web analytics
OVNI Hoje!
Notícias diárias sobre OVNIs / UFOs, vida extraterrestre, bem como assuntos impactantes relacionados ao Universo e à Terra.

Cofres tibetanos secretos e armas de aeronaves

Tempo de leitura: 4 min.

Atenção: A matéria abaixo, publicada aqui como parte da missão do OH, não possui comprovação de veracidade das declarações nela apresentadas, podendo contradizer a ciência atualmente aceita e as crenças gerais difundidas na humanidade.

Cofres tibetanos secretos e armas de aeronaves
Astra: arma de destruição em massa dos deuses

No Mahabharata, um antigo poema indiano de volume incomum, aprendemos que alguém chamado Asura Maya possuía uma vimana de cerca de 6 m de circunferência, equipada com quatro asas fortes.

Este poema é um tesouro de informações relativas aos conflitos entre deuses que resolveram suas diferenças usando armas que são obviamente tão mortais quanto aquelas que podemos usar hoje. Além de “mísseis brilhantes”, o poema descreve o uso de outras armas mortais. O “dardo de Indra” é operado com um “refletor” redondo. Quando ligado, ele emite um feixe de luz que, ao ser focado em qualquer alvo, imediatamente “o devora com sua força”. Em um caso particular, quando o herói, Krishna, persegue seu inimigo, Salva, no céu, Saubha tornou o vimana de Shalva invisível.

Astra – significa armas de destruição em massa e muitos outros tipos de armas terríveis são descritas de forma bastante autêntica no Mahabharata, mas a mais terrível delas foi usada contra Vrish. A narração diz:

“Gurkha, voando em sua vimana rápida e poderosa, lançou um único projétil carregado com todo o poder do Universo nas três cidades de Vrishi e Andhak. Uma coluna incandescente de fumaça e fogo, brilhante como 10.000 sóis, ergueu-se em todo o seu esplendor. Uma arma desconhecida, o Raio de Ferro, um gigantesco mensageiro da morte que transformou em cinzas toda a raça dos Vrishis e Andhaks.”

É importante observar que esses tipos de registros não são isolados. Eles se correlacionam com informações semelhantes de outras civilizações antigas. Os efeitos desse raio de ferro contêm um anel ameaçadoramente reconhecível. Obviamente, aqueles que foram mortos por ela foram queimados de forma que seus corpos não eram reconhecíveis.

Astra aparece diante de nós como uma arma sobrenatural usada por uma divindade em particular. O domínio ou uso de uma arma exigia o conhecimento de um mantra ou invocação.

Cada Astra tinha termos de uso especiais, e a violação dos termos poderia ser fatal. Devido ao gigantesco poder destrutivo desta arma, seu conhecimento foi passado de professor para aluno exclusivamente por via oral.

Astra desempenharia um papel muito importante no Ramayana e no Mahabharata, onde são usadas ​​em grandes batalhas por arqueiros como Rama, Karna ou Bhishma. De fato, suspeita-se que, como no caso das Vimanas, algumas Astras trabalhem à base de mercúrio, ou de líquidos muito semelhantes, que podem circular, girando quase à velocidade da luz.

Existem várias dezenas de Astras diferentes, de acordo com o seu “modelo operacional” e características. Cada deus principal tinha sua própria Astra, dotada de certo poder. Por exemplo, Devastra era o equivalente mítico do foguete tradicional moderno; a Asurastra que destruiu os asuras era o equivalente mítico dos modernos mísseis biológicos.

Muitos dizem que há 30.000 anos os deuses destruíram os asuras com armas nucleares – mas isso provavelmente é uma questão de opinião e interpretação de textos antigos no sentido moderno. Também é mencionado o temível e destrutivo Brahmastra, o presente de Brahma (o Criador), o equivalente mítico das armas nucleares modernas. Conforme mencionado nas sagas épicas da Índia, o poder de Brahmaster é capaz de destruir o mundo inteiro.

É assim que o Mahabharata (Vanaparvan, capítulos 168-173) descreve a batalha na qual o guerreiro Arjuna – o grande herói – lutou contra a horda de Asuras:

“Indra, o senhor do céu, exigiu que Arjuna destruísse todo o exército de Asuras. Esses trinta milhões de demônios viviam em fortalezas localizadas nas profundezas dos mares. Indra, o senhor dos céus, deu sua própria vimana a Arjuna, pilotada por seu inteligente assistente Matali.”

Na batalha feroz que se desenrolou, os Asuras causaram chuvas esmagadoras, mas Arjuna marchou contra eles com uma arma divina que conseguiu drenar toda a água … Arjuna disparou um projétil mortal que destruiu toda a cidade dos orgulhosos.

