web analytics

Raios globulares e o mistério dos fenômenos aéreos não identificados

Tempo de leitura: 4 min.

Dos muitos tipos de fenômenos aéreos não identificado que são frequentemente relatados, junto com discos, triângulos e os relatórios mais recentes de “tic tacs”, outra variedade comum envolve “orbes” ou esferas.

Renderização histórica de uma observação interna de um raio globular (domínio público).

Geralmente descritos como uma bola que emite luz variando em tamanho de uma bola de praia a um ônibus urbano, esses objetos foram vistos perseguindo aeronaves em grandes altitudes e tremenda velocidade, ou flutuando lentamente perto do solo. Alguns relatos afirmam que eles até mesmo passaram por janelas de vidro fechadas em edifícios onde desaparecem, às vezes acompanhados por um som de estalo.

Os céticos muitas vezes descartam avistamentos de OVNIs como sendo raios globulares, mas para os muitos casos em que são citados, muito poucos dados concretos sobre raios globulares são fornecidos. Isso leva a uma série de perguntas compreensíveis: Seria o raio globular real? E se sim, como funciona? Com isso em mente, o site The Debrief decidiu dar um mergulho profundo no assunto, falando com especialistas e analisando algumas das pesquisas existentes sobre o fenômeno frequentemente citado, mas pouco compreendido, que é o raio globular.

Separando a ciência do mito

Um dos aspectos mais frustrantes do debate sobre o raio globular é a falta de um vídeo sólido ou de evidências fotográficas de procedência confiável. Muitos raios globulares são regularmente filmados nos céus, mas não fornecem muitos dados. Enquanto procurávamos por melhores fontes de material, colocamos a questão para uma variedade de entusiastas de OVNIs nas redes sociais. Uma das respostas mais comuns foi alguma variação de “aquele filmado nos trilhos da ferrovia”. Esse vídeo certamente existe e é espetacular. Veja por si mesmo.

Infelizmente, apesar de quão impressionante o vídeo pode ser e quão amplamente ele circulou na comunidade de ufologia, não é um vídeo real de um fenômeno climático. Esta filmagem foi postada pela primeira vez pelo usuário do YouTube, Andrei Trukhonovets, em maio de 2019. Ele incluiu uma nota dizendo que o vídeo “apresentava CGI” e foi criado “quando eu comecei a aprender computação gráfica, portanto, há muitos erros aqui e ali”. Outros vídeos que pretendem mostrar o fenômeno de perto revelaram-se, na melhor das hipóteses, de origem duvidosa.

A Teoria elétrica do raio globular

Começamos com a suposição de que o raio globular é, na verdade, “relâmpago”. O relâmpago normal, nuvem-a-nuvem ou nuvem-solo, é algo que quase todo mundo já viu e é bem compreendido. Mas um raio que é capturado de alguma forma semelhante a um globo parece muito diferente. Como a iluminação é um fenômeno climático, o Debrief entrou em contato com o meteorologista-chefe da NBC News, Bill Karins, para descobrir o que se sabia sobre esse assunto em seu ramo da ciência.

Karins nos disse que este é um assunto que ele examinou muitas vezes. Ele nos apontou a descrição atual de rios globulares fornecida pela American Meteorological Society. Sua descrição corresponde à maioria das ouvidas na tradição dos OVNIs, mas eles oferecem uma advertência importante:

“Considerado polêmico devido à falta de evidências físicas inequívocas de sua existência, o raio globular está se tornando mais aceito devido às recentes recriações de laboratório que lembram o raio globular. Apesar das observações e modelos dessas bolas de fogo, o(s) mecanismo(s) exato(s) para os relâmpagos que ocorrem naturalmente são desconhecidos.”

Karins acrescentou que “não se sabe muito sobre isso.”

Outras pesquisas neste campo sugerem que a palavra “raio” pode ser simplesmente um nome impróprio, levando à falta de explicações no campo da meteorologia. Na verdade, procurar qualquer explicação baseada na corrente elétrica apresenta desafios consideráveis. Como confirmam os profissionais da área de tecnologia eletrônica, a razão pela qual a eletricidade é um servo tão útil para as ambições tecnológicas da humanidade é que ela é tão confiável.

