web analytics

Evidência de sete níveis de infraestrutura abaixo do planalto de Gizé

Tempo de leitura: 3 min.
Evidência de sete níveis de infraestrutura abaixo do planalto de Gizé
Crédito: GAIA

A oito quilômetros da cidade do Cairo fica um dos locais mais antigos e atraentes da história da humanidade. Este mistério compreende as três pirâmides principais de Gizé que passaram a representar uma das civilizações antigas mais famosas. As pedras megalíticas que formam essas estruturas ficam em um grande planalto, e agora os investigadores descobriram outra coisa fascinante que fica abaixo das pirâmides.

Gregg Braden explica que alguns dos primeiros relatos confiáveis ​​do planalto de Gizé vêm do historiador e geógrafo grego Heródoto, que, no início dos anos 400 a.C., compilou um livro de referência sobre civilizações, culturas e tecnologias antigas anteriores à sua época em milhares de anos.

Antes de Heródoto, ninguém havia apresentado um estudo sistemático e completo do passado, tentando ligar os eventos à forma como eles moldaram a história. Heródoto especulou que havia passagens escondidas sob as pirâmides, bem como câmaras, caminhos e grandes espaços – todos criados quando o clima e a topografia do Egito eram muito diferentes do que é hoje. Heródoto sentiu que sob as pirâmides estavam os restos de outras civilizações antigas.

Se Heródoto estava correto, as pirâmides podem estar assentadas sobre a cápsula do tempo mais incrível da história, revelando não apenas culturas há muito perdidas, mas também suas tecnologias e origens salvas nos primeiros escritos e imagens.

Dois pesquisadores se destacam na busca pela descoberta dos espaços subterrâneos sob as pirâmides: o cônsul geral britânico Henry Salt e seu explorador contratado Giovanni Battista Belzoni. Esses homens foram capazes de pesquisar a área com a tecnologia limitada de seu tempo no início de 1800 e foram conduzidos pela topografia do deserto a uma área na borda do Planalto de Gizé, agora um achado arqueológico próprio chamado A Tumba dos Pássaros.

Andrew Collins, o autor de “Beneath the Pyramids” (“Abaixo das Pirâmides” – título em tradução livre), sugere que A Tumba dos Pássaros foi uma homenagem a um guardião de registros ocultos e talvez este local, a poucos passos das pirâmides, seja uma das entradas para o mundo subterrâneo sob Gizé.

A ciência moderna apóia a afirmação de Collins graças às imagens de satélite, revelando uma passagem subterrânea da Tumba dos Pássaros para a segunda pirâmide. Esta descoberta quase se perdeu na história, mas foi redescoberta em 2008, quando Collins leu o diário de Salt de 1817. É aqui que a história começa a ficar interessante…

Gizé há muito é conhecida como Rostau, que significa a “boca das passagens”, e pode ser a chave para esse tesouro de conhecimento perdido. E com a ajuda do egiptólogo britânico Nigel Skinner-Simpson, Andrew Collins traz uma nova luz para a exploração de Henry Salt no planalto.

De acordo com as traduções do pesquisador Anton Parks de antigas tabuletas sumérias, havia sete níveis de cavernas abaixo do planalto de Gizé. Este sistema subterrâneo era habitado por antigos deuses egípcios conhecidos como Clã de Osíris. A pesquisa de Parks descobriu que antes desses “deuses” extraterrestres, outra espécie de extraterrestre com cabeça de leão, conhecida como Urma, veio à Terra e habitou esta infraestrutura subterrânea. É por isso que vemos resquícios de suas espécies na Esfinge e na deusa egípcia Sekhmet.

Parks diz que esses sete níveis eram enormes e inicialmente esculpidos pelos Mediterrâneos, que engolfou o Egito há milhares de anos. O primeiro nível era habitado por prisioneiros e pessoas da corte egípcia. O segundo nível era onde corria um afluente subterrâneo do Nilo e onde os jardins eram mantidos. No terceiro nível viviam os híbridos e seus deuses, assim como os humanos dedicados à descendência híbrida. O quarto nível abrigava a realeza do deus egípcio. E os níveis finais abrigaram a tecnologia que criou as atmosferas artificiais e geradores de energia para fornecer energia para toda a infraestrutura.

Esse enorme sistema subterrâneo ainda poderia existir?

Tal como acontece com todos esses mistérios, apenas o tempo dirá a verdade e revelará o que foi suspeitado por tanto tempo sobre o sistema subterrâneo de cavernas, câmaras e talvez até tesouros escondidos de Gizé. E parece que, dada a tecnologia de hoje, podemos ser capazes de espiar mundos perdidos muito abaixo da superfície das pirâmides.

(Fonte)

Colaboração: SENAM


Muito se fala de estruturas escondidas abaixo do planalto de Gizé, porém o governo egípcio controla quaisquer tentativas de exploração desta região. Seria porque sabem de algo que não querem contar para o mundo, ou somente porque querem preservar a região?

Como o próprio artigo acima mencionou, o tempo dirá.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.