Planeta Marte: quando coincidência e conspiração se juntam

Compartilhe esta informação com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Planeta Marte: quando coincidência e conspiração se juntam

Por Nick Redfern

Em uma daquelas situações “você não pode inventar essas coisas”, hoje é a hora de fazer uma conexão entre o Face em Marte (encontrada pela NASA em julho de 1976) e um lendário artista de quadrinhos; um homem que acabou se tornando uma das principais figuras do gênero “super-herói”. Sim com certeza. Quem era esse homem? Jack Kirby, que nasceu em 1917 e se tornou famoso por sua arte para a Marvel Comics, DC Comics e Harvey Comics.

Kirby, em 1940, foi o co-criador com Joe Simon do Capitão América – que apareceu pela primeira vez na Timely Comics. Os personagens que Kirby criou com Stan Lee da Marvel no início dos anos 1960 incluíam o Quarteto Fantástico, o Hulk, os X-Men e o Homem de Ferro (Iron Man). Todos eles apareceram em filmes megabucks, com os filmes X-Men e Iron Man sendo particularmente bem-sucedidos. Kirby optou por se mudar para a DC Comics em 1970, principalmente irritado devido à sua crença de que seu lugar específico na criação desses e outros personagens tinha sido deliberadamente minimizado pela Marvel Comics.

Kirby morreu em 1994, aos setenta e seis anos. Mas, é para 1958 que agora devemos voltar nossas atenções. Foi nesse ano que Harvey Comics publicou uma produção em três partes que recebeu o título de Race for the Moon (Corrida para a Lua).

Embora Kirby seja conhecido principalmente por seu estilo de desenho distinto e facilmente reconhecível, ele não foi apenas o artista em duas edições de Race for the Moon. Ele também foi o escritor da estória.

Das três estórias, é o segundo gibi da trilogia que, para nós, é o mais importante de todos. E, por que isso seria? Porque ele gira em torno de nada menos do que uma cabeça de pedra gigante, esculpida, que é encontrada na superfície do planeta Marte. Ela é até referida como “o rosto em Marte” na própria estória em quadrinhos.

Um precursor estranho, mas totalmente coincidente, do que viria à tona algumas décadas depois? Talvez sim. Por outro lado, entretanto, talvez haja muito mais em tudo isso do que aparenta – algo que gira em torno de nada menos do que segredo governamental e conspiração, como veremos em breve. Vamos começar com a trama do conto de Kirby.

A estória é divertida e gira em torno de um grupo de astronautas que embarcam em uma ambiciosa missão a Marte. É apenas quando eles alcançam o Planeta Vermelho que, para seu espanto e entusiasmo, o grupo percebe que, embora Marte esteja claramente morto, com certeza nem sempre foi assim. Os aventureiros astronautas são confrontados por uma gigantesca criação de pedra, que claramente não é obra da natureza.

Sim, você adivinhou certo: eles tropeçam em uma cabeça enorme e esculpida de proporções humanas. Ela domina a paisagem devastada de Marte.

O herói da história, o astronauta Ben Fisher, decide escalar a enorme criação. Ao fazer isso, ele descobre, para sua empolgação, que os olhos esculpidos da construção são realmente algo completamente diferente: eles são nada menos do que aberturas para um mundo antigo que está escondido da vista; isto é, até Fisher descer cuidadosamente para as órbitas de pedra e descobrir a chocante verdade.

Rapidamente, Fisher desmaia. Em seu estado inconsciente, Fisher tem uma visão gráfica de Marte em tempos idos, de um mundo próspero, de uma cultura avançada de humanoides gigantes (nos capítulos posteriores, veremos como contos de gigantes marcianos vêm à tona regularmente). Uma civilização, talvez, não muito diferente da nossa. Isto é, até que algo terrível aconteceu; algo que Fisher consegue “ver” por si mesmo. Marte é repentinamente atacado por habitantes poderosos e implacáveis ​​de um mundo antigo que existe entre Júpiter e Marte. Eles acabam sendo os arqui-inimigos dos marcianos. Rapidamente, Marte é destruído; a civilização dizimada, a cultura totalmente destruída e aquele mundo logo morreu. As coisas ainda não acabaram: um marciano sobrevivente é capaz de destruir totalmente o mundo das criaturas que o atacaram. Esse mesmo mundo é explodido em pedaços, tornando-se o que hoje chamamos de Cinturão de Asteroides.

Planeta Marte: quando coincidência e conspiração se juntam
O quadrinho também menciona de onde vem a raça invasora: um planeta entre Marte e Júpiter (agora desaparecido e apenas restos que formam o cinturão de asteroides).

Com o fim da guerra – um mundo agora sem vida e o outro completamente destruído – Fisher começa a acordar de seu estado inconsciente e ele rapidamente percebe que o que viu ao desmaiar foi na verdade um breve, quase mágico, vislumbre do passado distante. É como se de alguma forma, como afirma Fisher, ele pudesse ver “uma história visual da morte heroica de uma raça” e experimentasse uma estranha, mas incrivelmente acessível, “memória sobrevivente”.

Alguns sugeriram que Jack Kirby de alguma forma sabia da verdadeira Face em Marte, muito antes mesmo da NASA saber disso. Essa é uma questão polêmica que abordarei em breve.

(Fonte)


E para quem não sabe, coincidentemente ou não, um ex-cientista da NASA, o Dr. John Brandenburg, afirma que a superfície de Marte foi devastada por duas explosões nucleares, como pode ser visto no artigo abaixo:

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe esta informação com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.