A eletricidade de corrente contínua (DC), como a armazenada em uma bateria, sempre flui do eletrodo positivo, ou ânodo, para o eletrodo negativo, o cátodo. Ela sempre segue o caminho de menor resistência e não se importa se está acendendo suas lâmpadas de Natal ou aumentando o sinal em seus fones de ouvido ao longo do caminho.

Os relâmpagos agem da mesma maneira quando uma carga positiva se acumula nas nuvens de tempestade devido ao atrito entre as moléculas suspensas até que finalmente supera a resistência do ar e atinge o solo de forma espetacular. A corrente que flui não flutua em uma bolha de ar. Além disso, o vidro é um excelente isolante em termos de corrente elétrica e o raio não “flutuaria” através de uma vidraça. Portanto, é necessária outra explicação.

Bolas de fogo

Para uma explicação não elétrica, o Debrief voltou-se para o trabalho do engenheiro da Universidade de Canterbury, Dr. John Abrahamson.

Como ele sugeriu:

“O raio globular pode ser o resultado de material terrestre vaporizado sendo empurrado para cima por uma onda de choque de ar. A sílica vaporizada se condensa em nanopartículas – partículas microscópicas com pelo menos uma dimensão menor que 100 nanômetros – e é ligada por cargas elétricas. Ele brilha devido a uma reação química entre o silício e o oxigênio do ar.”

Essas condições existem quando um raio atinge a terra.

A pesquisa original do Dr. Abrahamson pode ter se mostrado profética. Uma equipe de pesquisadores na China conduziu um estudo de relâmpagos normais nuvem-solo em julho de 2012 usando câmeras de vídeo e um espectrômetro e eles conseguiram capturar um exemplo de raio globular. O espectrômetro detectou silício, ferro e cálcio na esfera brilhante.

Em outras palavras, os elementos comumente encontrados na sujeira que o raio atingiu. Você pode ver o vídeo deste evento em Physics.APS.org (embora devamos avisá-lo com antecedência que o raio da bola era aproximadamente do tamanho de uma bola de golfe e durou apenas 1,3 segundos).

Outros pesquisadores identificaram diferentes exemplos de bolas de fogo produzidas por corrente elétrica durante quedas de raios. Isso inclui um estudo publicado na revista Nature, mostrando que bolsões de gases combustíveis, como propano ou metano, foram incendiados durante a queda de um raio. Isso não é incomum, uma vez que você pode ver eventos semelhantes acima das plataformas de perfuração de petróleo quando elas “queimam” o excesso de gases em qualquer noite. Mas, mais uma vez, não são de natureza elétrica. Eles são literalmente “bolas de fogo” e têm curta duração e se movem em padrões previsíveis.

Conclusões: Raios globulares são reais, mas poderiam imitar um OVNI?

Efeitos que produzem algo que definitivamente se assemelha ao que normalmente pensamos como sendo “raios globulares” definitivamente foram observados. Eles ocorrem na natureza conforme descrito anteriormente. Alguns exemplos exóticos foram produzidos em laboratórios, seguindo a “teoria relativística das microondas”, mas exigem restrições ambientais complexas não encontradas na natureza. Mas bolas de fogo são facilmente explicáveis ​​e seguem padrões previsíveis.

Com todas essas informações em mãos, como esses exemplos correspondem às descrições que vimos de “orbe” OVNI? Se você viu um flutuando por alguns segundos acima do solo imediatamente após um relâmpago, você pode muito bem ter visto um raio globular e pode ser perdoado por acreditar que observou algo paranormal ou até mesmo extraterrestre. Mas nenhuma das explicações descritas acima produz uma orbe brilhante capaz de voar alto acima da terra e manobrar em altas velocidades ou mesmo mergulhar na água como alguns avistamentos de OVNIs transmídia descrevem.

Portanto, se essas esferas são reais e não se enquadram nos critérios conhecidos que descrevem “raios globulares” observados, o que são? Essa é uma pergunta para outro artigo.

(Fonte)


Um outro vídeo – desta vez aparentemente real – que mostra aquilo que pode ter sido um raio globular, é encontrado no artigo abaixo:

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


Meus sinceros agradecimentos aos que doaram ao OH neste mês de maio:

  • Boris G. K.
  • Ricardo C. A.
  • Eduardo S. S.
  • Egidia L.
  • Joaquim F. P. C.
  • Helio S Jr.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol