21 dos relatórios) pareceram demonstrar ‘tecnologia avançada’, na medida em que havia uma aparência de comportamento aeronáutico incomum em movimento.


Em um pequeno número (não especificado) de casos, havia até evidências de sistemas de aeronaves militares “processando energia de radiofrequência (RF)” – seja lá o que isso realmente signifique; presumivelmente, houve um aumento no ruído do rádio. Mas, como em todas as vezes em que nada foi relatado, seja porque algo foi rapidamente identificado, ou porque um piloto simplesmente optou por não fazê-lo, isso permanece um total desconhecido.

Desafio nº 4: Se quaisquer incidentes ou observações estão genuinamente associados a algo tangível e físico, não sabemos se estamos olhando para um único fenômeno subjacente ou muitos. É um pouco como entrar em um zoológico de olhos vendados e tentar entender o que você está ouvindo e cheirando. Se houver apenas uma espécie, você pode descobrir, mas se houver 100 espécies, decodificar sua experiência será muito difícil.

Novamente, o relatório acerta esse prego na cabeça, com uma seção inteira intitulada “UAPs provavelmente carecem de uma única explicação”. Algumas das possibilidades oferecidas são: “Desordem aerotransportada … pássaros, balões, veículos aéreos recreativos não tripulados … detritos como sacos plásticos … que confundem uma cena”, bem como fenômenos atmosféricos naturais (cristais de gelo, flutuações térmicas que podem ser registrados no infravermelho e sistemas de radar), aeronaves classificadas e semelhantes, e ‘sistemas adversários’ estrangeiros.

O relatório do Pentágono também fornece um esboço dos esforços em andamento e possíveis direções futuras para tentar melhorar todas as análises. Isso inclui uma coleta mais sistemática de dados de sensores de aeronaves militares, juntamente com dados da FAA, e aplicação de aprendizado de máquina para filtrar informações atuais e históricas para procurar ‘clusters‘ (grupos), padrões e associações com fenômenos conhecidos como balões meteorológicos, movimentos da vida selvagem e outros -monitorar bancos de dados.

Desafio nº 5: A associação popular de OVNIs com hipóteses envolvendo tecnologia alienígena cria um viés de análise severo. Normalmente, a ciência tenta se mover gradativamente para encontrar apoio para uma determinada hipótese ou para eliminá-las, e pondera essas opções da maneira mais uniforme possível. Mas, neste caso, uma hipótese que exigiria evidências extraordinariamente robustas para ser apoiada (como com o famoso ditado de Carl Sagan “Alegações extraordinárias exigem evidências extraordinárias”), independentemente do que algumas pessoas dizem, paira fortemente sobre qualquer análise ou discussão, e aí é uma comunidade vocal que sente que a resposta já é conhecida. Isso é um problema.

Na verdade, e um tanto ironicamente, os “estigmas socioculturais” em torno do registro de observações surpreendentes mencionadas no relatório são, sem dúvida, exacerbados por elementos da comunidade OVNI que expressam idéias ou crenças que são, bem, fantásticas por natureza.

Consequentemente, observadores, como pilotos profissionais altamente treinados, provavelmente ficarão reticentes em mencionar coisas que os surpreendem. Isso se relaciona com o ponto nº 3 e cria preconceito porque os incidentes não relatados, se analisados ​​posteriormente, poderiam fornecer uma visão significativa – especialmente quanto à frequência com que os observadores humanos ficam simplesmente confusos, em oposição a testemunhar fenômenos genuinamente incomuns.

Onde tudo isso nos deixa? Bem, o relatório do Pentágono sugere maneiras de melhorar a coleta e análise de dados, como descrevi. Ele também aponta que, se algum UAP representar riscos físicos ou desafios de segurança, seria importante descobrir isso. Nesse sentido, há alguma redução de risco possível a ser obtida por meio de uma investigação mais aprofundada dos UAPs, independentemente de uma explicação eventualmente mundana ou extraordinária.

Como um cientista que estuda as possibilidades de vida em outras partes do cosmos, eu me pego dizendo: “Bem, parece que vale a pena trabalhar mais sobre isso”. Mas não é porque eu acho que é provável que extraterrestres ou suas sondas possam estar caindo na atmosfera da Terra. Embora, como um pensador racional, eu não possa, e não deva, excluir permanentemente tais possibilidades, meu ponto nº 5 me incomoda o suficiente para que eu prefira seguir a abordagem gradual. Essa estratégia também traz outros benefícios.

Em particular, acho que a ideia de uma coleta de dados muito mais sistemática (de coisas como sistemas de câmeras de última geração colocados em aeronaves ou em locais de monitoramento) seria uma atividade interessante, independentemente do que realmente está acontecendo em nossos céus.

Novos tipos de dados de lapso de tempo de alta resolução e monitoramento de alta fidelidade de nosso meio ambiente planetário podem ter muitos benefícios adicionais à medida que tentamos navegar em nosso caminho por um mundo em mudança perigosa. Da atmosfera à migração animal ao lixo gerado pelo homem flutuando no ar e no mar, ver o que realmente está acontecendo sempre vai ajudar.

(Fonte)

Colaboração: MaryH


Interessante notar que a maioria dos cientistas e também pessoas fora do âmbito científico sempre usam aquilo que Carl Sagan mencionou, de que “alegações extraordinárias exigem evidências extraordinárias. Pois bem, recentemente ouvi de um corajoso cientista chamado Avi Loeb algo que, ao meu ver, desmonta totalmente aquilo que Sagan disse.

Loeb declarou:

“Conservadorismo [científico] extraordinário leva à ignorância extraordinária.”

-Avi Loeb

Achei perfeita esta colocação. Sim, se a alegação for extraordinária, então ela deve ser investigada de forma extraordinária para que a verdade seja alcançada, e não descartada prontamente por achismos científicos.

Sem a audácia de irmos além das barreiras impostas a nós por mero dogma científico, ficaremos eternamente nadando no mar da ignorância quando se trata de assuntos que “eles” consideram tabu.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol