web analytics
Tempo de leitura: 4 min.

Quando a ortodoxia científica se assemelha ao dogma religioso

Tempo de leitura: 4 min.

Lembra de Avi Loeb, o cientista da Harvard que teorizou que o ‘Oumuamua, o objeto de outro sistema solar que nos visitou, poderia ter sido uma sonda alienígena e foi combatido pelos seus pares? Pois agora ele escreveu o seguinte artigo, o qual mostra, de forma muito mais eloquente, exatamente aquilo que tenho mencionado há anos aqui no OH:

Quando a ortodoxia científica se assemelha ao dogma religioso
Galileu em seu julgamento. Crédito: Wikimedia (CC BY 4.0)

Quando meu colega de Harvard, Stephen Greenblatt, viu meu livro Extraterrestrial na capa da revista Ortodoxa Judiaica Ami, ele comentou:

“É interessante que os Ortodoxos evidentemente não consideram sua fé ameaçada pela possibilidade de outros mundos habitados.”

Ao que respondi:

“Eles parecem ser menos ortodoxos do que meus colegas da comunidade científica.”

Isso foi em referência à resistência que meu livro recebeu em relação à possibilidade de que o objeto interestelar ‘Oumuamua pudesse ter sido fabricado por outra civilização.

A inovação floresce em uma cultura disposta a adquirir novos conhecimentos, em vez de ficar presa em seu sistema de crenças do passado. Um astrônomo tradicional que trabalhou em rochas no sistema solar por décadas comentou de má vontade:

“‘ Oumuamua é tão estranho…. Eu gostaria que nunca tivesse existido.”

Esse sentimento não é a marca registrada de uma cultura intelectual que promove a descoberta. Nas semanas que se seguiram à publicação de meu livro, recebi inúmeros e-mails de astrônomos, alguns titulares, que confessaram concordar comigo, mas têm medo de falar abertamente por causa das possíveis repercussões em suas carreiras (grifo meu -n3m3).

A resistência à inovação não é um fenômeno novo. Quando o astrônomo Otto Struve sugeriu em um artigo de 1952 a busca por Júpiteres quentes – planetas massivos e gasosos como nosso próprio Júpiter orbitando muito perto de suas estrelas – sua proposta foi ignorada até que Didier Queloz e Michel Mayor encontraram 51 Pegasi b. Antes dessa descoberta, os astrônomos argumentaram que o tempo do telescópio não deveria ser “desperdiçado” nesta busca porque um planeta como Júpiter provavelmente não se formará tão perto de uma estrela semelhante ao Sol. Muitos até duvidaram se os exoplanetas são comuns em primeiro lugar. O fato de que esse “bebê” preditivo tenha nascido quatro décadas depois de ter sido concebido implica que deve haver mais “bebês” que nunca nasceram porque sua existência ainda está em dúvida. Colocar antolhos em nossos telescópios nos mantém em nossa zona de conforto à custa de prolongar nossa ignorância. Mas a realidade não obedece ao nosso preconceito; a existência de exoplanetas ou civilizações vizinhas não depende se os buscamos.

Encontrar evidências extraordinárias requer um compromisso de fundos extraordinários. Isso era verdade nas buscas bem-sucedidas do bóson de Higgs ou ondas gravitacionais, e é definitivamente verdade na busca até agora malsucedida da natureza da matéria escura. A falta de evidências pode ser uma profecia autorrealizável, resultado de não se investir o suficiente na busca (grifo meu – n3m3). Todas as quatro propostas para explicar as anomalias de ‘Oumuamua no contexto de uma origem natural contemplavam objetos que nunca havíamos visto antes no sistema solar, incluindo um iceberg de hidrogênio, um iceberg de nitrogênio, um fragmento de ruptura de maré ou um “coelhinho” de poeira. Portanto, ao tirar uma fotografia em close-up de um objeto semelhante ao ‘Oumuamua no futuro, aprenderemos algo novo sobre os berçários que dão origem a objetos que nunca imaginamos antes da descoberta do ‘Oumuamua. Nosso conhecimento científico se beneficiará independentemente de esses objetos serem de origem natural ou artificial. Apenas um cenário manterá nossa ignorância – o de “negócios como de costume” e falta de interesse nas anomalias do ‘Oumuamua.

A cultura de ignorar ideias testáveis ​​por causa do preconceito coexiste confortavelmente com uma cultura mais extrema que abraça outras ideias sem exigir nenhum teste. O único requisito é que as ideias sejam populares em uma grande comunidade que as considere legítimas. Há uma vantagem em não colocar “pele no jogo” com noções como o multiverso ou o cenário da teoria das cordas, que não podem ser provadas erradas por testes experimentais e, portanto, oferecem um pano de fundo ideal para demonstrar virtuosismo matemático. Como diz o ditado rabínico: “Quem quer mentir, afasta o testemunho”.

Uma cultura livre de dados, uma reminiscência de outros sistemas de crenças indiscutíveis, ganhou popularidade na física teórica após o cancelamento do Supercondutor Super Collider em 1993. A escassez de dados resultante deu origem a uma nova estrutura teórica que omite qualquer obrigação de falseabilidade. Na primeira conferência anual da Black Hole Initiative de Harvard, um filósofo argumentou que, se os físicos concordam com uma noção por uma década, ela deve ser válida. Mas a história nos ensina o contrário: sem se preocupar em olhar pelo telescópio de Galileu Galilei, os filósofos concordaram de forma esmagadora sobre a noção incorreta de que o Sol se move ao redor da Terra.

Ao mesmo tempo, devemos também ter em mente que bons dados por si só não são suficientes para nos aproximar da verdade. Mesmo quando os dados são coletados, eles podem ser ignorados ou mal interpretados devido ao preconceito (grifo meu – n3m3). Imagens de arcos gigantes de luz ao redor de aglomerados de galáxias foram publicadas no Astrophysical Journal muito antes de serem interpretados de maneira adequada na década de 1980, como sendo resultado de lentes gravitacionais de galáxias de fundo mais distantes. Em outro exemplo, a astronomia maia reuniu dados requintados sobre os movimentos dos planetas e estrelas no céu, mas os usou por decreto ortodoxo para prever o resultado das guerras em vez de descobrir a lei da gravidade de Newton. Em um evento recente de livro que tive com escritores de ciência, foram mencionados exemplos de casos em que as evidências foram rejeitadas pela corrente principal em várias disciplinas científicas porque não estavam de acordo com o paradigma prevalecente (grifo meu – n3m3).

Todos esses rios de erros na forma de ciência organizada ou religião fluem do mar de autoridade – a interpretação de evidências ou a falta delas para proteger o pensamento de grupo das dúvidas, ridicularizando as alternativas. Como afirmou Galileu: “Em questões de ciência, a autoridade de mil não vale o humilde raciocínio de um único indivíduo”. Quando um livro intitulado “A Hundred Authors against Einstein” (“Cem Autores contra Einstein”, em título de tradução livre) foi publicado em 1931, Albert Einstein respondeu que, se ele estivesse errado, um autor teria sido suficiente. Uma forma contemporânea de parafrasear Galileu e Einstein é que a verdade não é decidida pelo número de curtidas no Twitter.

Dada essa perspectiva, o retrocesso ao meu livro não é de forma alguma uma experiência da qual me arrependo. Em vez disso, como Robert Frost observou: “Duas estradas divergiam em uma floresta, e eu – eu peguei aquela que era menos percorrida e isso fez toda a diferença”. Esta aventura pessoal é ofuscada pelas implicações mais amplas de descobrir se a humanidade é realmente a “criança mais inteligente do bloco interestelar”. Ao longo da vida, nos assemelhamos a atores que recebem roteiros impostos por tradições ortodoxas. A tarefa mais importante diante de nós, como civilização, é encontrar atores livres-pensadores dos exoplanetas e saber se eles têm uma noção melhor do que é a peça. Esperamos que sua resposta não seja ancorada em milênios de ortodoxia, mas sim humilhada por eras de interpretação de evidências de mente aberta.

– Avi Loeb

(Fonte)


Avi Loeb pode ter muitos erros e defeitos, assim como todos nós humanos, mas devo admira-lo como sendo um homem de visão e coragem, enfrentando pares – a maioria deles – com mentes obtusas que deveriam, se consideramos sua suposta missão como profissionais da ciência, ser abertas e dispostas a investigar o desconhecido.

Então, quando cientistas ortodoxos te dizem que não há evidências de vida alienígena, certamente é porque seus dogmas ou mesmo medos de crítica por pares os impedem de sequer analisarem dados que podem levar à esta descoberta. Um “medão” terrível de terem que reescrever o livro que os conforta.

Infelizmente, a academia, que deveria abrir portas e janelas para novos horizontes, muitas vezes age como uma cela regida pela lavagem cerebral e doutrinação; e ai daquele que ousar desafiá-la.

Que, no futuro, a raça humana desperte e corrija este erro que tem imposto uma lentidão nas nova descobertas desde sempre. E, acredite, este mal não é nada mais do que o fruto podre da vaidade humana.

Avi Loeb, estou contigo.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp