web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Como saber se os visitantes extraterrestres são amigos ou inimigos

Tempo de leitura: 3 min.

Por Avi Loeb

Apesar das histórias ingênuas sobre viagens interestelares na ficção científica, criaturas biológicas não foram selecionadas pela evolução darwiniana para sobreviver a viagens entre estrelas. Essa viagem necessariamente abrangeria muitas gerações, já que mesmo na velocidade da luz, levaria dezenas de milhares de anos para viajar entre as estrelas no disco de nossa galáxia e 10 vezes mais em seu halo. (Isto é o que a ciência acha, com base na nossa tecnologia atual e sempre ignorando as possibilidades além disso. – n3m3)

Crédito da imagem: depostiphotos

Se algum dia encontrarmos vestígios de alienígenas, portanto, provavelmente será na forma de tecnologia, não de biologia. Detritos tecnológicos podem ter se acumulado no espaço interestelar nos últimos bilhões de anos, assim como garrafas de plástico se acumularam na superfície do oceano. A chance de detectar relíquias tecnológicas alienígenas pode ser simplesmente calculada a partir de seu número por unidade de volume perto de nós, em vez da equação de Drake, que se aplica estritamente a sinais de comunicação de civilizações vivas.

Em um podcast recente sobre meu livro Extraterrestrial, perguntaram-me se a inteligência extraterrestre deveria seguir o fundamento racional da moralidade, conforme formulado ordenadamente pelo filósofo alemão Immanuel Kant. Isso nos preocuparia durante um encontro. Com base na história humana, expressei dúvidas de que a moralidade conquistaria um compromisso global de todos os seres inteligentes da Via Láctea.

Em vez disso, um código de conduta que permite que sistemas de tecnologia alienígena dominem a galáxia também os tornaria mais propensos a ser a forma como encontraríamos extraterrestres pela primeira vez. Praticamente, essa regra funcionará como uma espécie de evolução darwiniana por seleção natural, favorecendo sistemas que podem perseverar por longos tempos e distâncias; e se multiplicar rapidamente e se espalhar na maior velocidade com mecanismos de autorreparação que mitigam os danos ao longo de sua jornada. Esses sistemas já poderiam ter alcançado as zonas habitáveis ​​em torno de todas as estrelas da Via Láctea, inclusive o nosso sol. A maioria das estrelas se formou bilhões de anos antes da nossa, e o equipamento tecnológico enviado de planetas habitáveis ​​próximos a nós poderia ter nos precedido em tempo suficiente para dominar a galáxia antes de virmos a existir como uma espécie tecnológica.

Nossos próprios sistemas de inteligência artificial provavelmente substituirão muitas características da inteligência humana na próxima década. Portanto, é razoável imaginar sistemas de Inteligência Artificial (IA) conectados a impressoras 3-D que se replicariam nas superfícies dos planetas e se adaptariam às mudanças nas circunstâncias ao longo de sua jornada entre os planetas por meio do aprendizado de máquina. Eles poderiam hibernar durante viagens longas e ligar perto das estrelas, usando a luz das estrelas para recarregar seu suprimento de energia. Com isso em mente, é concebível que a estrutura fina e plana que poderia ter caracterizado o objeto interestelar ‘Oumuamua fosse destinada a coletar a luz do Sol e recarregar suas baterias. A mesma antena também poderia ter servido como receptor de sinais de comunicação de sondas já depositadas em planetas habitáveis, como a Terra ou Marte.

E por falar em tais sondas – se um ou mais dos fenômenos aéreos não identificados (UAPs/OVNIs) discutidos no relatório do Pentágono ao Congresso são potencialmente extraterrestres em origem, então os cientistas têm a obrigação de decifrar seu propósito coletando mais dados sobre seu comportamento. Devido ao longo retardo de qualquer sinal de seu ponto de origem, esses objetos provavelmente atuarão de forma autônoma. Como poderíamos saber se um sistema autônomo de IA extraterrestre é um amigo ou um inimigo?

As impressões iniciais podem ser enganosas, como na história do Cavalo de Troia usado pelos gregos para entrar na cidade de Troia e vencer a Guerra de Troia. Portanto, devemos primeiro estudar o comportamento das sondas alienígenas para descobrir que tipo de dados estão procurando. Em segundo lugar, devemos examinar como eles respondem às nossas ações. E, sem outra escolha, devemos engajar sua atenção de uma forma que promova nossos interesses.

Mas o mais importante, a humanidade deve evitar o envio de mensagens confusas a essas sondas, porque isso confundiria nossa interpretação de sua resposta. Qualquer decisão sobre como agir deve ser coordenada por uma organização internacional como as Nações Unidas e policiada consistentemente por todos os governos da Terra. Em particular, seria prudente nomear um fórum composto por nossos especialistas mais talentosos nas áreas de computação (para interpretar o significado de qualquer sinal que interceptamos), física (para compreender as características físicas dos sistemas com os quais interagimos) e estratégia (coordenar a melhor política para atingir nossos objetivos).

No final das contas, podemos precisar empregar nossa própria IA para interpretar adequadamente a IA alienígena. A experiência será tão humilde quanto contar com nossos filhos para dar sentido a novos conteúdos na Internet, admitindo que suas habilidades com o computador excedem as nossas. A qualidade da experiência e da IA ​​pode ser mais importante do que a força física ou inteligência natural para determinar o resultado de um campo de batalha tecnológico.

Sendo a espécie mais inteligente da Terra, nosso destino está sob nosso controle até agora. Isso pode não ser verdade após nosso encontro com sistemas extraterrestres de IA. Consequentemente, a maturidade tecnológica obtém um senso de urgência para a sobrevivência darwiniana na competição global das civilizações da Via Láctea. Somente nos tornando suficientemente avançados podemos superar as ameaças de equipamentos tecnológicos alienígenas. Esperamos que, na corrida galáctica, nossos sistemas de IA sejam mais espertos que os alienígenas. Assim como nos tiroteios do Velho Oeste, o sobrevivente pode ser o primeiro a sacar uma arma sem hesitar.

(Fonte)


O astrônomo da Harvard, Avi Loeb, está lançando hoje (26) uma inciativa para procura científica por sinais de visita ET à Terra. Para mais detalhes, acesse o artigo abaixo, que foi publicado no sábado (24) aqui no OH:

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol