web analytics

A abdução bizarra pelos “alienígenas monólitos”

Tempo de leitura: 4 min.
A abdução bizarra pelos alienígenas monólitos
Imagem meramente (e obviamente) ilustrativa de outro caso com um monólito. Crédito da imagem: depositphotos

Por Brent Swancer

Existem inúmeros encontros com supostos alienígenas por aí. As pessoas têm relatado encontros estranhos com entidades enigmáticas há algum tempo e, na maioria das vezes, tendem a se inclinar para os comuns alienígenas “Gray” mais conhecidos na cultura popular, os mais animalescos “Reptilianos” e os loiros de aparência humana “Nórdicos”; e as criaturas vistas em tais encontros realmente perfazem a maior parte dos casos. Ocasionalmente, há alguns relatos muito distantes e completamente bizarros mencionados, e um deles é certamente a história do cara que foi abduzidos por monólitos alienígenas.

Era a noite de 26 de janeiro de 1977, e tinha sido uma noite muito boa para Lee Parish, de 19 anos. Ele foi para a casa da namorada na cidade de Prospect, Kentucky (EUA), e quando saiu à 1h da manhã estava de bom humor. Ele entrou no carro e começou sua curta viagem de volta para casa através de fazendas e campos até onde a vista alcançava.

Enquanto ele olhava para a estrada, as faixas da pista hipnoticamente passando, ele notou à frente um objeto muito estranho aparentemente pairando sobre a estrada, emanando um brilho laranja amarelado. Mais tarde, ele se lembraria de ter tido a sensação de que “apareceu do nada” porque a paisagem circundante era totalmente simples e ele não o tinha visto realmente se aproximar.

À medida que se aproximava, ele podia ver que parecia ser retangular, talvez 3 por 12 metros, mas não conseguia distinguir muitos detalhes por causa do brilho ofuscante. À medida que se aproximava do objeto, seu carro começou a apresentar vários problemas elétricos, os faróis piscando e o rádio de repente ficou silencioso. Sua visão pareceu ficar turva e então o objeto se ergueu no ar e disparou noite adentro em grande velocidade. Ele se sentia como se estivesse prestes a perder a consciência, mas conseguiu voltar para casa, onde sua noite ficaria ainda mais estranha.

Assim que ele entrou pela porta, ele percebeu que algo estava errado. Embora a casa de sua namorada ficasse a apenas 7 minutos de carro, quase uma hora tinha se passado inexplicavelmente. Então, quando sua mãe o viu, ela quis saber o que havia acontecido com seus olhos, o que o fez olhar no espelho para ver que estavam extremamente irritados e vermelhos, e ele também sentiu que estavam muito doloridos. Naquela noite ele mal dormiu, lembrando-se daquela estranha nave retangular, do período perdido, e ficando cada vez mais convencido de que o que havia visto era devido aos olhos irritados e vermelhos.

Ele começou a suspeitar que algo muito bizarro havia acontecido naquela estrada e que sua memória do que acontecera talvez não fosse toda a história. Na manhã seguinte, ele contou à mãe o que havia acontecido, e ela foi muito compreensiva, até mesmo contatando o hipnotizador local Lawrence Allison, bem como dois pesquisadores de OVNIs chamados Don Elkins e Carla Rueckert. Eles decidiram tentar hipnotizar Parish e ver que tipo de memórias eles poderiam desenterrar, o que acabaria sendo mais estranho do que qualquer um deles havia previsto.

Parish seria hipnoticamente levado de volta à estrada naquela noite, explicando o que estava acontecendo em sua cabeça e vendo a bizarra nave retangular à frente, mas as coisas então tomariam um desvio abrupto para o verdadeiramente estranho. Ele disse que enquanto o observava, o objeto tinha passado de laranja avermelhado para preto e depois para branco, tão brilhante que machucava seus olhos, e então seu carro parecia estar pairando sobre o asfalto.

Então, de repente, ele não estava mais no carro, mas sim sentado em uma enorme sala circular com paredes brilhantes. As dimensões da sala eram tão grandes que ele estimou que fosse anormalmente maior do que o objeto real que vira, e havia um estranho movimento de balanço em tudo ao fundo, como se estivessem em um barco no mar. A sala estava completamente vazia, exceto por três máquinas extremamente estranhas ou criaturas de algum tipo. Uma tinha cerca de 6 metros de altura, toda preta e parecia um monólito ou lápide. A única coisa quebrando seu exterior era um único braço sem mão com uma junta.

A outra era muito menor, com cerca de 1,8 metro de altura, e parecia um cubo branco luminoso puro com outro cubo no topo como uma “cabeça” e dois braços dobrados contra seu corpo.

A terceira entidade era a menor e era um quadrado retangular vermelho com uma cabeça em forma de cunha e um único braço sem junta. Parish tinha a nítida sensação de que esses eram seres sencientes e que o branco era o seu líder, embora ele não tivesse certeza de porque sabia disso.

Enquanto ele se sentava lá em uma mistura de admiração e medo, o preto e o pequeno vermelho se aproximaram dele, com o vermelho parecendo nervoso e com medo dele. O gigante negro estendeu a mão para tocar o braço e as costas de Parish, enviando uma sensação de frio ardente passando por ele, bem como uma sensação de vibração que balançou seu corpo. O pequeno vermelho também estendeu a mão para tocar sua cabeça, parecendo muito cauteloso e amedrontado, como alguém faria ao se aproximar para acariciar um cachorro zangado, e seu toque produziu uma sensação aguda de cutucada e picada como uma agulha.

Depois disso, o vermelho ficou atrás do branco, possivelmente até mesmo se fundindo com ele, Parish não sabia dizer, e o branco começou a produzir um som desagradável que parecia “um som de raspagem rítmica”. Quando este som começou, o preto recuou de Parish, após o que o branco deu um passo para trás e o monólito gigante desapareceu, aparentemente junto com os outros, deixando o agora aterrorizado Parish sentado ali sozinho.

Ele agora se sentia quase desconfortavelmente quente, o frio foi substituído por calor, e seus membros estavam pesados ​​como se ele estivesse se movendo debaixo d’água. Então, em um instante, ele estava sentado em seu carro novamente e a nave estava subindo no ar para acelerar, seu rádio ligando novamente. Ele comparou sua volta ao veículo a ser teletransportado, um minuto ele estava naquele quarto estranho, e logo depois no carro.

Quando questionado sobre o que ele pensava que os alienígenas estavam fazendo com ele, o melhor que ele conseguiu dizer foi que eles o estavam examinando de alguma forma. Os pesquisadores de OVNIs estavam um pouco inseguros sobre o que pensar deste relato surreal, mas foi um tanto corroborado quando eles encontraram um fazendeiro local que afirmou ter visto uma grande luz brilhante pairando sobre os campos na mesma noite em que Parish teve seu experiência. Os pesquisadores também sentiram que Parish era um jovem simples que parecia sincero e pouco inclinado a inventar histórias, e eles concluíram que valia a pena considerar o avistamento e estudar mais.

Ficamos nos perguntando o que aconteceu com esse cara e o que exatamente foi que ele viu. O que eram essas entidades e elas realmente existiram fora de sua própria cabeça? É difícil dizer, mas é um dos encontros alienígenas mais estranhos já registrados.

(Fonte)


Se o relato de Parish for real, seriam essas entidades alienígenas alguma forma de Inteligência Artificial, como teorizou a cientista da NASA, Susan Schneider? Num universo estranho como o nosso, não seria de se espantar se esse fosse o caso.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.