Informações sobre uma série de artefatos antigos foram obtidas em 1929 durante o interrogatório do trotskista Y. Blumkin, que havia participado anteriormente das expedições do NKVD ao Tibete, em conexão com a venda de informações secretas sobre as armas da “civilização dos deuses ” aos serviços de inteligência alemães e japoneses. A traição de Y.Blyumkin de fato permitiu que a liderança do Terceiro Reich usasse as altas tecnologias da “civilização dos deuses”, que mais tarde foram usadas pelos nazistas para criar uma base secreta na Antártica, bem como para criar vários tipos de “armas de retaliação”:

“Como já disse ao meu investigador, em uma viagem de negócios ao Tibete em 1925, por ordem do chefe do estado tibetano, o Dalai Lama 13, fui levado a corredores subterrâneos e mostrado alguns dos chamados artefatos – armas do deuses, preservados na Terra de 15-20 mil anos antes de nossa. Essas armas são mantidas em salas separadas. Escrevi sobre isso em detalhes em meus relatórios…

As características das armas são aproximadamente as seguintes:

1. Fórceps gigante – “Wajaru”. Com a ajuda deles, metais preciosos são fundidos. Se você derreter ouro na temperatura da superfície do Sol (6 mil graus C), o ouro se inflama e se transforma em pó por 70 segundos. Esse pó foi usado na construção de enormes plataformas móveis de pedra. Se esse pó for derramado na plataforma, seu peso será reduzido ao mínimo. O pó também era usado na medicina, no tratamento de doenças incuráveis ​​e para a elite – principalmente os líderes o usavam como alimento para prolongar suas vidas.

2. Sino- o chamado “Shu-tzu”, com a ajuda do qual você pode cegar por um tempo um grande exército ou um exército inteiro. Seu modo de ação consiste em transformar ondas eletromagnéticas em uma determinada frequência, que o ouvido humano não percebe, mas atua diretamente no cérebro. Esta é uma arma muito estranha. Com sua ajuda, o profeta indiano Arjuna venceu grandes batalhas, causando pânico em seus inimigos.

Eu não vi como essa arma funciona. Vi as próprias unidades nos corredores subterrâneos, e um membro do Conselho do Tibete me deu explicações sobre as características técnicas que passei aos alemães, ou melhor, ao representante da inteligência militar alemã, Sr. von Shtilhe. Conheci Shtilhe na Europa em uma viagem de negócios ao exterior.

Além das características técnicas dessas duas unidades, também dei a Shtilhe informações sobre outra arma dos deuses. Esta arma permaneceu cerca de 8-10 mil anos a.C., foi descoberta em cidades subterrâneas sob o gelo da Antártica na área da Terra da Rainha Maud. Pelo que eu sei, para chegar lá é preciso uma chave e um rito de passagem, já que este lugar é guardado por guardiões.

Esses dispositivos podem se mover embaixo d’água e no ar, e o fazem em grande velocidade. Eles se movem em aeronaves especiais de formato redondo, que não são como os aviões que conhecemos. Eu também contei sobre suas características técnicas para Shtilhe…

Também informei Shtilhe sobre objetos que estão localizados nas montanhas em todas as partes do mundo. Com a ajuda desses objetos, em um momento é possível destruir todas as cidades e centros industriais de todos os países da Terra, independentemente do estado e do sistema social. Pelo que entendi pelas explicações na Sede e como indiquei sobre isso em meus artigos, em todas as partes do mundo existem esferas escavadas nas montanhas feitas de metal extra forte que não podem ser serradas ou explodidas.

Dentro dessas esferas estão certos mecanismos que, quando ativados, geram uma nuvem semelhante ao Sol. Esta nuvem entra em erupção na atmosfera, é controlável, ou seja, pode se mover ao longo de uma certa trajetória. Explode no lugar certo.”

O sistema de defesa aérea de civilizações antigas é um grande mistério separado que ainda temos que resolver.

Agora se torna bastante compreensível o selo “secreto” imposto à pesquisa oficial de artefatos de civilizações antigas, bem como porque, em nível oficial, todas essas pesquisas e os próprios artefatos são abafados ou negados.

As campanhas direcionadas para falsificar nossa história real também estão se tornando compreensíveis. Além disso, esta informação lança luz sobre a questão de que tipo de veículos atacaram o esquadrão do almirante americano Richard Byrd perto da Terra da Rainha Maud em 1947.

(Fonte)


Dizem que toda a lenda tem um fundo de verdade. Mas seria o mencionado acima somente produto da imaginação fértil de pessoas com muito tempo em suas mãos? Talvez nunca saberemos, pelo menos em nossas vidas.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.